domingo, setembro 19, 2021
InícioDiscriminação e PreconceitosCasos de PreconceitoTocantins registra aumento de casos de injúria racial e violência contra a...

Tocantins registra aumento de casos de injúria racial e violência contra a população LGBTQIA+

Fonte: G1

O Tocantins terminou o ano de 2020 com aumento no número de casos de injúria racial e também violência contra a população LGBTQIA+. Os dados são do Anuário Brasileiro de Segurança Pública e foram divulgados nesta quinta-feira (15) pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

Segundo o levantamento, ao longo de todo o ano de 2020 foram registrados nas delegacias das 139 cidades do Tocantins 133 casos de injúria racial. No ano anterior, em 2019, o total foi de 99 casos, um aumento de 32,9%.

Isso significa que a taxa de casos do tipo no Tocantins subiu de 6,3 a cada 100 mil habitantes para 8,4 casos a cada 100 mil moradores. Na média nacional houve queda no número de casos de injúria racial, mas aumento no número de denúncias de racismo. No Tocantins, os boletins de ocorrência não fazem diferenciação entre as duas classificações e por isso todos os casos aparecem como injúria racial.

Embora esteja longe do topo da lista em números absolutos, a taxa de incidência deste tipo de crime é mais alta no Tocantins do que a média nacional. Em todo o Brasil, em 2020, foram registrados em média 5,1 casos de injúria racial a cada 100 mil moradores e 1,58 casos de racismo levando em consideração a mesma proporção.

O anuário revela ainda que houve aumento de casos de violência no estado contra a população LGBTQIA+ (a siga engloba diversas minorias sexuais e de gênero, confira aqui uma explicação detalhada do significado de cada letra). Segundo o anuário, o número de casos de lesão corporal dolosa foi de 7 em 2019 para 12 em 2020, aumento de 71,4%. Houve ainda dois estupros, o número é igual ao de 2019.

É importante ressaltar que dados levam em consideração apenas casos em que a condição da vítima como pessoa LGBTQIA+ pode ser considerada o motivo da agressão e não casos em que a vítima simplesmente pertence a algum destes grupos. Em nenhum dos dois anos os dados oficiais registraram homicídios ligados a crimes de ódio contra a população LGBTQIA+.

RELATED ARTICLES