Transexual sofre agressão após usar banheiro feminino em bar, em Araraquara; veja relatos em vídeo

Amigo pediu esclarecimento e levou três socos; polícia se negou a fazer boletim de transfobia

Do Araraquara

A comerciante, fotógrafa e estudante transexual Hanna Neri, de 24 anos, sofreu agressões físicas e verbais após entrar em um banheiro feminino no bar Pirata’s, no Centro, na madrugada deste domingo.

Veja o VÍDEO

“Estávamos em quatro, minha amiga me chamou para retocar o batom no banheiro e eu fui. Quando estava lá dentro, uma moça entrou e pediu pra eu sair. Do lado de fora, um segurança disse que eu não podia entrar lá, tinha que usar o masculino”, relata Hanna. Abalada com o constangimento, ela ficou sem reação e começou a chorar.

O estudante e amigo Henrique Marcatto, 21, viu a situação e perguntou o porquê de Hanna não poder usar o banheiro. O segurança respondeu que ela “é homem, é viado”. “Expliquei que ela é transexual, mas ele me agrediu com três socos, um tapa na cara e depois me imobilizou pelo pescoço”, conta. Assustada, Hanna tentou intervir, mas levou um empurrão e seu nariz começou a sangrar.

Depois de outros funcionários apaziguarem a situação, Hanna e Henrique pagaram a conta e chamaram a polícia. Os policiais orientaram que ela fosse à delegacia de plantão. “Na delegacia, disseram que eu devia mesmo ter usado o banheiro masculino e que não conheciam a lei que me dá o direito de usar o feminino. Depois de muito insistir, registraram só como agressão”, explica.

Hanna diz que se sente envergonhada por a história ter se tornado pública, mas ao mesmo tempo feliz de poder lutar pelos direitos dos transexuais. “Relatei o que aconteceu no Facebook e nunca imaginei que ia ter tanta repercusão. Muitas pessoas estão apoiando e vou continuar lutando pelas pessoas que são ‘invisíveis’ para a população”, finaliza.

Não é exceção
O gestor de políticas públicas para diversidade sexual Paulo Tetti diz que o caso da Hanna não é exceção, já que muitos casos parecidos ocorrem diariamente, principalmente no que diz respeito ao uso do banheiro e do nome social. “Temos várias denúncias em relação ao Pirata’s, tanto de transfobia quando homofobia, não dá para ficar quieto, senão vai continuar acontecendo”, afirma.

Hanna e Henrique vão processar o bar e tomar todas as medidas legais necessárias. “Fiz uma capacitação com os policiais há dois meses falando sobre a lei do nome social, do banheiro e da abordagem em casos assim, mas foi feito tudo errado. Eles deveriam ter passado por exame de corpo delito e o boletim deveria constar que foi transfobia”, explica.

Pirata’s publica nota no Facebook e recebe críticas
O proprietário do Pirata’s Bar foi procurado pela reportagem, mas não atendeu o celular ontem, durante toda a tarde de ontem. Na página do Facebook, foi publicada uma nota de esclarecimento dizendo que foi aberta uma sindicância interna para investigar o caso.

“A surpresa foi, sobretudo, porque sempre foi característica do nosso estabelecimento não tolerar qualquer preconceito, seja ele de raça, religião, gênero ou orientação sexual. Prova é que a diversidade sempre foi a principal característica de nossa clientela e tudo fazemos para melhor servir o público que nos honra com sua preferência”, diz uma parte da nota.

A administração do bar diz que “a segurança é orientada a intervir apenas em casos de pessoas mais exaltadas, que possam trazer danos a outros clientes e essa ação é feita considerando apenas o fato, independente de quem seja a pessoa ou sua orientação sexual, raça, cor, credo, etc”. O comunicado foi recebido com críticas no Facebook.

+ sobre o tema

Arthur, transexual de 13 anos: “Acham que só quero chamar atenção”

Mesmo enfrentando preconceito e incompreensão fora de casa, o...

O discurso da tolerância como domesticação

Apenas uma sociedade profundamente intolerante pode invocar a necessidade...

Sem alarde nem preconceito Vigor aborda homossexualidade em anúncio para Facebook

Pode até ser que abordar homossexualidade em 2014 já...

Expulso de casa por ser gay, jovem divulga vídeo de briga com os pais

Pais evocam argumentos bíblicos para dizer que filho gay...

para lembrar

Travesti é assediada, ameaçada e agredida em ônibus em Aracaju

Após reclamar de homem que a apalpava, estudante é...

Reações de alunos fazem professores pararem com piadas homofóbicas

Aquelas piadinhas típicas de cursinho pré-vestibular estão com os...

Excluído de concurso por suposta homossexualidade será indenizado

Candidato receberá R$ 100 mil por danos morais Por unanimidade,...

‘Quero mostrar que é possível’, diz travesti cotada a reitora no Ceará

"Para mim é uma felicidade ser a primeira nas...
spot_imgspot_img

Homofobia em padaria: Polícia investiga preconceito ocorrido no centro de São Paulo

Nas redes sociais, viralizou um vídeo que registra uma confusão em uma padaria, no centro de São Paulo. Uma mulher grita ofensas homofóbicas e...

‘Não’ é ‘Não’, inclusive na igreja

No dia 29 de dezembro, o presidente Lula sancionou a lei do protocolo "Não é Não" (lei 14.786/2023), que combate violência e assédio sexual contra mulheres...

ONG contabiliza 257 mortes violentas de LGBTQIA+ em 2023

Em todo o ano passado, 257 pessoas LGBTQIA+ tiveram morte violenta no Brasil. Isso significa que, a cada 34 horas, uma pessoa LGBTQIA+ perdeu...
-+=