Um Sonho Possível: Condescendente e paternalista, filme posa de sensível

É curioso como tantos precisam de adulação pública para fazer o bem. Outro dia, um canal a cabo exibiu um programa chamado “Celebridades do Bem”, em que astros multimilionários relatavam, embevecidos por sua própria magnanimidade, seus esforços para ajudar diversa causas humanitárias. Só não ficava claro o que é que lhes dava mais prazer: se ajudar ao próximo ou anunciar isso ao mundo.

“Um Sonho Possível”, filme que deu o Oscar de melhor atriz para Sandra Bullock, periga ser “O Mágico de Oz” dessa turma que gosta de trombetear seu assistencialismo. E a personagem de Bullock, uma perua milionária que subitamente descobre que não vive num mundo de faz de conta, onde todos são brancos, ricos e cafonas, é a nova heroína da patota.

Bullock interpreta Leigh Anne Tuohy, casada com um ex-atleta milionário. Os Tuohy moram em Memphis, no Tennessee. Os filhos estudam numa escola católica de classe alta, onde não há um pobre à vista. Até que surge Michael Oher (Quinton Aaron), rapaz imenso e calado, que consegue bolsa na escola graças às suas habilidades no futebol americano. Michael vem de um bairro barra pesada e foi abandonado pela mãe, uma viciada em crack. Os Tuohy, com pena do rapaz, o acolhem em sua mansão.

“Um Sonho Possível” posa de sensível, mas é um filme condescendente e paternalista. Na “brancolândia”, Michael veste roupas novas, janta em bons restaurantes e até ganha um carro da nova família. “Nunca tive uma cama”, diz o rapaz, enquanto Sandra Bullock chora de emoção. Quando ele precisa voltar ao seu antigo bairro, encontra um cenário típico dos filmes de Charles Bronson, com bandidos mal-encarados fumando maconha e brandindo armas em plena luz do dia.

O filme canoniza a personagem de Sandra Bullock: em certo momento, ela pergunta ao marido: “Será que eu sou uma boa pessoa?”, ao que o maridão responde: “você é a melhor pessoa que eu conheço!” Palmas para ela. Enquanto isso, o pobre Michael vira uma marionete, um ser humano incapaz de tomar uma decisão e totalmente dependente da boa vontade alheia. Como se o ciclo de pobreza e violência que o vitimou só pudesse ser rompido pela caridade dos outros.

“Um Sonho Possível”, baseado na história real de Oher, hoje um jogador profissional de futebol americano, é uma overdose de sentimentalismo barato. Se quisesse realmente fazer uma boa ação, Sandra Bullock bem que poderia doar seu Oscar para uma atriz de algum filme melhor que esse.

 

+ sobre o tema

Reino Unido vai bloquear acesso à pornografia

Medida pretende impedir que crianças acessem conteúdo inadequado...

Encontro de Cinema Negro tem recorde de inscrição de filmes

O eletrizante Hear Me Move (Ouça Meus Movimentos, em tradução...

Reunião com MPF discute impacto social da demarcação de terras quilombolas

As associações comunitárias de Aguapés, Osório e Maquiné reuniram-se...

para lembrar

Ludmilla revela título e data de lançamento do quinto álbum de estúdio

♪ Vilã é o título do oitavo álbum da discografia de Ludmilla,...

Promoção: Fãs podem ganhar um dia ao lado do rapper Ne-Yo

O UOL e a gravadora Universal oferecem aos fãs...
spot_imgspot_img

Jay-Z acompanha final da Champions em Londres e prestigia Vini Jr.

O rapper e empresário Jay-Z está em Londres neste sábado (1º/6) para acompanhar a final da Liga dos Campeões da Europa, decida por Real...

As 10 músicas mais populares de Bob Marley

Bob Marley foi a maior lenda do Reggae. Por isso, mesmo partindo cedo demais aos 36 anos, seu legado continua passando de geração em geração...

Secretaria de Igualdade Racial e DH do Pará lamenta morte da coordenadora Darlah Farias

A Secretaria de Estado de Igualdade Racial e Direitos Humanos (Seirdh) do Pará divulgou, na manhã deste domingo (02/06), uma nota de pesar pelo falecimento da coordenadora...
-+=