Uma pessoa negra foi morta pela polícia a cada 4 horas em 2022, indica boletim

Enviado por / FonteCNN, por Renato Pereira

Boletim ‘Pele Alvo: a bala não erra o negro’, da Rede e de Observatórios, aponta que negros foram as vítimas de violência policial, indica relatório

A cada quatro horas, uma pessoa negra foi morta pela polícia brasileira ao longo de 2022. É o que indica o relatório “Pele Alvo: a bala não erra o negro”, divulgado pela Rede de Observatórios nesta quinta-feira (16).

De acordo com o boletim, que monitora a letalidade policial em oito estados, dos 3.171 registros de morte com informação de cor/raça declaradas, negros somam 87,35%, um total de 2.770 pessoas. Os dados foram obtidos junto a secretarias estaduais de segurança pública de Bahia, Ceará, Maranhão, Pará, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro e São Paulo via Lei de Acesso à Informação (LAI).

Como nos estudos anteriores, o novo monitoramento da Rede de Observatórios da Segurança demonstra o alto e crescente nível da letalidade policial contra pessoas negras. No ano passado, a Bahia ultrapassou o Rio de Janeiro no número de casos registrados nos estados incluídos no estudo. Bahia e Rio foram responsáveis por 66,23% do total dos óbitos.

Bahia lidera tanto em número de pessoas negras mortas por agentes policiais, ao todo foram 1.465, quanto no percentual de pretos e pardos mortos considerando a população de outras cores/raças, 94,76% do total de óbitos.

Em segundo lugar, em número de mortos, vem o Rio de Janeiro, com 1.042 óbitos de pessoas negras, 86,98% do total.

O Pará registrou 631 vítimas negras (93,9%), enquanto, Pernambuco, Piauí e Ceará registraram 91 (89,66%), 39 (88,24%) e 152 (80,43%) óbitos de pessoas pretas ou pardas, respectivamente.

São Paulo registrou 419 mortes de pessoas pretas ou pardas, fazendo de pessoas negras 63,9% das vítimas de letalidade policial. O estado teve uma redução de 48,32% no número de mortes provocadas por agentes de segurança, desde 2019, quando foram 867 vítimas.

O Maranhão, também monitorado pela Rede de Observatórios, não indica cor ou raça nos óbitos ocasionados pela polícia. Mais de 80% da população maranhense se declara preta ou parda. No estado, 92 pessoas foram mortas por agentes policiais.

Este é o quarto ano consecutivo que negros são maioria entre o número de mortos pela polícia.

“Em quatro anos de estudo, um segundo fator nos causa grande perplexidade: mais uma vez, o número de negros mortos pela violência policial representar a imensa maioria e a constância desse número, ano a ano, ressalta a estrutura violenta e racista na atuação desses agentes de segurança nos estados, sem apontar qualquer perspectiva de real mudança de cenário”, diz a cientista social Silvia Ramos, coordenadora da Rede de Observatórios.

“É necessário tomar a letalidade de pessoas negras causada por policiais como uma questão política e social. As mortes em ação também trazem prejuízos às próprias corporações que as produzem. Precisamos alocar recursos que garantam uma política pública que efetivamente traga segurança para toda a população”, completa.

O objetivo da Rede de Observatórios é monitorar e difundir informações sobre segurança pública, violência e direitos humanos. O grupo atua na produção de dados, com rigor metodológico, nos oito estados em parceria com instituições locais, acompanhando os indicadores de segurança junto aos parceiros.

+ sobre o tema

Navegando pelo legado do povo negro na história de Chapadinha, Maranhão, Brasil

Como negro nascido e crescido em Chapadinha – MA,...

Cabral: pela extensão das cotas

  Governador alerta para o racismo que ainda persiste...

“20 centavos, eu não pago não!” – Elza Soares apoia manifestações

Em show realizado no dia 15/06/2013 em Ribeirão Preto,...

Pai pede desculpas após fantasiar filho negro de macaco e imagem viralizar nas redes

A foto foi registrada durante um bloco de carnaval em...

para lembrar

21 de Março – Leci Brandão: Nosso racismo de cada dia

A Organização das Nações Unidas instituiu o 21 de...

Exu e alguns outros – metáforas cognitivas

Há alguns meses, com a pandemia colocando todos pra...

A professora, o aluno negro, as cotas e o racismo que muita gente não quer ver

Na ultima semana nos deparamos com a mais nova...

Projeto Geração XXI- Memória Institucional

O Geração XXI foi a primeira ação afirmativa em...
spot_imgspot_img

Senado aprova prorrogação e ampliação da política de cotas para concursos públicos

O Senado aprovou, nesta quarta-feira (22), o projeto de lei (PL) 1.958/2021, que prorroga por dez anos a política de cotas afirmativas para concursos...

Morte de senegalês após ação da PM em SP completa um mês com investigação lenta e falta de acesso a câmeras corporais

Um mês após a morte do senegalês Serigne Mourtalla Mbaye, conhecido como Talla, que caiu do 6º andar após ação policial no prédio em que morava...

Maurício Pestana: escola de negros e o Terceiro Vagão

Em vários artigos já escritos por mim aqui, tenho apontado como o racismo no Brasil utiliza a via da questão econômica e educacional para...
-+=