Você não é mãe dele

Dedico este texto à minha amiga Gabriela Fernandez

Por  /Ilustração: Izadora Luz, no Revista Capitolina

* Vou falar de relacionamentos heterossexuais. Acho que mulheres podem ser mães de outras mulheres e homens mães de outros homens no sentido do texto, mas acredito que o mais comum seja entre mulheres e homens por questões socioculturais.

Em um ano de Capitolina devemos ter falado mais ou menos 1 zilhão de vezes que as diferenças entre homens e mulheres são socialmente construídas. É um dos axiomas da nossa revista. Pois bem, uma das diferenças socialmente construídas entre homens e mulheres é o cuidado.

Mulheres são ensinadas a cuidar de si e dos outros, mulheres são mães e homens são pais, mas uma pequena observação de como isso acontece revela que as mulheres cuidam muito mais dos filhos do que os homens. O papel feminino sempre foi associado ao cuidado e até pouco tempo atrás nem todas as mulheres trabalhavam fora – historicamente, a entrada de mulheres no mercado de trabalho aconteceu para mulheres brancas e de classe média/alta já que mulheres negras e pobres sempre tiveram que trabalhar –, hoje a grande maioria das mulheres trabalha e cuida da casa configurando jornadas duplas de trabalho. São também as mulheres que costumam cuidar dos idosos. Tudo isso pra dizer que mulheres aprendem a cuidar dos outros, a resolver pepinos dos outros, a ajudar os outros.

Não estou dizendo que todas as mulheres são assim ou que homens não são, até porque isso seria reforçar o cuidado como algo intrinsecamente feminino. Estou dizendo que, desde crianças, meninas são ensinadas a serem cuidadoras — algumas mulheres vão internalizar isso mais do que outras, da mesma forma que alguns homens vão também internalizar isso.

Quando a gente está namorando ou se relacionando de forma séria com alguém, esse lado do cuidado aparece ainda mais forte. Seu namorado não consegue terminar um trabalho pra faculdade e você já terminou os seus, aí você ajuda; seu namorado resolve escalar uma pedra limosa na cachoeira e você manda ele descer; está na hora de se inscrever nas disciplinas da faculdade e você lembra seu namorado, senão ele esquece; você tem que ensinar conceitos básicos pra ele; lembrar ele de ir ao dentista; ajudar a comprar móveis, senão a casa fica vazia; você se pega organizando as coisas na casa dele, lavando a louça, fazendo comida; vocês vão viajar e você leva duas toalhas, além de organizar tudo; ele deixa o cabelo crescer e você compra shampoo; exemplos ao infinito.

A gente acaba infantilizando os caras — e muitas vezes eles curtem esse papel e vão incentivando isso na gente, porque é mais fácil mesmo ter alguém pra resolver sua vidinha — e fazendo coisas que não são nossas obrigações e, principalmente, que eles não pediram. E isso pode ser muito prejudicial pro namoro e pra gente, que saco ter que ficar fazendo coisas por alguém que deveria ser seu parceiro, te ajudar também. Especialmente quando esses papéis se naturalizam no relacionamento e o cara passa a esperar isso de você, e você passa a fazer sem questionar.

Claro que amor implica cuidado, como eu mesma já falei em outro texto. E às vezes a gente é melhor em algo e realmente não se importa de fazer. Só que existe uma diferença entre ajudar e cuidar do seu amor e fazer as coisas por ele, no lugar dele, pra proteger ele de tudo. Isso é ser mãe. E você não é mãe do seu namorado. Repito como um mantra: você não é mãe do seu namorado, você não é mãe dele.

Às vezes pode parecer muito difícil fazer a diferença entre cuidar como namorada, ajudar como companheira, fortalecer como parça e entrar no limiar do cuidado maternal. E é difícil mesmo, porque são nuances, ambiguidades. Mas eu acho que existem duas formas de perceber: a primeira é fazer a seguinte pergunta: “Ele me pediu ajuda?” Simples assim, quando o boy precisar de ajuda ele vai te pedir, especialmente se é em algo que ele sabe que você é boa, da mesma forma que você sempre pode pedir ajuda a ele. A segunda forma é entender como você se sente em relação àquela ajuda que você tá dando: por que você está ajudando ele? É muito ruim achar que a pessoa que tá com a gente é incapaz de alguma coisa.

Especialmente porque os caras não são incapazes, se é algo que você consegue fazer ele vai conseguir também, mesmo que demore mais tempo e ele não seja tão habilidoso quanto você. A gente é criada pra achar que precisa cuidar de todo mundo o tempo todo, que esse é nosso papel, mas não é. Agora, se ele te pedir ajuda, vai lá, porque companheirismo é isso. Só que não é preciso fazer o que você não quer, especialmente o que você sente que não é sua função. Você não é mãe dele.

  • Colaboradora de Relacionamentos & Sexo

Brena é uma jovem carioca de 22 anos que cada dia tem um pouco menos de certeza. Muda de opinião o tempo toda e falha miseravelmente na sua tentativa de dar sentido a si mesma e ao mundo em que vive. Gosta de ir ao cinema sozinha as quintas a noite e de ler vários livros ao mesmo tempo. Quase todas as segundas de sol pensa que preferia estar indo a praia, mas nunca vai aos domingos.

+ sobre o tema

Mulheres agredidas que vivem em comunidades do RJ relatam dificuldade para conseguir proteção

Mulheres agredidas que vivem em comunidades encontram um obstáculo...

Idioma e tradições culturais ainda são obstáculos para mulheres indígenas

Além de estarem sujeitas as mesmas dificuldades que todas...

Denzel Washington recusou beijos de atrizes brancas – veja os motivos!

Ao longo dos anos, Denzel Washington foi muitas vezes...

para lembrar

Primeira cantora transgênero indicada ao Oscar decide boicotar cerimônia

Anohni concorre na categoria de melhor canção original e...

Repensando a Interseccionalidade

Esse breve texto é organizado a partir do pensamento...

Quem é Melly, cantora e compositora revelação do R&B nacional?

Com apenas 20 anos, ela surpreende pela maturidade vocal,...
spot_imgspot_img

Mulher tem aborto legal negado em três hospitais e é obrigada a ouvir batimento do feto, diz Defensoria

A Defensoria Pública de São Paulo atendeu ao menos duas mulheres vítimas de violência sexual que tiveram o acesso ao aborto legal negado após o Conselho...

‘Abuso sexual em abrigos no RS é o que ocorre dentro de casa’, diz ministra

A ministra das Mulheres, Cida Gonçalves, considera que a violência sexual registrada contra mulheres nos abrigos que recebem desalojados pelas enchentes no Rio Grande...

ONU cobra Brasil por aborto legal após 12 mil meninas serem mães em 2023

Mais de 12,5 mil meninas entre 8 e 14 anos foram mães em 2023 no Brasil, num espelho da dimensão da violência contra meninas...
-+=