13 de abril: dia de celebração e luta para as mulheres do samba

“Não chora, meu bem, que dias melhores já vêm”. Num tempo em que atravessamos a pandemia do Coronavírus – a maior dos últimos cem anos -, os versos compostos e cantados lindamente por Dona Ivone Lara, que completaria 99 anos hoje, ecoam em nossos ouvidos como um acalanto, como força para seguirmos na luta.

Vivemos o período mais duro e cruel da crise sanitária e humanitária em nosso país. Hospitais lotados, falta de vacina e um Governo Federal que se recusa a amparar a população e proporcionar isolamento digno aos brasileiros: esse é o grave quadro que enfrentamos.

E nesse cenário crítico, a Cultura é um dos setores mais afetados. E as rodas de samba, cuja a essência e a engrenagem não se reproduzem virtualmente, é uma das manifestações culturais mais abaladas por essa situação.

Produtoras, cantoras, compositoras, instrumentistas, empreendedoras, cozinheiras, djs: são incontáveis as mulheres do samba que são chefes de suas famílias, que sustentam seus filhos com seus trabalhos nas rodas do Rio de Janeiro e de todo o Brasil.

Por esse motivo, a data de hoje, 13 de abril, Dia da Mulher Sambista – instituída como homenagem a Dona Ivone e, consequentemente, a todas as mulheres do samba -, além de ser uma data de celebração, é ainda mais um marco de luta. Um marco de mobilização neste momento de grande dificuldade para este grupo social.

A partir da inclusão da data no calendário oficial do município do Rio, em 2019, e posteriormente a inclusão da Semana da Mulher Sambista, entre 13 e 19 de abril, no calendário do estado, em 2020, fruto de iniciativas legislativas do mandato do vereador Tarcísio Motta e de meu mandato, foi criado por trabalhadoras do samba e veio se fortalecendo cada dia mais o Movimento das Mulheres Sambistas.

O movimento tem como pilares a organização, a formação e a mobilização de mulheres do samba para a defesa de suas pautas e de seus direitos e para a formulação de políticas públicas que atendam a essa coletividade. Com ações que visam o apoio às sambistas, algumas específicas para o enfrentamento à pandemia, o movimento conta com parcerias com instituições ligadas à Educação e à Cultura e, especialmente, com a participação popular.

Nesta semana, um Viradão cultural, organizado pelo movimento, e exibido a partir de hoje em seu perfil no Instagram, reunirá mais de 80 artistas e reverterá toda a sua arrecadação às mulheres do samba que se encontram em estado de vulnerabilidade. É lembrando o legado de Dona Ivone, que, com seu engajamento, deu talento e sua generosidade, abriu caminho para tantas outras, que conseguiremos alcançar novas perspectivas para as trabalhadoras do samba e, como ela nos ensinou, faremos novamente ecoar “em cada canto uma esperança”.

+ sobre o tema

Senado aprova multa para quem paga salário diferente para mulher

Texto, que agora segue para a Câmara, pretende assegurar...

“Mulheres do Brasil” estreia no Estúdio CBN Grandes Lagos

Coluna aborda a história de mulheres que tiveram relevância...

No carnaval, a cada quatro minutos uma mulher foi agredida no Rio

Dados da PM abrangem apenas aquelas que pediram socorro...

para lembrar

OMS retira a transexualidade da lista de doenças mentais Publica

A Organização Mundial da Saúde (OMS) removeu da sua...

Mulher, conceito plural

Judith Butler deu um passo além de Simone de...

18 anos: a idade mais perigosa para mulheres no Brasil

Dezoito anos de idade, negra e morta dentro de...
spot_imgspot_img

O mapa da LGBTfobia em São Paulo

970%: este foi o aumento da violência contra pessoas LGBTQIA+ na cidade de São Paulo entre 2015 e 2023, segundo os registros dos serviços de saúde. Trata-se de...

Grupos LGBT do Peru criticam decreto que classifica transexualidade como doença

A comunidade LGBTQIA+ no Peru criticou um decreto do Ministério da Saúde do país sul-americano que qualifica a transexualidade e outras categorias de identidade de gênero...

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...
-+=