20 de Novembro: Uma história de luta e resistência contra o racismo, a exploração e todas as formas de opressão

Em Porto Alegre (RS), no dia 20/11 (quarta-feira) acontece a 7ª MARCHA ESTADUAL ZUMBI DOS PALMARES, com saída às 18h, no Largo Glênio Peres (em frente à prefeitura). Um dia para reafirmar a luta!

Poucos sabem que a escolha da data que deu origem ao 20 de novembro vem de uma pesquisa feita pelo Grupo Palmares, do Rio Grande do Sul – mais especificamente por Oliveira Silveira, militante falecido do Movimento Negro. A importância da data da morte de Zumbi de Palmares, em 20 de novembro de 1695, que reafirmamos como dia de luta e de resistência dos milhares de negros e negras escravizados, em nome da acumulação de riquezas do colonizador, hoje é para nós a marca de que nossa luta está longe de acabar.

Com o neoliberalismo e seus ataques à classe trabalhadora de conjunto, e a crise econômica mundial e os reflexos no Brasil, percebemos que os negros(as), que são a metade da população, encontram-se nas piores condições de ter uma vida digna em todos os aspectos. Os dados estatísticos demonstram, com nitidez, por exemplo: representam 69,3% dos 10% mais pobres, trabalham 2 horas a mais do que os brancos, na estrutura ocupacional segundo raça/cor na pesquisa feita pela Fundação de Economia e Estatística vemos que há menor contratação de negros(as) em trabalhos como da indústria, comércio e serviços – enquanto que na construção civil e no emprego doméstico, se olharmos os dados de Porto Alegre, veremos que os negros são 60%, em uma capital onde no Estado representam apenas 15,5% do total.

Essa discrepância de condição se apresenta em todos os estados brasileiros. Mas não apenas nesse sentido se reflete o racismo. Negros recebem os mais baixos salários em piores condições de trabalho. Ocupam postos na terceirização e no subemprego. As mulheres negras ganham 1/3 do rendimento de um homem branco; as crianças negras começam a trabalhar mais cedo.

A violência contra a mulher negra que é tida “como a carne mais barata do mercado”; só aumenta, mesmo com a Lei Maria da Penha. As mulheres continuam sendo mortas em suas próprias casas e as mulheres negras não fogem à regra. Pelo contrário, em todos os índices são as que mais sofrem de abusos e violências físicas e moral. E, ainda, contam com o silêncio do racismo institucional, quando vão denunciar os crimes ou pedir ajuda.

Nem Lula, nem Dilma mudaram a condição de opressão e de racismo dos negros e negras em nosso país. Por todas essas questões é que o 20 de novembro, assim como Zumbi, que morreu na luta neste dia, para nós é dia de muita luta, garra e resistência.

PARTICIPE:

DIA 20 DE NOVEMBRO: 7ª MARCHA ESTADUAL ZUMBI DOS PALMARES
Às 18h – no Largo Glênio Peres

Fonte: SINDPPD-RS

+ sobre o tema

Rede social para negros quer dar visibilidade a políticos e empreendedores

A Black & Black, uma rede social brasileira indicada...

Exposição na Casa França Brasil conta a história do negro no Rio

Mostra reúne 500 peças, como bronzes do Benin, máscaras...

Quilombolas entrarão na justiça por danos morais

Federação Nacional de Associações Quilombolas (FENAQ) entrará com uma...

para lembrar

OAB e Ministra estudarão incluir tema da igualdade racial no exame de ordem

O presidente nacional da Ordem dos Advogados do Brasil...

A ministra negra da nova República.

A ministra negra da nova República matéria original de Marcos...

Ministra Luiza Bairros discute parceria com EBC para projetos de valorização da cultura afro-brasileira

Possíveis parcerias terão como propósito a difusão de projetos...
spot_imgspot_img

Câmara aprova projeto que torna Dia da Consciência Negra feriado nacional; texto vai à sanção

Por 286 votos a favor e 121 contrários, a Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira (29) um projeto de lei que declara o dia 20 de...

Profissionais negros reinventam suas carreiras na TV e avaliam a importância da discussão racial

No Dia da Consciência Negra, o gshow conversou com artistas que compartilham a jornada que é ser um profissional preto na teledramaturgia. Entre eles, atores, atrizes e...

“Quanto mais diversos formos, melhores seremos”

Uma das mais destacadas intelectuais em atividade no país, a historiadora e antropóloga Lilia Schwarcz, docente da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas...
-+=