A mãe de Pedro Ivo quer justiça – e você?

Às 8 da manhã, Pedro parou para falar com um adolescente da comunidade e fazer um convite: “Domingo tem igreja”.

Por Atila Roque enviado para o Portal Geledés

Aos 19 anos de idade, ele trabalhava no Centro de Distribuição de Alimentos, em Irajá, e estava noivo. Enquanto conversava, policiais do Batalhão de Choque chegaram atirando e todos começaram a correr – menos Pedro. Ele foi morto por um tiro disparado pela polícia.

“Eu sei quem era meu filho. (…) Isso é muito doloroso: ver uma criança com um futuro pela frente tomar um tiro nas costas ou na cabeça” – Helena, mãe de Pedro Ivo

Posicione-se ao lado de Helena e de todas as mães que perderam seus filhos em operações da polícia. É sua assinatura que pode fazer a diferença no caso de Pedro Ivo e tantos outros. Demande justiça agora.

O relatório ‘Você matou meu filho’, lançado este mês pela Anistia Internacional, traz dados inéditos sobre mortes em operações policiais no estado do Rio de Janeiro, e casos como o de Pedro Ivo. Do total de homicídios na capital do Rio de Janeiro em 2014, 15,55% foram cometidos pela polícia, durante operações policiais.

O que o documento mostra é que nem todas as mortes em operações policiais ocorrem em legítima defesa. Para que não haja dúvidas de que a polícia está cumprindo seu dever de proteger a população, todos os casos de mortes que ocorrem em operações policiais devem ser investigados de forma célere e transparente. Posicione-se ao nosso lado por justiça.

Para escrever o relatório, entrevistamos mais de 50 pessoas de comunidades – testemunhas, familiares das vítimas e servidores públicos -, membros das Polícias Civil e Militar, especialistas do campo da  segurança pública e defensores públicos do estado. Também tivemos acesso a registros de ocorrência, atestados de óbito, laudos periciais, inquéritos policiais, fotos e vídeos.

Esta é nossa contribuição como organização de direitos humanos. Vamos continuar mobilizados por justiça, e por uma política de segurança pública mais transparente, que respeite direitos fundamentais e defenda a população.

Posicione-se conosco. Assine a petição.

+ sobre o tema

Desabafo de uma Pré-Vestibular Cotista

 Vou começar o texto com algumas informações...

“Eu não tinha ideia do racismo que eu sofreria como Miss USA”

Deshauna Barber revela como usar o seu cabelo natural...

Carapinha. Muito cara…

Cadiveu. Ou cadáveu, como diria o Adún.  Sem dúvida, é...

‘Não é justo’, diz Rafael Braga Vieira único preso por protestos

  As manifestações de rua que sacudiram o País...

para lembrar

Ser periférico: trajetórias materiais, perspectivas simbólicas

Sujeitos que promovem iniciativas culturais e de comunicação nas...

África quer investigação ao “racismo sistémico” e violência policial

O texto do projeto, consultado hoje pela agência AFP,...

Ciências naturais e racismo: o caso de Christian Cooper

Em junho deste ano, observamos em todo o mundo...

Alemanha – Vítimas de crimes racistas terão cerimónia de homenagem

A Alemanha vai organizar uma cerimónia de homenagem às...
spot_imgspot_img

Futuro da gestão escolar

A educação pública precisa de muitos parceiros para funcionar. É dever do Estado e da família, com colaboração da sociedade, promover a educação de todas as...

Educação para além dos muros da escola

Você pode fornecer escolas de qualidade para os mais pobres e, mesmo assim, talvez não veja a mudança na realidade do país que se...

Criança não é mãe

Não há como escrever isto de forma branda: nesta quarta-feira (12), a Câmara dos Deputados considerou urgente discutir se a lei deve obrigar crianças vítimas de estupro à...
-+=