A melhor notícia do ano

Dados do IBGE mostram que a consciência do povo está mudando e sua autodeclaração também

A melhor notícia que li este ano veio do IBGE: a parcela do povo que se autodeclara de raça/cor preta aumentou de 8,6% em 2017 para 10,6% em 2022. O percentual pode parecer pequeno numa população estimada em 213 milhões, mas não é. Ao contrário.

É bastante coisa para uma sociedade que desde o século 19 vem mascarando sua identidade étnica a ponto de criar a classificação de pardo para quem não tem a tez retinta e de se auto intitular uma “democracia racial”. Somados, pretos e pardos (45,3%) são 55,9% dos brasileiros.

Trata-se de um claro (não resisti ao trocadilho) sinal de que nós, negros, estamos ainda mais dispostos e determinados a seguir resistindo e lutando pelo respeito a nossos corpos e a nossos direitos.

No livro “Tornar-se negro – ou as Vicissitudes da Identidade do Negro Brasileiro em Ascensão Social“, a psicanalista Neusa Santos Sousa afirma que “no Brasil, nascer com a pele preta e compartilhar de uma mesma história de desenraizamento, escravidão e discriminação racial não organiza, por si só, uma identidade negra”.

Isso reforça a importância de políticas de ação afirmativa, como as cotas nas universidades, e da ampliação do debate nacional sobre as desigualdades criadas e mantidas por questão racial.

Não é por acaso que pouco se fala sobre racismo nas escolas do país e que o protagonismo de personagens negras e indígenas em diversos momentos da nossa história seja ocultado. Ou que a lei que tornou obrigatório o ensino da história e da cultura afro não seja realidade efetiva apesar de existir há 20 anos (lei 10.639/03).

O letramento racial é fundamental para enfrentar o imaginário racista e institucionalizado de que o ser humano, bonito, desejável e digno de valor é branco. Milhões de brasileiros foram criados para sentir vergonha de suas origens, como se fossem descendentes de povos sem mérito ou cultura. O dado do IBGE mostra que a consciência desse coletivo está mudando.

+ sobre o tema

Foi a mobilização intensa da sociedade que manteve Brazão na prisão

Poucos episódios escancararam tanto a política fluminense quanto a...

Selo Sesc lança Relicário: Dona Ivone Lara (ao vivo no Sesc 1999)

No quinto lançamento de Relicário, projeto que resgata áudios...

Em autobiografia, Martinho da Vila relata histórias de vida e de música

"Martinho da Vila" é o título do livro autobiográfico...

para lembrar

spot_imgspot_img

O Brasil branco é um produto de cotas

Quem observa a oposição às cotas raciais nas universidades e no serviço público é capaz de pensar que o Brasil nunca adotou cotas anteriormente. Errado. O...

Brasil e EUA voltam a articular plano contra discriminação racial; veja como funciona o acordo entre os países

O Brasil e os Estados Unidos promoveram a primeira agenda entre congressistas e a sociedade civil desde a retomada do acordo de cooperação bilateral...

Coisa de mulherzinha

Uma sensação crescente de indignação sobre o significado de ser mulher num país como o nosso tomou conta de mim ao longo de março. No chamado "mês...
-+=