sexta-feira, agosto 19, 2022
InícioQuestão RacialArtigos e ReflexõesA pandemia, o racismo e o bode na sala¹

A pandemia, o racismo e o bode na sala¹

amigos e amigas do trabalho, da família e da luta social
Vamos nos fortalecer para vencer o mal
Fazer deste limão uma limonada, superar esta empreitada,
e vencer, vencer, vencer! Este samba é para você
Amigo e amiga desta jornada da vida.
Na jornada da vida – Aderaldo Gil

“Em 15 meses foram gastos com a militarização da Maré o dobro do que se investiu na comunidade em programas sociais por 6 anos.”
Renata Souza, Cria da Favela: p. 90

A pandemia, na extensão e intensidade como está se dando será um marco nas narrativas do século XXI. Poetas, artistas, filósofos proclamam mudanças significativas na concepção da existência humana, nas relações sociais, nas relações de seres humanos com a natureza, etc.

Será que isso vai acontecer mesmo? Porque sempre houve desejos e anúncios de mudanças, frustradas pela força dos poderes tradicionais e por fraquezas das-dos agentes da transformação.

A dúvida aumenta depois de ler o artigo do filósofo Renato Janine Ribeiro, na revista Piauí, de 26.08.2020: DIÁLOGOS URGENTES: Para livrar o Brasil da barbárie, direita e esquerda precisam conversar e, juntas, ir ao encontro dos eleitores não fanáticos de Bolsonaro.

Ele avalia como progressistas os governos de Itamar Franco a Dilma Roussef, conclama os partidos políticos PSDB e PT a que abandonem o ódio recíproco (que para o autor é o que permitiu a ascensão da extrema direita), se esforcem para aglutinar os setores democráticos, e busquem o diálogo com bolsonaristas “não fanáticos”, para “reconquistá-los para a democracia”. E então ele pergunta: “O Brasil sobreviverá a mais dois anos dessa loucura que é o governo Bolsonaro?”, deixando claro, que o objetivo fundamental dos DIÁLOGOS URGENTES seria afastar Bolsonaro.

Acertou em cheio desejos de boa parte da intelectualidade e de setores progressistas, que não suportam desgastes emocionais, descaso com a Ciência que agrava a pandemia e a chatice do isolamento, discursos absurdos e vergonhosas reuniões ministeriais, ataques à cultura, desmatamento da Amazônia!!! Agonia e impotência geram certa expectativa de que “todxs contra Bolsonaro” acelere “mudanças inevitáveis” que virão (não se sabe bem como),
devido à desorientação e ao descalabro generalizado nas ações governamentais de municípios, estados e no governo federal, responsáveis pelo genocídio e pelo aprofundamento da pobreza”!!!

“Sonhar não custa nada…” Nada como o colapso do governo Bolsonaro e recuo dos setores conservadores e dos oportunismos de todos os matizes, para sair do desânimo de derrotas sucessivas!!!

Analistas competentes preveem que SIM!!! Vai haver crise econômica e mais empobrecimento. Nada, porém, que não se possa administrar com um “arco de alianças”, uma “frente democrática”, e governos desenvolvimentistas, “civilizados”, não fascistas.

A pandemia e o governo Bolsonaro e seus aliados seriam “o bode na sala”?

Sim, para pessoas insensíveis e insensatas, em geral mais instruídas, com alguma segurança financeira, profissional, ou outra maneira de “segurar a onda”, e driblar a tragédia que promete se aprofundar, no pós pandemia, para as grandes maiorias negras e pobres.

E para quem, em isolamento, “grudou” em telejornais e redes sociais, enxergou e sentiu obsessivamente o “o escândalo de desigualdades” – “falta de água e sabão para lavar as mãos”… “dezenas de milhões de pessoas invisíveis na miséria… muitos que não tinham sequer documentos…?” A chacina de Paraisópolis, o assassinato e sequestro do corpo de João Pedro, “DENTRO DE CASA”!!!; a morte do Miguel, filho da Mirtes, abandonado pela patroa da mãe no elevador de um prédio de luxo em Pernambuco; o policial se equilibrando sobre o pescoço de uma mulher negra de 51 anos, em São Paulo; e assistiu dezenas de vezes a tortura e morte de George Floyd, e a potência de manifestações diárias contra o racismo e a violência policial no Brasil e em toda parte do mundo… Para esses e essas basta tirar “o bode da sala”?

Infelizmente a tendência é essa. A não ser que… A MILITÂNCIA NEGRA FAÇA A DIFERENÇA!

Importantes aqueles e aquelas que se dediquem a manter a tensão: ocupar espaços políticos-institucionais, desencadear ações que impactem as mídias hegemônicas e repercutam nas redes sociais, mantendo a questão racial na agenda política nacional!! Por ora, nada de brigar com Janine Ribeiro e outros intelectuais que pretendam democracia, por mais aguada que seja. Seguir com as denúncias e enfrentamento de racismo-machismo-sexismo-exploração, nossas caras pretas em toda parte, de todo jeito e COM TUDO!

Mas ter a consciência de que tudo será insuficiente se ficar apenas em espaços e jogos de cena políticos-institucionais: prá nós, “Política, só quando nossa gente negra, indígena e pobre entrar na história”!!!

Antes da criação da SINBA-Sociedade de Intercâmbio Brasil África, a primeira entidade negra nos anos 70, no Rio de janeiro; quando ainda não era comum o termo Movimento Negro, ouvi de Yedo Ferreira²: “A causa negra é
revolucionária. A militância também deve ser”.

Seremos capazes de superar distanciamentos, desconhecimentos e desarticulações e assumir as vantagens de nossa ampla e rica diversidade? Militantes na Educação, na Saúde, na Segurança Pública, no Direito, na Ciência e Tecnologia, empreendedores, poetas e artistas: das TVs, das modas, das danças, das músicas, das ruas… e a infinidade de gente nossa que salta “os muros de lamentações”, assumiu a consciência negra, tomou gosto e incorporou sentidos de liberdade, igualdade de oportunidades, e de justiça social;

Seremos capazes de pensar e gerar estratégias e ações coletivas, de explodir a “bolha” de gente insensata e elitista, que “se sente e se acha” melhor/superior, porque estudou, adquiriu “cultura”, informação, politização, e descola das linguagens, referências, jeitos e manhas da nossa gente?

De “chegar junto” às grandes maiorias negras e pobres? Porque só assim tornaremos a luta contra o racismo e a pobreza uma força política capaz das transformações necessárias. Ah!!! Botar “fogo na Babilônia”, como queria Bob Marley, – cidadania prá valer!!!

De assumir a responsabilidade de impulsionar um novo momento e características, que já estão germinando, nas Lutas Sociais no Brasil – Soltar as vozes e ações de Marias, Mahins, Marielles, Malês?

Reversão da pobreza e da correlação de forças na conjuntura… NADA ESTÁ GARANTIDO: TUDO DEPENDE DE NÓS, DO QUE FORMOS CAPAZES DE FAZER!!!

*Militante do Movimento Negro, Prof. do DTPE-IE-UFRRJ

¹Uma versão de piada antiga: um pai questionado pela família por autoritarismo e carências de diversos tipos, aparece um dia com um bode e o amarra na sala. Depois de uma semana de catinga, barulhos e sustos, o pai leva o bode embora. Todes respiram aliviades. Tudo se acomoda e volta “ao normal”!!!

²Um dos mais conhecidos-respeitados-queridos militantes do Movimento Negro Brasileiro – hoje com 88 anos, feitos ontem – 27.08!! PARABÉNS Yedo!!!


** ESTE ARTIGO É DE AUTORIA DE COLABORADORES OU ARTICULISTAS DO PORTAL GELEDÉS E NÃO REPRESENTA IDEIAS OU OPINIÕES DO VEÍCULO. PORTAL GELEDÉS OFERECE ESPAÇO PARA VOZES DIVERSAS DA ESFERA PÚBLICA, GARANTINDO ASSIM A PLURALIDADE DO DEBATE NA SOCIEDADE

Artigos Relacionados
-+=
PortugueseEnglishSpanishGermanFrench