África chamada a cooperar com imprensa na educação para a paz

Africa 21 –

Mombasa – Os governos africanos foram instados quarta-feira (16), em Mombasa (Quénia), a trabalhar em estreita colaboração com a imprensa na transmissão de “mensagens positivas” capazes de educar as populações a saber preservar a paz e combater a violência.

Este apelo foi lançado no termo de uma conferência regional sobre a “Educação para a Paz” que, de 14 a 16 deste mês, reuniu delegações governamentais de alguns países africanos vítimas de conflitos, para estudar formas de combater a violência através da Educação.

O encontro decorreu na cidade portuária de Mombasa, a cerca de 500 quilómetros da capital queniana, Nairobi, na presença de ministros da Educação ou seus representantes bem como especialistas da sociedade civil e de organismos internacionais ligados ao sector educativo.

No seu comunicado final assinado pelos ministros da Educação presentes, a conferência sublinha que a paz “não é necessariamente a ausência de guerra” e que ela deve ser “alimentada e sustentada nos nossos corações e nas nossas mentes sobretudo em tempo de estabilidade”.

O documento adianta ainda que a ameaça que os conflitos, a insegurança e a instabilidade representam para o desenvolvimento económico, social e cultural dos países africanos impõe a necessidade de “garantir a boa governação, a democracia e a promoção dos direitos humanos”.

Por isso, os signatários do documento apelam a todos os Governos africanos a trabalhar “com todos os parceiros, e em particular com a imprensa, para promover mensagens positivas” a favor da paz.

Os Governos africanos são igualmente instados a “legislar contra o discurso do ódio e a comunicação inflamatória com vista a proteger os cidadãos e garantir a preservação da paz e da estabilidade”.

Reconhecendo a Educação como um “importante instrumento para promover a cultura da paz”, os signatários consideram que ela deve ir além da aquisição de conhecimentos e habilidades “para procurar transformar os corações e as mentes e permitir aos seres humanos viver em harmonia”.

Para se atingir essa harmonia, prossegue o documento, é imperioso que os educandos assumam a sua diversidade racial, religiosa e cultural “como uma parte importante do seu património nacional”.

A reunião de Mombasa foi conjuntamente organizada pelo Ministério queniano da Educação e pela Associação para o Desenvolvimento da Educação em África (ADEA) com o objectivo de estudar formas de adaptar os sistemas educativos à função de prevenção e resolução de conflitos.

A nível de Estado, estiveram presentes delegações ministeriais de Angola, da África do Sul, da Côte d’Ivoire, da República Democrática do Congo (RDC), do Sudão, do Uganda e do anfitrião Quénia.

Outros inicialmente convidados estiveram ausentes por impedimentos de última hora, segundo os organizadores do evento, referindo-se aos casos de Madagáscar, Libéria, Ruanda, Serra Leoa e Zimbabwe.

Matéria original

+ sobre o tema

Conflitos africanos são alimentados pelo Ocidente

O presidente do Zimbabwe, Robert Mugabe, acusou os...

África ganha 11 bilionários em 1 ano. Veja os mais ricos

  Segundo ranking divulgado pela revista Forbes, 10...

para lembrar

Vencedora de Prêmio Casa a favor de políticas contra o racismo

A cubana Zuleica Romay, Prêmio Extraordinário de Estudos sobre...

Hollande leva a Merkel plano de novo pacto para tirar UE da crise

  O novo presidente francês, François Hollande, tomou...

O país onde os negros tem cabelos naturalmente loiros

Ilhas de Salomão, país localizado no Oceano Pacífico, cerca...

Pesquisadores visitam país da Oceania onde negros têm cabelos naturalmente loiros

Pesquisadores das universidades de Stanford, de Bristol, da...
spot_imgspot_img

Um Silva do Brasil e das Áfricas: Alberto da Costa e Silva

Durante muito tempo o continente africano foi visto como um vasto território sem história, aquela com H maiúsculo. Ninguém menos do que Hegel afirmou, ainda no...

Artista afro-cubana recria arte Renascentista com negros como figuras principais

Consideremos as famosas pinturas “A Criação de Adão” de Michelangelo, “O Nascimento de Vênus” de Sandro Botticelli ou “A Última Ceia” de Leonardo da Vinci. Quando...

Com verba cortada, universidades federais não pagarão neste mês bolsas e auxílio que sustenta alunos pobres

Diferentes universidades federais têm anunciado nos últimos dias que, após os cortes realizados pelo governo federal na última sexta-feira, não terão dinheiro para pagar...
-+=