Amaro Freitas une a cultura popular afro-brasileira e o jazz em ‘Rasif’

O pianista pernambuco leva ao Teatro de Santa Isabel, nesta sexta-feira, a turnê do seu segundo disco, que mostrou primeiro nos palcos da Europa

Por: Daniel Medeiros, do FolhaPE

Foto: Helder Tavares/Divulgação

Ao lançar seu primeiro disco, “Sangue Negro” (2016), o pianista pernambucano Amaro Freitas, de 27 anos, conquistou a crítica especializada, que costuma apontá-lo como a renovação do jazz brasileiro. A boa reputação alcançada fez com que o artista assinasse contrato com o renomado selo musical londrino Far Out, pelo qual lançou seu segundo álbum, “Rasif”. O trabalho será apresentado ao público recifense nesta sexta-feira (26), às 20h30, no Teatro de Santa Isabel.

Antes de chegar à capital pernambucana, o show passou por diversos clubes de jazz da Europa, no segundo semestre do ano passado. Amaro sobe ao palco em trio, ao lado de Jean Elton (baixo acústico) e Hugo Medeiros (bateria). Os dois músicos também participaram da gravação do disco, que ocorreu no estúdio Carranca, no Recife. Composto por nove faixas inéditas, o álbum aprofunda as experiências musicais iniciadas por Amaro em seu primeiro trabalho.

“Eu levei cerca de um ano para finalizar as composições novas, que foram ficando prontas durante o período de tour de ‘Sangue negro’. As músicas tiveram um processo de amadurecimento, sendo tocadas nos shows da turnê anterior. Por isso, elas chegam ao disco com vivência, corpo e consistência”, conta o pianista. A apresentação no Recife ainda conta com participação de Henrique Albino (sax e flauta).

Em “Rasif”, Amaro repete e aprimora características que o fizeram despontar entre os músicos de sua geração. Ao traçar novos caminhos em seu piano, o artista promove um casamento entre a cultura popular afro-brasileira e o jazz. Fugindo da hegemonia do samba jazz e da bossa nova, já amplamente difundidos internacionalmente, ele insere nessa mistura ritmos como frevo, baião, ciranda e maracatu.

“Temos uma música chamada ‘Trupé’, que é inspirada no Coco Trupé de Arcoverde. Observei o som da sandália de madeira em cima do tablado e trouxe aquela célula rítmica, que é diferente do coco tradicional, para o piano. Isso está totalmente ligado a um movimento mundial de pensar esse instrumento a partir de outras perspectivas. O piano ficou muito caracterizado por sua melodia, lirismo e harmonia e acabou perdendo possibilidade rítmica que ele também tem”, explica o músico.

 

“Eu penso que, para que a música se conecte com as pessoas e seja verdadeira, a gente precisa tocar a nossa realidade, juntando isso com a nossa dedicação e as nossas referências. Eu não me sinto na função de alguém que está revelando algo novo, mas de quem conseguiu entender o seu tempo. O que eu trago no meu trabalho é a minha verdade”, complementa o músico. Em junho, ele estará entre as atrações da primeira edição do Rio Montreux Jazz Festival, braço brasileiro de um dos maiores festivais de música, que ocorre na Suíça desde 1967.

Serviço:

Amaro Freitas em “Rasif”
Nesta sexta-feira (26), às 20h30
No Teatro de Santa Isabel (praça da República, s/n, Santo Antônio)
R$ 60 e R$ 30 (meia-entrada)
Informações: (81) 3355-3323

+ sobre o tema

‘Há relação entre negros e pobreza’, diz Nkosinati Biko sobre a desigualdade racial

Apesar do apartheid ter acabado, a desigualdade racial ainda...

Heróis negros, Carolina de Jesus e João Cândido vão ganhar homenagem de escola de samba carioca

Renascer de Jacarepaguá levará trajetória de escritora e marinheiro...

Heróis da Resistência

Dirigida por João das Neves, Trilogia Afrobrasileira estreia no...

O retrato de Lima na capa: entre o silêncio e o ruído

Lima Barreto é um escritor de poucas imagens. São...

para lembrar

6 músicas inéditas de Tupac surgem na internet, escute!

Acabamos de ser abençoados com novas musicas de Tupac...

Campeã Mundial em 94, Janeth vai integrar Hall da Fama do basquete

Um dos grandes nomes do basquete brasileiro será eternizado...

‘É a planta mais benéfica da Terra’, diz Ziggy Marley sobre maconha

Prestes a desembarcar no Brasil como uma das atrações...
spot_imgspot_img

14 de maio e a Revolta dos Malês

Quem passa pelo Campo da Pólvora, em Salvador, nem imagina que aquela praça, onde ironicamente hoje se encontra o Fórum Ruy Barbosa, foi palco...

Mães e Pais de Santo criam rede de solidariedade para apoiar comunidades de matriz africana afetadas no Sul

Quando a situação das enchentes se agravou no Rio Grande do Sul, Ialorixás e Babalorixás da cidade de Alvorada, região metropolitana de Porto Alegre,...

Mostra Competitiva Adélia Sampaio recebe inscrições de filmes de mulheres negras até 16 de junho

A 6ª edição da Mostra Competitiva de Cinema Negro Adélia Sampaio está com inscrições abertas para filmes dirigidos por mulheres negras de todo o...
-+=