Ameaças da PM à professor geram mobilizações em Sorocaba e nas redes

A grave tentativa de censura imposta pela PM a um professor estadual e alunos da rede em Sorocaba repercutiu por todo o Brasil. Alunos, cartunistas, ativistas e entidades de defesa aos direitos humanos se manifestaram contra a atitude nefasta da PM Paulista.

Do Sorocaba de Verdade

O texto do cartunista Carlos Latuff, autor da charge do cartaz, em que um policial militar é representado por uma caveira em alusão ao recorde batido pela PM Paulista em número de assassinatos em 2015 foi um dos mais compartilhados:

Em Sorocaba a Comissão de Direitos Humanos da OAB juntamente com outras entidades está enfrentando uma situação típica de um regime ditatorial.

Na Escola Estadual Aggeo a PM está intimidando a comunidade escolar numa tentativa de censurar os trabalhos escolares baseados na obra “Vigiar e Punir” de Michael Foucault, material que integra o currículo escolar do ensino médio e constitui leitura obrigatória para estudo da filosofia.

Ao tomar conhecimento dos trabalhos uma tenente e dois cabos foram até a escola para intimidar o corpo docente, entretanto, diante da firmeza da direção e dos professores várias viaturas da ROTA passaram a rondar a escola com objetivo de amedrontar e ameaçar a comunidade escolar, sim a ROTA que é considerada na corporação o grupo de elite, passou a fazer patrulha escolar.

Não satisfeita a PM divulgou uma nota oficial em sua página expondo o nome do professor dos estudantes, da escola, da direção e exigiu que a Diretoria de Ensino tome providências para censurar e repreender o professor e os alunos. Isso mesmo a PM está tentando interferir no conteúdo do currículo escolar.

Tudo por conta de um trabalho sobre obra “Vigiar e punir” de Michael Foucault.
No trabalho foi usada uma charge do Latuff que retrata a face da polícia militar (Rota) com o rosto de uma caveira, a mesma caveira que a própria polícia adota como símbolo e se orgulha de reafirmar sempre.

Leia Também

Professor estadual que debateu violência policial com alunos sofre represália e ameaças de policiais

Toda a comunidade escolar está sendo duramente atacada, a nota da PM provocou uma reação descontrolada, professores, direção e alunos estão sendo alvo de ataques, ameaças e ofensas.

A Comissão de Direitos da OAB Sorocaba está articulando uma rede de apoio para defender a liberdade dos estudantes, a liberdade de cátedra, a integridade da cmunudade escolar e repudiar a ação ilegal da PM que ultrapassa em muito a esfera de suas atribuições e constitui crime de abuso de autoridade, constrangimento ilegal e censura, que é inadmissível num estado democrático de direito.

Polícia ou qualquer outra instituição não pode interferir no currículo e no conteúdo pedagógico de uma escola, essa discussão cabe exclusivamente aos órgãos de educação. Não é atribuição da polícia realizar monitoramento e patrulhamento de conteúdo acadêmico!

Essa situação é a prova mais concreta de que a PM precisa se adequar ao modelo constitucional inaugurado em 1988.

A estrutura a polícia militar, que oprime o próprio policial que é destituído de todos seus direitos, aprofunda um processo de criminalização secundária e seletividade penal orientada por critérios de vulnerabilidade social e econômica.

A ousadia da PM de acreditar que tem legitimidade para censurar um professor e seus alunos remonta os tempos do regime militar!

Pedimos o apoio de organizações sociais com notas públicas repudiando a ação da PM e defendendo a liberdade da comunidade escolar. Lançamos também a campanha ‪#‎somostodosaggeo.

Após a viralização do texto, outras charges e mensagens de apoio foram divulgadas nas redes sociais:

img_3791O cartunista Carlos Latuff voltou a se posicionar e a apoiar o professor e os alunos da escola Aggêo em Sorocaba.

img_3792Cartunista Carlos Latuff demonstrou seu apoio pelas redes sociais.

img_3793Os alunos da escola Aggêo se manifestaram exigindo liberdade de expressão e contra o ódio.

img_3795APEOESP, APROFESP Sorocaba e OAB Sorocaba também se manifestaram a favor de professores e alunos da escola Aggêo

“Ofensiva não é a minha charge e nem o trabalho escolar que a utilizou e sim a longa tradição de execuções sumárias da PM Paulista”

latuff-tweets-e1442839205612Carlos Latuff, autor da charge da PM com uma caveira, se posicionou também no Twitter.

nota-repudio-jptA JPT também divulgou uma nota de repúdio nas redes sociais.

+ sobre o tema

‘É uma guerra santa desnecessária’, diz ialorixá do Rio sobre ataques

Vivian teve terreiro destruído na Baixada Fluminense; crimes são...

O Racismo Lingüistico do Brasil

Que o Brasil é um país entranhadamente racista é...

Preconceito: Mito da democracia racial só fez mal ao negro no Brasil

O Brasil é um país racista. Casos como os...

para lembrar

Empresa é condenada por prática racista que perdurou por oito anos

Fonte: TST - Tribunal Superior do Trabalho Um empregado...

Fugitivo nazista, Paul Schaefer, construiu paraíso para pedófilos no Chile

Paul Schaefer - fugitivo nazista, que morreu em 2010,...

Jovens contam como suas vidas no Rio mudaram com o passinho

  O passinho, um tipo de dança que que se...

Veja o vídeo da Campanha Jovem Negro Vivo – Anistia Internacional Brasil

Campanha Jovem Negro Vivo Em 2012, 56.000 pessoas foram assassinadas...
spot_imgspot_img

Caça aos livros

Está aberta a temporada de caça aos livros no Brasil! Mas atenção. A perseguição restringe-se à indicação pedagógica de certas obras capazes de promover o debate e a...

Debate racial ficou sensível, mas menos sofisticado, diz autor de ‘Ficção Americana’

De repente, pessoas brancas começam a ser degoladas brutalmente com arame farpado. O principal suspeito é um homem negro que sempre está na cena...

Universidade, excelência e compromisso social

Em artigo publicado pelo jornal O Estado de S. Paulo, no dia 15 de junho, o professor de literatura geral e comparada da Unicamp, Marcos...
-+=