Após 1 ano, mortes na Providência não tiveram indenização

Fonte: Folha de São Paulo –

 

Justiça determinou pensão a famílias de jovens mortos após serem entregues por militares a traficantes, em junho de 2008

Advocacia Geral da União solicitou que os pedidos de parentes fossem julgados improcedentes; famílias se dizem em dificuldades

 

Foto: Getty Images

 

Um ano após o assassinato de três jovens que haviam sido entregues por 11 militares a um grupo de traficantes, os parentes das vítimas do caso do morro da Providência, no Rio, ainda não receberam ajuda federal.

A Justiça determinou há 11 meses o pagamento de pensão mensal de um salário mínimo para duas das três famílias das vítimas, mas a União ainda não cumpriu a decisão.

No dia 14 de junho de 2008, militares que faziam a segurança em uma obra na favela entregaram três rapazes a traficantes do morro da Mineira (centro do Rio). A Mineira e a Providência têm pontos de venda de drogas comandadas por facções rivais. Os corpos dos jovens foram localizados um dia depois, num aterro sanitário.

O governo pretendia à época editar medida provisória ou propor projeto de lei para estipular indenizações às famílias. Segundo o ministro Nelson Jobim (Justiça), a ideia foi abandonada porque os parentes decidiram processar a União.

Seis dias após Jobim declarar o recuo, a Justiça Federal do Rio decidiu, em liminar, que a União deveria pagar um salário mínimo às famílias de duas das três vítimas e que os parentes recebessem atendimento médico-psicológico. Quase 11 meses depois, nenhuma das determinações foi cumprida.

Apesar de Jobim ter afirmado à época que o governo tentaria um acordo na Justiça para definir a indenização, a Advocacia Geral da União solicitou que os pedidos das famílias fossem julgados improcedentes.

As famílias relatam dificuldades enquanto não recebem a pensão. Lilian Gonzaga da Costa, 43, mãe de Wellington Gonzaga da Costa, 19, uma das vítimas, disse que largou o trabalho para cuidar do filho mais novo, de 15 anos, após o episódio. Ela diz que o jovem cogitou entrar no tráfico para “fazer justiça com as próprias mãos”.

A Justiça ordenou também o pagamento de um salário mínimo à filha de David Wilson Florenço da Silva, 24, um dos mortos. A juíza negou em liminar apenas o pedido de Maria de Fátima Barbosa, mãe de criação de Marcos Paulo Rodrigues Campos, 17. A Justiça ainda não decidiu o caso.

Dos 11 militares envolvidos no caso, só 3 estão presos.

Matéria original: Após 1 ano, mortes na Providência não tiveram indenização

+ sobre o tema

No Recife, Marina Silva sai em defesa de Marco Feliciano

“Feliciano está sendo mais hostilizado por ser evangélico que...

Condenado por atear fogo em índio Galdino passa em concurso e vira servidor

Depois de quitar dívida com a Justiça, um dos...

Maceió: Movimento negro denuncia ação de policiais à Promotoria de Justiça de Direitos Humanos

Representantes do movimento negro, a professora universitária Franqueline...

I Fórum Direitos Humanos, Diversidade e Preconceito acontece nesta quarta-feira (16), na URCA

Começa nesta quarta-feira, na Universidade Regional do Cariri...

para lembrar

Classe média antipetista irá pagar em breve o preço de apoiar Temer

O colunista Jânio de Freitas, em artigo publicado na...

Campanha #MaisQueImigrante visa desconstruir xenofobia dos brasileiros

Até o fim do mês, projeto reunirá relatos, fotos...

Anistia Internacional e juízes criticam Estado brasileiro por mortes em Manaus

A Associação Juízes para a Democracia (AJD), criticou o...

Nova Política de Drogas com Nathália Oliveira

“Justificando Entrevista” começa neste 2017 com o debate mais...
spot_imgspot_img

Conselho de direitos humanos aciona ONU por aumento de movimentos neonazistas no Brasil

O Conselho Nacional de Direitos Humanos (CNDH), órgão vinculado ao Ministério dos Direitos Humanos e da Cidadania, acionou a ONU (Organização das Nações Unidas) para fazer um alerta...

Ministério lança edital para fortalecer casas de acolhimento LGBTQIA+

Edital lançado dia 18 de março pretende fortalecer as casas de acolhimento para pessoas LGBTQIA+ da sociedade civil. O processo seletivo, que segue até...

PM matou 94% a mais na Baixada Santista; ‘Tô nem aí’, diz Tarcísio

"Sinceramente, nós temos muita tranquilidade com o que está sendo feito. E aí o pessoal pode ir na ONU, pode ir na Liga da...
-+=