Após morte de diarista no RJ, manifesto pede quarentena remunerada: ‘Cuide de quem cuida de você’

Universitário, que é filho de empregada doméstica e se sensibilizou ao ver a morte da colega de profissão da mãe, já recebeu mais de uma centena de mensagens de outros filhos preocupados. ‘Liberá-los, neste momento, é um gesto de humanidade’.

Por Gabriel Barreira, G1

Filho de uma empregada doméstica fez manifesto por quarentena remunerada após morte de uma diarista por coronavírus (Foto: Arquivo pessoal)

Marcelo Rocha estava no Rio a trabalho quando soube do primeiro caso de morte com sintomas de coronavírus no estado: uma diarista, de 63 anos. Ligou para a mãe, empregada doméstica, e ouviu que ela continuaria trabalhando. “Preciso fazer alguma coisa”, concluiu.

O universitário e arte-educador de 22 anos escreveu nas redes sociais um manifesto pelo o que chamou de “quarentena remunerada” a empregados e empregadas domésticas. Ou seja, o direito de continuar recebendo, mesmo sem trabalhar.

Centenas de mensagens aflitas de outros filhos de empregadas foram enviadas nas redes sociais. Todos preocupados com a chance de contaminação em meio à pandemia.

“A quarentena remunerada não está prevista em lei, mas é um gesto solidário. Porque a maioria dos chefes conseguem fazer um home office. Essas mulheres não conseguem, até porque trabalham no lar de outros. Liberá-los, neste momento, é um gesto de humanidade”.

No caso da diarista morta no Rio, a doença foi contraída da patroa que acabara de voltar da Itália – um dos dois países mais afetados pela crise sanitária, ao lado da China.

No Brasil, são 6,3 milhões de domésticas, segundo dados de janeiro do IBGE.

Marcelo conta que sua mãe, Maria Soledade, trabalha desde os 6 anos de idade. E lembra que, durante esse tempo, os domésticos costumam passar semanas em casas que não as suas.

“São essas mulheres que cuidaram das pessoas como filhos. No meio de uma pandemia mundial, elas não podem sequer ter direito a um benefício para que elas possam ser cuidadas? Então, cuide de quem cuida de você.”

Estudante de Ciências Sociais na FMU, em São Paulo, Marcelo garante que a profissão da mãe foi o que lhe proporcionou o estudo e uma visão crítica do mercado de trabalho.

O cientista social considera que o Brasil mantém uma cultura escravocrata e que, durante a crise do coronavírus, põe ainda mais em risco os pobres – amontoados em favelas.

“É um processo colonial que ainda hoje vai trazer muitos riscos às pessoas de comunidade e de baixa renda. A maioria mora nas comunidades e os riscos são muito altos porque há maior contato com as pessoas. A maioria não mora em grandes casas e eles podem contaminar seus filhos”.

Ao menos, Marcelo pode considerar que o seu manifesto começa a render frutos. Além de filhos de domésticas que assinaram embaixo, alguns empregadores também já entraram em contato se dizendo tocados e aderindo ao movimento.

Em Mauá, onde moram no interior de São Paulo, só há um registro da doença. Na próxima quinta-feira os ônibus vão parar de circular. E Maria Soledade vai ficar menos exposta às aglomerações.

“A partir do dia 26, a patroa da minha mãe vai pagar um Uber pra ela ir e voltar.”

+ sobre o tema

O golpe de 2016 e seu estudo nas universidades

Se várias universidades resolveram colocar o tema “O golpe...

Marina diz em NY que não mudará a economia

Por: CRISTINA FIBE Candidata do PV pede fim de...

Às agressões humanas, a Terra responde com flores

Mais que no âmago de uma crise de proporções...

para lembrar

A Minha Empregada é herança do escravismo

Conta no twitter denuncia o racismo, a xenofobia e...

A babá

A polarização não hesitou em fazer de uma doméstica...

PEC das Domésticas é promulgada

Brasília - O presidente do Congresso Nacional, senador Renan...

PEC das Domésticas ainda aguarda regulamentação

Proposta de Emenda à Constituição que ampliou os direitos...

População de rua no Brasil cresceu quase 10 vezes na última década, aponta Ipea

A população em situação de rua no Brasil aumentou 935,31% nos últimos dez anos, segundo levantamento do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) com base em...

Saúde mental dos idosos ainda sofre os impactos da pandemia

Após anos de enfrentamento da pandemia da Covid-19, torna-se evidente que os idosos estão entre os grupos mais afetados em termos de saúde mental. A melhoria das...

Nova ferramenta fortalece a valorização das ONGs no Brasil

Já faz muito tempo que as entidades sem fins lucrativos vêm ganhando relevância entre os protagonistas que conduzem o destino do nosso país. Entretanto, foi a...
-+=