Aposentada é condenada a quatro anos de prisão por racismo

MARIO CESAR CARVALHO,

“Macaca, eu não gosto de negro; negro é imundo; a entrada de negros no shopping deveria ser proibida; odeio negros, negros são favelados.”

A aposentada Davina Castelli, 72, foi condenada na quarta-feira a quatro anos de prisão em regime semiaberto por despejar essa série de injúrias raciais sobre três negros que estavam no Top Center, um shopping da av. Paulista, em novembro de 2012.

Cada um dos três vai receber R$ 28.960 por danos morais. Os injuriados foram a corretora Karina Chiaretti, 36, a vendedora Suelen Meirelles e o supervisor predial Alex Marques da Silva, 23.

A juíza Giovana de Oliveira determinou que ela seja presa imediatamente, o que não é comum, por “descaso e desrespeito à Justiça”. Ela não foi presa ainda. A Folha não conseguiu localizá-la.

A aposentada não recebeu o oficial que foi intimá-la nem contratou advogado de defesa, apesar de ser de classe média -trabalhou na área jurídica da Aeronáutica.

Ao oficial, disse que não ia responder processo algum nem falar com juiz. Ela só depôs na delegacia, onde negou ter ofendido os negros.

A Defensoria Pública, que a defendeu, entrou anteontem com habeas corpus para suspender a prisão imediata.

Castelli é conhecida na avenida Paulista. Caminha com um andador e, segundo frequentadores, são comuns os xingamentos dela contra negros e nordestinos.

Na farmácia onde ocorreu o crime no shopping, ela pediu para “ser atendida por alguém da minha cor”. Na portaria do seu prédio, colado ao cine Gazeta, um porteiro negro diz ter ouvido dela : “Macaco! Volta para a selva?”.

Há até mesmo um vídeo no YouTube com o título “Racista da Paulista”, no qual ela ofende um policial.

Um dos porteiros do seu prédio diz que ela é lúcida. É a mesma impressão da advogada Carmen Ferreira, presidente da Comissão de Igualdade Racial da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil).

“Ela deveria ter sido levada para a delegacia por um PM, mas disse que precisava tomar um remédio e se trancou no apartamento. Isso não é comportamento de louca”, diz a representante da OAB.

POLÍCIA Ela disse: ‘Vai embora que isso não vai dar em nada. Já tem seis BOs [boletins de ocorrência] por racismo contra essa mulher'”, diz.

Chiaretti conta que a polícia só passou a tratá-la melhor, quando voltou à delegacia três dias depois, porque seu tio, o militante negro Hélio Santos, ligou para o governador Geraldo Alckmin (PSDB) e reclamou.

“Sem ‘carteirada’, esse caso não teria andado”, afirma.

Marques da Silva, outro ofendido, afirma que os policiais diziam: “‘Por que vocês não deixam isso pra lá?’ Eu precisava voltar para o meu trabalho, mas pensei melhor: não vou aceitar esse tipo de humilhação. É demais”.

Chiaretti e Marques da Silva criticam o comportamento do shopping, que, para eles, foi omisso. “Essa mulher xingou todo mundo no shopping por mais de cinco anos e ninguém fez nada”, diz Marques da Silva. O shopping não quis se pronunciar

Fonte: Folha de São Paulo

+ sobre o tema

O professor americano que diz que só brancos podem ser racistas – e dá aulas sob escolta policial

Ted Thornhill não é um professor universitário qualquer. Ele...

Mulher elogia Hitler “por matar pretos” e é demitida

Uma operadora de caixa de 20 anos foi demitida...

Pesquisa expõe o racismo estrutural nas instituições de saúde

O racismo está bastante enraizado na cultura brasileira, tanto...

Hoje na história, 21 de janeiro: um dia contra o racismo

Na passagem do Dia Nacional Contra a Intolerância Religiosa,...

para lembrar

Juventude Viva: pelo direito à vida dos jovens negros

por Severine Macedo* No último dia 20 de novembro,...

Arte para não morrer sem sonhos

A propósito dos 70 anos de Itamar Assumpção  Por  Maria...

Deportação forçada de ‘Medida Provisória’ não tem nada de ficção no Brasil

É seguro dizer que "Medida Provisória", primeiro longa-metragem dirigido...

Prefeito pede calma após morte de adolescente negro pela polícia nos EUA

or Robert Macpherson O prefeito de uma cidade do sul...
spot_imgspot_img

Como o diabo gosta

Um retrocesso civilizatório, uma violência contra as mulheres e uma demonstração explícita do perigo que é misturar política com fundamentalismo religioso. O projeto de lei...

Homens, o tema do aborto também é nossa responsabilidade: precisamos agir

Nesta semana, a escritora Juliana Monteiro postou em suas redes sociais um trecho de uma conversa com um homem sobre o aborto. Reproduzo aqui: - Se liberar o...

A falácia da proteção à vida

A existência de uma lei não é condição suficiente para garantir um direito à população. O respaldo legal é, muitas vezes, o primeiro passo...
-+=