Até quando vamos contar corpos à espera de adaptação climática nas cidades?

Feliz 2024 para quem? Minha primeira coluna do ano poderia tranquilamente ser uma cópia de vários textos meus e de companheiros pesquisadores e jornalistas, que sempre relatam o descaso e o abandono das cidades em períodos, cada vez mais constantes, de chuvas.

Por quantos anos mais vamos pedir que os gestores comecem a priorizar a adaptação climática? Quantas pessoas vamos suportar perder? Quanto sofrimento deixaremos que a população sinta? E a dignidade? Tenho uma série de perguntas e acho que a população que todos os anos perde absolutamente tudo também tem.

Nos últimos dias, a Ministra da Igualdade Racial, Anielle Franco, foi atacada por expor o racismo ambiental nos desastres que estão ocorrendo no Rio de Janeiro. O movimento negro brasileiro denuncia o racismo ambiental há décadas, desde a Eco92.

racismo ambiental é um fenômeno em que comunidades de minorias étnicas e raciais são desproporcionalmente expostas a riscos ambientais, incluindo poluição do ar e da água, falta de acesso a recursos naturais e ambientes insalubres. Qual é a cor da maioria das pessoas que estão sofrendo e morrendo com os eventos climáticos no Rio de Janeiro e em outras cidades, em comunidades quilombolas e terras indígenas, com a constante violação de direitos?

Eu estudo isso há mais de 15 anos, sigo aprendendo e acompanhando o que tem acontecido e o descaso, mas o conceito é antigo, afinal, o racismo existe e chegou com as caravelas. Invalidar qualquer formulação do movimento negro no Brasil é um clássico, de racistas que, no fundo, apoiam as políticas de deixar morrer.

Se os pesquisadores do clima alertam que as tempestades de verão já são esperadas, por que enchentes, deslizamentos de terra e transbordamentos de rios ocorrem com maior frequência em áreas mais pobres do que nas mais ricas? Se alertam que é perigoso construir mansões em topos de morros ou na beira do mar, por que o poder público segue disponibilizando licenças que violam o bom senso e a lógica, diante do que está acontecendo no planeta?

Todo janeiro e fevereiro, todo ano, em qualquer governo, pessoas perdem tudo, perdem a vida que lutam diariamente para cuidar. Não é culpa da chuva, a culpa é dos prefeitos, vereadores, governadores e do governo federal, que deixam morrer sem adaptação climática.

A defesa do meio ambiente esquece das cidades, esquece que natureza também é proteger as pessoas e a biodiversidade nas cidades. A política nacional de proteção ambiental não se trata só do combate ao desmatamento, é urgente olhar para os direitos humanos nas cidades.

Eu devo ter repetido perguntas que já fiz em outros textos nos últimos anos, trabalhando e escrevendo sobre esse tema. Todo ano é a mesma coisa. Solidariedade não basta para quem perde pessoas, memórias e suas casas, construídas com o suor de muito trabalho. A população espera que o poder público faça algo além da política do deixar morrer.

O Jota Marques, morador do Rio de Janeiro e liderança, reuniu links para doações para as pessoas afetadas pelas chuvas. Se puder, ajude.

+ sobre o tema

Hoje na História: Declaração dos Direitos Humanos faz 70 anos

Confira a íntegra dos 30 artigos da declaração, documento...

Raoni: “Nós estamos com muito medo. Logo, vocês também estarão”

O The Guardian publicou um artigo do cacique Kayapó Raoni...

para lembrar

Azeite de dendê: como produção do óleo está destruindo uma das últimas florestas tropicais da Ásia

Uma gigante sul-coreana produtora de óleo de palma, extraído...

Lula convida Marina Silva para assumir novamente o Ministério do Meio Ambiente

O presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva, vai passar o...

Depois de um carnaval quente, é hora de pensar em adaptação climática

Escrevo esta coluna, atrasada, em uma terça-feira de carnaval. A...
spot_imgspot_img

Desigualdade ambiental em São Paulo: direito ao verde não é para todos

O novo Mapa da Desigualdade de São Paulo faz um levantamento da cobertura vegetal na maior metrópole do Brasil e revela os contrastes entre...

Adaptação às mudanças climáticas para população negra 

A agenda de adaptação às mudanças climáticas ficou em segundo plano nas negociações e agendas nacionais. Mas o ano de 2023 ativou um gatilho...

Mulheres pretas e pardas são as mais afetadas pela dengue no Brasil

Mulheres pretas e pardas são o grupo populacional com maior registro de casos prováveis de dengue em 2024 no Brasil. Os dados são do painel de...
-+=