Black is King, ancestralidade e afro futuro

O rei Leão foi lançado pela primeira vez em 1994 e, à época, pretendia fazer uma releitura do clássico do teatro Hamlet, ambientada nas savanas e representando os personagens da peça como animais do bioma africano.

Na peça original, temáticas como a depressão, o suicídio, incesto e traição são retratados de forma dura porém poética. Como o Rei Leão da Disney é uma obra voltada ao público infantil, a adaptação suprimiu alguns temas sem deixar de suscitar as principais discussões da obra shakespeariana de uma forma mais apropriada para crianças.

Intencionalmente ou não, o filme de 1994 acrescenta elementos à narrativa que se aproximam de uma visão de mundo particular. A ideia de equilíbrio, de respeito à vida, ancestralidade e de identidade foram reforçadas e introduzidas principalmente nos momentos de diálogo entre Simba e seu pai, Mufasa.

Cerca de vinte anos após o lançamento da animação, as ideias e valores presentes no Rei Leão estabeleceram diálogos com o público que talvez ultrapassassem as intenções originais do filme e certamente desempenharam papeis mais profundos na formação das crianças do que qualquer roteirista ou diretor pudesse imaginar. A forma como o longa trata dilemas morais como a culpa, sentimentos doloridos como o luto e a ideia de responsabilidade, foge de dicotomias e moralismos. Essa visão de mundo complexa e ao mesmo tempo apropriada para um público infantojuvenil é um dos aspectos que torna a obra tão impactante.

Mais do que acompanhar uma jornada de remorso do jovem Simba diante das circunstâncias que causam a morte de seu pai, o Rei Leão narra uma caminhada de autodescoberta e identidade. O encontro de si mesmo apesar das duras circunstâncias impostas pela realidade. O ponto de inflexão da história, em que o protagonista reúne forças e recursos para tomar as decisões certas, é o momento em que ele não mais nega sua memória e ancestralidade, mas sim a reconhece e a saúda.

O Filme de Beyoncé, Black is King, aborda a história racializando seus personagens. Essa perspectiva intensifica a importância da identidade e da ancestralidade na narrativa. Assim, a artista usa a recursos visuais impactantes e repletos de significado para a cultura africana e diaspórica.

Em sua obra, Beyoncé dialoga tanto com o negro da diáspora quanto com o negro africano sobre questões ontológicas e epistemológicas, isto é, sobre o ser e sobre o conhecer desses sujeitos africanos.

A noção de que “todo mundo é alguém”, e de que há um caminho para essa autodescoberta, guia toda a narrativa e suas referências imagéticas. A história africana, estrategicamente ocultada e apagada, é resgatada junto à ideia de que o orgulho e a beleza negros nunca foram perdidos, sempre estiveram presentes, mesmo que não os pudéssemos ver. É um diálogo direto com a negritude e considera minimamente a figura do opressor uma vez que não conta uma história de sofrimento, mas sim uma história de potência e possibilidade.

A circularidade presente no filme original do Rei Leão é elevada e colocada não como um percurso em círculos que não avança, mas sim como o retorno de um Simba mais forte e potente ao ponto de partida, reiniciando o famoso ciclo da vida.

O filme é uma celebração do encontro, uma ode ao retorno e uma sinalização às possibilidades de um futuro melhor.

Há um conceito presente nas filosofias africanas que explora a ideia de que os ancestrais, mesmo depois de mortos, vivem através de sua descendência, vivem na memória dos que estão na terra. E essa ideia fica clara em canções como Bigger, Otherside e Spirit nas quais uma voz, que representa os ancestrais, afirma sua presença ao protagonista.

Ao longo da narrativa, Beyoncé não só representa Nala, namorada de Simba, como também a figura matrogestora que é o próprio continente Africano, cheio de fertilidade e amor para com seus filhos.

O que pode ser interpretado como uma visão caricata de África ou mesmo romantizada, na verdade, é uma interpretação positiva da cultura e do povo de um continente tão frequentemente visto sob a luz do sofrimento e da dor. Isso fica evidente nas referências afrofuturistas conscientemente empregadas pela artista em sua obra.

Black is King também é sobre o futuro.

O movimento afrofuturista já é evocado pelos jovens negros há décadas por meio da literatura, da música, do cinema e de eventos culturais como o festival Afropunk.

Beyoncé e seu álbum visual refletem esse movimento.

O álbum é também um manifesto de exaltação da negritude sem precedentes na história da indústria do entretenimento e deixa claro que as potências e as criatividades negras não podem ser contidas por quatro paredes.

Leia também: 

Beyoncé encanta fãs com o tão aguardado álbum visual ‘Black Is King’

Black is King: álbum visual de Beyoncé já é histórico

‘Black is King’ de Beyoncé: imperialismo e representações negras no mainstream audiovisual estadunidense e raça e história como discursos


** ESTE ARTIGO É DE AUTORIA DE COLABORADORES OU ARTICULISTAS DO PORTAL GELEDÉS E NÃO REPRESENTA IDEIAS OU OPINIÕES DO VEÍCULO. PORTAL GELEDÉS OFERECE ESPAÇO PARA VOZES DIVERSAS DA ESFERA PÚBLICA, GARANTINDO ASSIM A PLURALIDADE DO DEBATE NA SOCIEDADE. 

+ sobre o tema

Um professor tocou violão para acalmar crianças que se escondiam de um tiroteio no RJ

Momento registrado durante um tiroteio em Paciência, no Rio,...

Vieira diz que racismo na Itália é inevitável e pede novas medidas

Com passagens por Milan, Juventus e Internazionale no período...

A liberdade que meus filhos negros não terão

O episódio do instrutor de surfe Matheus Ribeiro, acusado de...

para lembrar

MP investiga laudo produzido após denúncia contra policiais por morte no Jacarezinho

O Ministério Público abriu uma investigação por suspeita de...

Vítima de racismo no Real, Rincón diz que deu conselhos a Neymar

Por Wagner Bordin Ex-jogador esteve com o pai do...

Caminhada contra preconceito racial percorre praias do Leme e de Copacabana

"A realização da pré-marcha faz parte da mobilização do...

Skinhead que agrediu negros na zona sul já foi condenado por ataque a gays

Skinhead que foi preso na madrugada deste domingo (3)...
spot_imgspot_img

Futuro da gestão escolar

A educação pública precisa de muitos parceiros para funcionar. É dever do Estado e da família, com colaboração da sociedade, promover a educação de todas as...

Educação para além dos muros da escola

Você pode fornecer escolas de qualidade para os mais pobres e, mesmo assim, talvez não veja a mudança na realidade do país que se...

Criança não é mãe

Não há como escrever isto de forma branda: nesta quarta-feira (12), a Câmara dos Deputados considerou urgente discutir se a lei deve obrigar crianças vítimas de estupro à...
-+=