Bloco quer criminalizar racismo

Reagindo à condenação dos elementos da PSP de Alfragide por racismo e tortura contra jovens da Cova da Moura, José Manuel Pureza frisou que “há uma prática de racismo instalada em Portugal”. Deputado apelou a aprovação da proposta que alarga os casos em que a discriminação racial é criminalizada. Notícia atualizada às 18h58 de 11.06.2017.

Do Esquerda.net

Foto de Paulete Matos.

“Não é aceitável que continuemos a falar de Portugal como um país não racista. Há racismo em Portugal. Há racismo violento no país. Esta notícia mostra exatamente a existência desse fenómeno. E, existindo este fenómeno, temos de ter a coragem e a determinação, também na Assembleia da República, de lhe dar resposta”, destacou José Manuel Pureza em declarações aos jornalistas.

Conforme lembrou o deputado, o Bloco de Esquerda apresentou uma iniciativa legislativa, que está a ser agora a ser discutida em Comissão, que vai no sentido de alargar os casos em que o racismo é criminalizado”, sendo que, “na verdade, a abordagem que tem predominado em Portugal tem sido a de os comportamentos racistas serem considerados como contra ordenações e, portanto, serem sujeitos a multas”.

“Ora, é hoje claro e inequívoco que não é através da aplicação de multas que o combate corajoso e determinado ao racismo se faz, sobretudo quando ele envolve a prática de violência, e, neste caso, de violência policial”, assinalou o dirigente do Bloco.

José Manuel Pureza espera que “este episódio chocante, repugnante”, mereça “a atenção de todos e permita criar um clima para que uma proposta corajosa e determinada de criminalização do racismo tenha vencimento”.

Reforçando que este “não é um caso estritamente isolado”, que “há uma prática de racismo instalada em Portugal” e que “as práticas de violência racista são conhecidas e as práticas de violência policial com carácter racista são também conhecidas”, o deputado fez referência às condenações repetidas por parte de inúmeras organizações, desde a Amnistia Internacional à ONU e a organizações nacionais de defesa dos direitos humanos e de combate ao racismo.

Bloco quer conhecer dados oficiais sobre a violência policial

Num conjunto de questões endereçadas ao Ministério da Administração Interna, a deputada Sandra Cunha sublinha que “o problema da violência policial, isto é, da intervenção manifestamente desproporcional das forças de segurança, não é um problema novo na sociedade portuguesa, muito menos o é em contextos onde as vítimas, muitas vezes negras, além da violência física, são confrontadas igualmente com a chaga do racismo e/ou da xenofobia”.

“Se é certo que a resposta a este tipo de casos não pode ignorar a prevenção, em especial a que tem que ver com ações de formação dirigidas a todos/as os/as agentes das forças de segurança, este tipo de casos não pode deixar de merecer sempre uma intervenção firme das autoridades com responsabilidade para avaliar e sancionar disciplinarmente estes excessos policiais”, defende a dirigente do Bloco.

Para Sandra Cunha, “a violência policial em geral” e o caso em particular dos crimes alegadamente cometidos contra os jovens da Cova da Moura, “pela factualidade concreta em causa, pelas suas motivações e consequências, não podem deixar de suscitar preocupação e alarme social”.

“Cabe às forças de autoridade um papel socialmente relevantíssimo: a garantia da segurança das/os cidadãs/ãos. Esse papel exige muitas vezes uma intervenção firme e de força por parte dos seus agentes e, nessa medida, uma limitação objetiva, ainda que necessária, da esfera de liberdade individual de cada um/a”, refere a deputada, sublinhando, contudo, que “é justamente por ser assim que a intervenção policial, numa sociedade democrática, não pode nunca prescindir dos seus três fundamentos essenciais: a necessidade, a adequação e a proporcionalidade”.

“Quando assim não sucede não é apenas a sociedade e a liberdade das/os suas/seus cidadãs/ãos que sai prejudicada. É também a moral e o prestígio das próprias forças de segurança. A violência policial lesa, pois, o Estado duplamente”, alerta Sandra Cunha, que solicita dados oficiais sobre a violência policial, em particular a que é motivada pelo ódio, o racismo e a xenofobia.

O Bloco pretende saber que medidas e diligências tomará o Governo para evitar que situações como estas voltem a acontecer e de dados oficiais dispõe o executivo sobre o número de procedimentos disciplinares abertos e motivados em razão de denúncias de violência e racismo policial nos últimos 10 anos.

Os bloquistas questionam ainda, de entre o universo de procedimentos disciplinares abertos pelos motivos atrás identificados, qual a percentagem de procedimentos arquivados, por um lado, e de procedimentos em que a violência e o racismo policial se acharam provados em sede disciplinar, por outro.

+ sobre o tema

“Dispositivo de Racialidade”: O trabalho imensurável de Sueli Carneiro

Sueli Carneiro é um nome que deveria dispensar apresentações....

Eu era menino quando os da caserna confundiram-me com um comunista

Eu tinha pouco mais de dois anos quando raiou...

UFRJ terá primeira mulher negra como diretora da Faculdade de Educação

Neste ano, a Faculdade de Educação da Universidade Federal do...

Ditadura invadiu terreiros e destruiu peças sagradas do candomblé

Desde criança, a iyalorixá Mãe Meninazinha d’Oxum ouvia a...

para lembrar

Érika Januza revela ter sido rejeitada por família de namorado

Em entrevista, atriz global revelou ter sido rejeitada por...

Padrão de Ladrão ou Assassino

Fonte: Discriminação Racial   No Brasil, sempre se...

Michelle Obama está farta de ser chamada “mulher revoltada de raça negra”

“Uma mulher revoltada de raça negra”. Michelle Obama está...
spot_imgspot_img

Quanto custa a dignidade humana de vítimas em casos de racismo?

Quanto custa a dignidade de uma pessoa? E se essa pessoa for uma mulher jovem? E se for uma mulher idosa com 85 anos...

Unicamp abre grupo de trabalho para criar serviço de acolher e tratar sobre denúncias de racismo

A Unicamp abriu um grupo de trabalho que será responsável por criar um serviço para acolher e fazer tratativas institucionais sobre denúncias de racismo. A equipe...

Peraí, meu rei! Antirracismo também tem limite.

Vídeos de um comediante branco que fortalecem o desvalor humano e o achincalhamento da dignidade de pessoas historicamente discriminadas, violentadas e mortas, foram suspensos...
-+=