Boletim de prestação de contas da Deputada Leci Brandão

Pra mim, diversidade sempre foi uma palavra carregada de muitos significados: criatividade, troca de ideias, inovação, diálogo e, sobretudo, respeito. Considerando o momento difícil pelo qual nosso país está passando, digo que precisamos cada vez mais da diversidade em todas as suas dimensões. Primeiro, em tudo o que ela tem de criativo, pois a criação está não apenas em fazer coisas novas, mas em conseguir fazer o mesmo de diferentes formas. Portanto, precisamos da diversidade para inovar o jeito de debater as ideias. Também temos urgência de diversidade porque precisamos encontrar novos modos de fazer política, de resistir e de lutar pelos nossos direitos. Necessitamos, mais do que nunca, aprender novos modos de criar e de conviver e, para isso, é preciso enxergar e ter a humildade para aprender com quem sempre teve que usar a criatividade para resistir: o povo.

Quando enxergarmos verdadeiramente as quebradas, as favelas, os becos e as vielas das nossas cidades, encontramos pessoas que estão todos os dias criando modos de resistir coletivamente, de levar adiante seus projetos e sonhos e que são a tradução do que é a diversidade, apesar de todas as formas de violência e desrespeito. São pessoas como as que encontramos em Guaianases, como a juventude negra com a qual conversamos em Cotia, como o pessoal com quem trocamos ideias no Cieja de Sapopemba, a moçada do futebol da Vila Real, as mulheres negras que homenageamos com a Medalha Theodosina Ribeiro, e as sindicalistas com quem nos encontramos no Sindicato das Costureiras e dos Condutores que nos inspiram, que nos fazem ver que vale a pena lutar e que devemos continuar nos indignando com as injustiças, com as desigualdades e com as intolerâncias.

Confira o Boletim de Prestação de Contas do mandato da Deputada Leci Brandão

** Este artigo é de autoria de colaboradores ou articulistas do PORTAL GELEDÉS e não representa ideias ou opiniões do veículo. Portal Geledés oferece espaço para vozes diversas da esfera pública, garantindo assim a pluralidade do debate na sociedade.

+ sobre o tema

Casos de estupro preocupam em Cascavel

Casos de estupro preocupam em Cascavel. A violência está...

13 anos da Lei Maria da Penha e um pedido aos homens

Durante muito tempo a violência doméstica no Brasil foi...

Sem reconhecer racismo, Justiça não garante direitos humanos de mulheres negras

O Estado brasileiro não assumiu ter violado o direito...

para lembrar

Mulheres negras do Nordeste se preparam para disputar eleições municipais em 2020

Um equívoco que as mulheres negras querem evitar é...

Mulheres vulneráveis

Enquanto algumas pessoas clamam por penas mais gravosas e...

Quem é Naomi Wadler, que aos 11 anos luta por vítimas ‘que não aparecem no jornal’

Dias antes de viralizar e ficar conhecida no mundo...
spot_imgspot_img

Instituto Mãe Hilda anuncia o lançamento do livro sobre a vida de matriarca do Ilê Aiyê

O livro sobre a vida da Ialorixá Hilda Jitolu, matriarca do primeiro bloco afro do Brasil, o Ilê Aiyê, e fundadora do terreiro Acé...

Centenário de Tia Tita é marcado pela ancestralidade e louvado no quilombo

Tenho certeza que muitos aqui não conhecem dona Maria Gregória Ventura, também conhecida por Tia Tita. Não culpo ninguém por isso. Tia Tita é...

Julho das Pretas: celebração e resistência

As mulheres negras brasileiras têm mais avanços a celebrar ou desafios para travar? 25 de julho é o Dia Internacional da Mulher Negra, Latino-americana e...
-+=