Cadeirante é aprovado em 1º lugar em concurso mas não é chamado

Ele foi à Justiça para conseguir o direito ao cargo de veterinário.
Candidato já tinha desempenhado função semelhante antes.

 

 

Um cadeirante, que passou em primeiro lugar em um concurso público para fiscal do Conselho de Medicina Veterinária, que controla o exercício da profissão, entrou na Justiça para obter o direito à vaga depois que o segundo colocado foi chamado antes dele para o cargo. O caso chamou atenção no interior de São Paulo.

No edital do concurso nada dizia que ele não poderia participar. Ao contrário, até havia vagas reservadas para deficientes. Decidido a superar mais este obstáculo, João Paulo Fernandes Buosi agora busca ajuda da Justiça.

 

O médico veterinário, funcionário da prefeitura de Jales, a 600 quilômetros de São Paulo, que já trabalhou em função semelhante no Paraná, acompanhou passo a passo a publicação dos convocados. Para surpresa do candidato, o segundo colocado foi chamado antes dele. “Tem que falar para outras pessoas que você é capaz. Isso é muito frustrante”, reclama o veterinário.

 

Inconformado com a situação, João Paulo decidiu procurar o Ministério Público Federal e só quando a Procuradoria da República entrou no caso, o Conselho de Medicina Veterinária do estado de São Paulo decidiu chamar o candidato para uma perícia médica que vai dizer se ele pode ou não exercer a atividade.

 

“Na hora de fazer o concurso, a documentação dele mostrou que ele estava apto. O conselho o aceitou e simplesmente depois de aprovado, foi ignorada a ordem de classificação e ele não foi nomeado”, explica o procurador da República Thiago Lacerda Nobre.

 

O representante do Conselho de Medicina Veterinária diz que o candidato não foi chamado porque não se enquadrava nos requisitos para o cargo, mas a posição será revista.

 

“A Procuradoria fez a recomendação e o conselho prontamente entendeu da necessidade de rever os seus atos e assumiu os erros administrativos e está chamando o candidato para rever situação”, diz Fernando Buchala, delegado regional do Conselho de Medicina Veterinária.

 

“É uma pessoa batalhadora que foi atrás dos direitos e hoje eu posso dizer que graças a ele, que procurou o Ministério Público Federal e que permitiu a nossa atuação, ele está reintegrado no concurso e hoje pode continuar no processo seletivo”, diz o procurador Thiago Lacerda Nobre.

 

“É mais a sociedade incapaz de receber o cadeirante, não permitindo a acessibilidade, do que o cadeirante incapaz de se incluir”, fala o veterinário.

 

João Paulo já passou pela perícia médica, mas ainda não recebeu o resultado da avaliação.

 

 

 

Fonte: G1

+ sobre o tema

Mães de motoboys assassinados se encontram em missa em São Paulo

Família de Alexandre dos Santos, morto na semana passada,...

O Ballet e o Racismo

É triste notar que, ainda no século XXI, um...

Homem flagrado chutando mulher em conflito é comandante de UPP no Rio

Imagens foram feitas durante tumulto no Morro da Formiga,...

Professor repreende aluno negro vestido de papai noel

Garoto negro se fantasia de papai noel e professor...

para lembrar

Em Paris, museu reconta a ‘invenção do selvagem’ na Europa

"Freak shows" encerrados na década de 1930, as exposições...

O “Africano” do “Pânico” é um caso de idiotia, má fé ou ambos? Por Cidinha Silva

Menos de 24 horas após exibição de personagem racista,...

Cine debate sobre o filme “Além do Espelho” conta com a presença da diretora Ana Flauzina

Reprodução/ Alma Preta A discussão sobre o filme também terá...
spot_imgspot_img

Como as mexicanas descriminalizaram o aborto

Em junho de 2004, María, uma jovem surda-muda de 19 anos, foi estuprada pelo tio em Oaxaca, no México, e engravidou. Ela decidiu interromper...

Como o diabo gosta

Um retrocesso civilizatório, uma violência contra as mulheres e uma demonstração explícita do perigo que é misturar política com fundamentalismo religioso. O projeto de lei...

Homens, o tema do aborto também é nossa responsabilidade: precisamos agir

Nesta semana, a escritora Juliana Monteiro postou em suas redes sociais um trecho de uma conversa com um homem sobre o aborto. Reproduzo aqui: - Se liberar o...
-+=