CCJ aprova texto de consenso para Estatuto da Igualdade Racial

O Estatuto da Igualdade Racial foi aprovado, nesta quarta-feira (16), pela Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ). Requerimento para votação em regime de urgência foi apresentado pelo senador Paulo Paim (PT-RS), autor da proposta (PLS 213/03), o que deve levá-la ainda hoje para o Plenário do Senado. Se aprovado em Plenário, o texto segue para sanção pelo presidente da República.

Os senadores da Comissão de Justiça se mostraram unidos em torno da aprovação da matéria – que, se não reflete o ideal, pelo menos garantiu o possível de ser negociado entre o Congresso Nacional, o Poder Executivo e o movimento negro. Esse sentimento foi expresso tanto por Paim quanto pelo relator na CCJ do substitutivo da Câmara ao PLS 213/03, senador Demóstenes Torres (DEM-GO).

Como a intenção era não deixar o andamento do Estatuto da Igualdade Racial se estender ainda mais no Congresso – onde já tramita há sete anos -, foram aceitos os cortes da relatoria, por exemplo, nas cotas para negros na educação e no uso do termo “raça” no texto.

– Essas mudanças são relevantes, incorporam a evolução ao longo da tramitação e deixam claro que, apesar da insatisfação de muitos, é preciso enfrentar essa questão étnica, uma vez que raça não existe. Existem ainda muitos brasileiros que merecem acesso à proteção social, em decorrência de sua origem humilde, e isso não é promovido pelo Estado brasileiro – considerou Demóstenes.

A votação do Estatuto da Igualdade Racial na comissão foi acompanhada por Eloi Ferreira, atual ministro da Secretaria de Política de Promoção da Igualdade Racial, e por Edson Santos, que ocupou a pasta até 2008, em reunião que contou ainda com a presença de representantes do movimento negro.

Avanço
Além de defenderem a aprovação do PLS 213/03, os nove senadores que comentaram a proposta elogiaram a atuação de Paim e Demóstenes. O primeiro deles foi o senador Renato Casagrande (PSB-ES), que reconheceu o texto sugerido como um avanço, mas que aposta na continuidade desse debate no Congresso.

O senador César Borges (PR-BA) se disse honrado por ter relatado o projeto na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) em 2004, lembrando ainda da aprovação pelo Senado, em 2005, do substitutivo elaborado pelo então senador Rodolpho Tourinho, que relatou a matéria na CCJ.

Já Antônio Carlos Valadares (PSB-SE) viu esse trabalho como fruto da integração entre Legislativo e Executivo e lamentou o crescimento de 46,3% no número de assassinatos de pretos e pardos entre 1999 e 2005 conforme dados encaminhados pela Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República.

O senador Eduardo Suplicy (PT-SP) observou que sua experiência na prática esportiva – onde uma eventual distinção entre negros e brancos, ricos e pobres, desaparece – lhe rendeu a consciência de que é preciso promover a justiça no país. E afirmou que o Estatuto da Igualdade Racial tem o propósito de corrigir falhas nessa relação acumuladas ao longo da história brasileira.

O resgate de uma dívida histórica do país para com os negros também foi reconhecido pela senadora Serys Slhessarenko (PT-MT). Ela discordou, entretanto, da decisão de Demóstenes de retirar do texto artigo que estabelecia políticas nacionais de saúde específicas para esse segmento da população.

O senador Arthur Virgílio (PSDB-AM) afirmou que as mudanças no Estatuto da Igualdade Racial corrigiram uma injustiça para com a população de mestiços de seu estado, de origem branca e indígena.

 

– O projeto, da forma como estava, obrigava nossos caboclos a se declararem negros, e eles não queriam isso. Vemos Zumbi como herói, mas o nosso Zumbi é o índio Ajuricaba – comentou.

 

Ao final das palavras de Arthur Virgílio, o senador Romeu Tuma (PTB-SP) defendeu a inscrição do nome do índio Ajuricaba no Livro dos Heróis da Pátria. A senadora Lúcia Vânia (PSDB-GO) avaliou ser fundamental combater o preconceito e a discriminação contra a população negra, posicionando-se contrariamente, junto com Serys e Cesar Borges, à retirada das cotas na educação do texto. Os senadores Antonio Carlos Júnior (DEM-BA) e Flexa Ribeiro (PSDB-PA) também reconheceram o esforço do autor e do relator do Estatuto da Igualdade Racial.

 

Simone Franco / Agência Senado
(Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

 

 

 

Fonte: Lista Racial

+ sobre o tema

Piauí – Mulheres, Feminismo Negro e as Violências Contemporâneas

"Construir a cidadania como exercício libertário do agir de...

Miltão do MNU: Um pouco de História não oficial

O TIGRE NÃO PRECISA DIZER QUE É TIGRE, MAS......

para lembrar

Programação: Mês da Consciência Negra 2010

05 de novembroSolenidade de Abertura do Mês da...

Zumbi Vive 2010 continua com apresentações artísticas

Iniciando as comemorações em torno do mês da Consciência...

Éle Semog: Tudo que está solto – Lançamento do livro

Tudo que está solto  Ele Semog 23 novembro 2010...
spot_imgspot_img

João Cândido e o silêncio da escola

João Cândido, o Almirante Negro, é um herói brasileiro. Nasceu no dia 24 de junho de 1880, Encruzilhada do Sul, Rio Grande do Sul....

Levantamento mostra que menos de 10% dos monumentos no Rio retratam pessoas negras

A escravidão foi abolida há 135 anos, mas seus efeitos ainda podem ser notados em um simples passeio pela cidade. Ajudam a explicar, por...

Racismo ainda marca vida de brasileiros

Uma mãe é questionada por uma criança por ser branca e ter um filho negro. Por conta da cor da pele, um homem foi...
-+=