Centro de Estudos Jurídicos

O estudo e a análise da legislação nacional e internacional, no que diz respeito à discriminação racial, surgiu da demanda de criar instrumentos teóricos capazes de sensibilizar a sociedade brasileira sobre as contradições vividas pela população negra.

Dentre os estudos realizados por este módulos destacamos a pesquisa A criminalidade negra no banco dos réus, desenvolvida em parceria com o Núcleo de Estudos da Violência da Universidade de São Paulo. Este estudo procurou demonstrar a existência de tratamento diferenciado a negros e brancos pela Justiça, através da análise de penas atribuídas em processos de crimes semelhantes praticados por ambos.

A conclusão é de que “no cômputo geral, infratores negros são quantitativamente menos punidos do que cidadãos brancos, mas a punição de um réu negro é qualitativamente superior a de um réu branco”.

O Centro de Estudos Jurídicos viabilizou também a publicação do Quadro Comparativo da Legislação Penal sobre Discriminação Racial, de Sexo, Estado Civil e Religião no Brasil para atualizar os agentes sociais sobre a legislação disponível no encaminhamento jurídico de casos de discriminação e preconceito; Há um buraco negro entre a vida e a morte, é uma publicação conjunto de Geledés e Soweto Organização Negra, numa reflexão sobre a questão racial no âmbito da questão ambiental e do desenvolvimento sustentável, que subsidiou nossa participação na ECO’92.

Este Núcleo desenvolve ainda propostas em vários níveis da sociedade brasileira de adoção de ações afirmativas e políticas de cotas para os segmentos discriminados, especialmente para o acesso ao ensino superior e a capacitação e treinamento para o mercado de trabalho.

+ sobre o tema

MAB organiza exposição internacional de arpilleras no Memorial da América Latina

A partir de setembro, o Salão de Atos Tiradentes...

OMS alerta para morte de 303 mil mulheres durante o parto por ano

Organização Mundial da Saúde lançou guia com orientações. OMS também...

“O que a gente precisa é construir pontes para superar a desigualdade”

O diretor executivo da Anistia Internacional Brasil, Atila Roque,...

para lembrar

Saúde mental x democratização do ensino: como a diversidade pode brecar casos de suicídio

A conquista de uma cadeira no ensino superior em...

Caso Amarildo: Direitos Humanos contesta relatório da polícia

O presidente da Comissão de Defesa dos Direitos...

Parto humanizado: o que explica a sede da imprensa por sangue?

O caso da morte da professora de enfermagem defensora...
spot_imgspot_img

Curso introdutório de roteiro para documentário abre inscrição

Geledés Instituto da Mulher Negra está promovendo formações totalmente online para jovens negres em todo o Brasil. Com um total de 6 formações independentes...

Desenrola para MEI e micro e pequenas empresas começa nesta segunda

Os bancos começam a oferecer, a partir desta segunda-feira (13), uma alternativa para renegociação de dívidas bancárias de Microempreendedores Individuais (MEI) e micro e...

“Geledés é uma entidade comprometida com a transformação social”, diz embaixador do Brasil no Quênia

Em parceria com a Embaixada do Brasil no Quênia, Geledés - Instituto da Mulher Negra promoveu nesta sexta-feira 10, o evento “Emancipação Econômica da...
-+=