Cobrança para acompanhar partos no SUS é irregular, diz Procon

Em pelo menos quatro maternidades de Cuiabá a cobrança foi confirmada.
Segundo lei, gestante tem direito a acompanhante sem taxa adicional.

 

A cobrança de taxas extras para que uma pessoa da família ou amiga da gestante possa acompanhar partos realizados no Sistema Único de Saúde (SUS) é ilegal, segundo o Procon. Ter um acompanhante sem nenhum custo adicional é um direto garantido por lei.

Ainda assim, em pelo menos quatro maternidades de Cuiabá a cobrança foi confirmada. Em algumas instituições, o pai pode assistir ao parto sem custo, mas outro membro da família deve pagar uma taxa de R$ 100. E o valor varia de hospital para hospital, geralmente entre R$ 50 e R$ 100.

A lei que garante o acompanhante na hora do parto entrou em vigou em 2005, e diz que, pelo SUS, a gestante tem direito a companhia durante o trabalho de parto, parto e pós-parto, que são as primeiras 24 horas após o nascimento do bebê.

Uma Resolução Normativa da Agência Nacional de Saúde também obriga os planos de saúde a incluírem a cobertura do acompanhante neste período.

“Tanto o Procon quanto a Agência, quando se tratar de planos de saúde, são órgãos administrativos que podem aplicar multas. Multas essas que variam de R$ 300 a R$ 3 milhões. Mas para isso é importante que o consumidor denuncie”, diz Gisela Viana, superintendente do Procon de Mato Grosso.

Melissa Teixeira queria dividir com o marido a chegada do primeiro filho, mas esse desejo teve um custo: uma taxa de R$ 100. “Eu acho um absurdo, porque eu acho que o marido ou a mãe, as pessoas que estão diretamente ligadas, têm o direito de assistir. Você se sente mais segura em saber quem tem alguém acompanhando, registrando. Você fica mais tranquila”, diz.

Fonte: G1

+ sobre o tema

Laura Capriglione: uma jornalista livre, num Brasil em transe

'É incrível que os séculos de existência da imprensa...

Coletivos da área da Saúde se mobilizam contra “projeto higienista” para Cracolândia

Diversas entidades, coletivos e pessoas autônomas aderem a carta...

‘Brasil forjado na ditadura representa Estado de exceção permanente’

Para professores, filósofos e defensores de direitos humanos,...

Nota de pesar – José Gregori

No último domingo, 3 de setembro, o Brasil perdeu...

para lembrar

Diagnóstico precoce é essencial para cura do câncer de mama, diz especialista

O câncer de mama é o tipo mais comum entre as...

‘Índio, não, indígena’: Funai agora é Fundação Nacional dos Povos Indígenas

O projeto de renomeação de leis e instituições são...

A favela precisa ser vista e ouvida

A importância de um veículo da envergadura e da...
spot_imgspot_img

NOTA PÚBLICA | Em repúdio ao PL 1904/24, ao equiparar aborto a homicídio

A Comissão de Defesa dos Direitos Humanos Dom Paulo Evaristo Arns – Comissão Arns vem a público manifestar a sua profunda indignação com a...

Nota pública do CONANDA contrária ao Projeto de Lei 1904/2024

O Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente – CONANDA, instância máxima de formulação, deliberação e controle das polícas públicas para a...

Marcelo Paixão, economista e painelista de Geledés, é entrevistado pelo Valor

Nesta segunda-feira, 10, o jornal Valor Econômico, em seu caderno especial G-20, publicou entrevista com Marcelo Paixão, economista e professor doutor da Universidade do...
-+=