Colega de escola diz que adolescente proferiu xingamentos racistas e avisou que faria ataque

Em uma rede social atribuída ao agressor, publicação anunciou que atentado ocorreria nesta segunda (27)

Um aluno da escola estadual Thomazia Montoro, na Vila Sônia, zona oeste de São Paulo, onde um adolescente de 13 anos matou uma professora a facadas e feriu outras cinco pessoas na manhã desta segunda (27), disse que o agressor se envolveu em uma briga na semana passada, ocasião em que teria proferido xingamentos racistas a outro colega.

Ainda de acordo com esse aluno, o adolescente também avisou que faria o ataque.

Segundo o relato do estudante, a briga de semana passada teria começado depois que o autor dos ataques desta segunda chamou o colega de “macaco” e “ratinho”.

O estudante e a professora Elisabeth Tenreiro, 71, tentaram apartar a briga. No atentado desta segunda, Elisabeth foi a primeira a ser atacada, segundo testemunhas. Ela não resistiu aos ferimentos e morreu.

O jovem contou ainda que, após a briga, o agressor teria dito “vai ter volta”. A amigos disse ainda que planejava um ataque, mas ninguém teria acreditado.

O adolescente, que é aluno do 8º ano do ensino fundamental na escola, foi apreendido.

De acordo com a polícia, o atentado foi anunciado pelo agressor em uma rede social na manhã desta segunda. Em um post, ele escreveu ter aguardado por esse momento a “vida inteira”. Disse, ainda, que esperava matar ao menos uma pessoa.

CÂMERAS REGISTRARAM ATAQUE

O adolescente usava uma máscara de caveira do momento do ataque, conforme mostram imagens do circuito de segurança da escola. O vídeo, ao qual a reportagem teve acesso, mostra que o adolescente entra correndo em uma sala de aula e parte para cima de uma professora, que estava de costas, em pé.

A docente, que não percebe a aproximação do agressor, é atingida violentamente por diversos golpes nas costas e cai no chão.

Alunos entram em desespero e tentam sair da sala. Nesse momento, o agressor passa a tentar golpear os colegas e atinge alguns deles.

Um segundo vídeo mostra o adolescente atingindo outra professora. Ele desfere vários golpes na mulher, que está em pé e tenta se proteger com os braços.

A docente cai no chão, continua recebendo golpes e é arrastada pelo aluno. Duas mulheres entram na sala, e uma delas consegue imobilizar o adolescente, enquanto a outra retira a faca das mãos dele.

+ sobre o tema

Representatividade negra importa

Frederick Douglass, W.E.B Du Bois, Rosa Parks, Toni Morrison, Audre Lorde,...

para lembrar

“Prendam os suspeitos de sempre”

Conrad Zdierak, à esquerda, usava máscara de um afro-americano...

Segunda mãe: “Matando, esculachando, batendo, xingando, forjando”

Por Tatiana Merlino, do Rio de Janeiro, especial para...

Reação contra o genocídio coloca mais de 50 mil nas ruas

Marcha movimentou pelo menos dez estados e teve repercussão...

Pesquisador defende combate ao racismo institucional no sistema policial

Ilustração: Junião/Ponte Jornalismo Racismo institucional no sistema policial As relações raciais...
spot_imgspot_img

Posicionamento: pela divulgação do Relatório de Monitoramento de Violações na Baixada Santista

Geledés -Instituto da Mulher Negra apoia a Comissão Arns e as organizações da sociedade civil no repúdio às execuções sumárias e com exigência de...

Entidades denunciam execuções, invasões ilegais de casas e abusos durante operação da PM na Baixada Santista

Entidades de defesa dos direitos humanos e institutos ligados à segurança pública entregaram na noite desta segunda-feira (26), ao procurador-geral de Justiça, Mario Sarrubbo, um...

Protocolo negro

Quem é negro costuma cumprir um protocolo ao colocar o pé na rua. Inclui jamais sair sem um documento; não ir ao supermercado com...
-+=