Contra retrocesso em leis eleitorais e pelos direitos das mulheres negras

Enviado por / FonteECOA, por Anielle Franco

Na última semana, o Congresso Nacional entrou em recesso em meio a muitas polêmicas e uma enorme incerteza às vésperas do período onde se pode aprovar legislações que passem a valer para as próximas eleições, em 2022. Em poucos dias, nós fomos do absurdo debate a respeito do voto impresso, a aprovação pelo Senado de uma lei de violência política de gênero que apesar de ter sido apresentada como um avanço, excluiu categoricamente mulheres transsexuais e travesti de sua classificação de violência, até a aprovação de um Fundo Partidário de valor bilionário, distritão e muito mais.

Trata-se de uma “reforma” e para começar esse texto quero fazer uma referência à palavra reforma no contexto que a maioria de nós conhecemos. Reforma de casa. Nas últimas semanas me mudei e tive que fazer pequenas reformas na casa que estava deixando. Arrumei uma goteira na pia do banheiro, consertei um problema na porta da sala, arrumei o piso da cozinha… Melhorei a casa. É isso que esperamos de uma reforma, certo? Melhorias. Mas, há algum tempo as reformas que estão sendo apresentadas no Congresso Nacional, que deveriam melhorar o nosso país, na verdade estão o destruindo. E é isso que está acontecendo agora, mais uma vez, com a Reforma Eleitoral proposta.

Hoje, só aumenta minha certeza de que, aqueles que estão hoje no poder vem trabalhado apenas no intuito de conseguirem se manter nesse lugar privilegiado e no próximo ano, nas eleições que prometem ser uma das mais decisivas dos últimos tempos. Estamos falando da possibilidade real de derrota de um governo genocida, sexista e racista pautado em um projeto político que desde 2019 apenas feriu e desrespeitou, e desde 2020 com o início da pandemia de Covid-19 levou à morte milhares de brasileiros e brasileiras. Por outro lado, com o avanço dessa macro reforma eleitoral, o cenário seria de uma não renovação de quadros políticos, da exclusão de grupos minorizados, como pessoas negras, mulheres e LGBTs de espaços de poder e da manutenção desse congresso e câmaras legislativas que é composta majoritariamente por homens, cisgêneros, brancos e de classe média, um perfil muito diferente da maioria do eleitorado brasileiro.

E nesse ponto que quero tocar: O risco de um retrocesso na representatividade de mulheres negras e de uma perda de conquistas que tivemos até aqui. No ano passado nós do Instituto Marielle Franco junto à parceiras atuamos em uma grande incidência no Supremo Tribunal Federal pela aprovação da proporcionalidade de distribuição dos recursos do Fundo Fundo Especial de Financiamento de Campanha (FEFC) e o tempo de propaganda eleitoral gratuita no rádio e na televisão, entre candidatos negros e brancos.

Em setembro, o STF entendeu que essa distribuição deveria ser feita pelos partidos. Ainda assim, nas eleições de 2020 tivemos uma série de notícias de fraudes e concentração de recursos em candidaturas de pessoas brancas. Mas o fato hoje é que, ao invés da Reforma Eleitoral que está sendo votada tentar aumentar a representatividade de mulheres e pessoas negras e fazer valer decisões como a do STF, eles sequer citam essa decisão ou mesmo levam em consideração as especificidades de grupos historicamente sub-representados.

Diante desse cenário tão preocupante, movimentos de mulheres e a sociedade civil organizada que atua na luta por uma maior representatividade na política estão atuando incansavelmente para tentar barrar essa reforma. E aqui chamo atenção para o que pode ser a maior e mais radical mudança a ser aprovada nas próximas semanas, o distritão.

O modelo distritão favorece quem já está no poder, quem tem mais dinheiro ou visibilidade, por exemplo, pessoas famosas e youtubers que tem poucas propostas políticas de fato e afasta ainda mais grupos minorizados em nossa sociedade. Para a FADPM, o modelo favorece a competição individual, reforça uma lógica de candidaturas personalistas com acesso privilegiado a recursos financeiros e a uma forte exposição midiática, enfraquece a pauta programática dos partidos políticos e esvazia a ideia de projetos de governo construídos coletivamente, fortalecendo a concepção do “cada um por si” no exercício da política.

Para cientistas políticos em nosso país, o risco cresce se considerarmos que a maioria esmagadora das cadeiras legislativas é, em todos os níveis, ocupada por homens (cerca de 85%). Para exemplificar, se o distritão tivesse vigorado nas últimas eleições de 2018, o número de mulheres eleitas na Câmara Federal teria caído de 77 para 73, as pessoas negras eleitas passariam de 125 para 117 e a primeira e única mulher indígena a chegar ao parlamento nacional em toda nossa história teria sido deixada de fora.

Sei que, entender a política e as regras do jogo eleitoral é muito difícil e por isso mesmo, nos últimos anos venho trabalhando de forma a fazer a política não parecer um bicho de sete cabeças, ou mesmo algo distante da população, pelo contrário. O que acontece no Congresso e nas leis do nosso país, muitas vezes é decidido sem a discussão necessária e tem impacto direto na vida de milhares de brasileiros e brasileiras, e o pior é que nem sabemos disso. Por isso mesmo, é muito importante que estejamos atentos e atentas às mudanças que estão tramitando no congresso e consigamos nos unir no sentido de barrar tudo que está acontecendo e que pode representar um retrocesso.

Para isso, hoje deixo para meus leitores algumas recomendações de páginas, sites e perfis de organizações e pessoas que estarão nas próximas semanas debatendo a Reforma que tramita no Congresso. São eles: o Instituto Marielle Franco, a Frente Pelo Avanço dos Direitos Políticos das Mulheres, o Freio Na Reforma e a Coalizão Negra por Direitos.

+ sobre o tema

Racismo científico, definindo humanidade de negras e negros

Esse artigo foi pensado para iniciar um diálogo sobre...

“Pérola Negra: Ruth de Souza” traça panorama da carreira da atriz

Mostra que entra em cartaz no CCBB traz 25...

Mylene Pereira Ramos: a juíza que defende maior diversidade na magistratura

“Em nossa sociedade, fatores como raça e condição social,...

para lembrar

A presença ostensiva do patriarcado nas eleições presidenciais

As discussões sobre as eleições presidenciais 2014 contam com...

Pré-candidato a deputado, Romário “aprende” a votar no Congresso

Pré-candidato a deputado federal pelo PSB, o...

TSE: 30% de mulheres é lei

Partidos terão de cumprir à risca a determinação do...
spot_imgspot_img

Ministério da Igualdade Racial lidera ações do governo brasileiro no Fórum Permanente de Afrodescendentes da ONU

Ministra da Igualdade Racial, Anielle Franco, está na 3a sessão do Fórum Permanente de Afrodescendentes da ONU em Genebra, na Suíça, com três principais missões: avançar nos debates...

Projeto Kiriku busca apoio do Ministério da Igualdade Racial para construção de novas afrotecas

A convite do Ministério da Igualdade Racial (MIR), o coordenador do projeto Kiriku e do Grupo de Pesquisa em Literatura, História e Cultura Africana,...

Plano Juventude Negra Viva será lançado em Ceilândia (DF) nesta quinta-feira (21)

O Plano Juventude Negra Viva (PJNV) será lançado pelo Ministério da Igualdade Racial nesta quinta-feira (21) em Ceilândia, região administrativa do Distrito Federal. O...
-+=