Crianças pretas são sujeitos, sempre, suspeitos. Suspeitos superlativos.

por Arisia Barros

O vigia olhava o grupo. O olho do vigia não traduzia interesse pelo bem estar das crianças. O olho do vigia vigiava os passos das meninas e meninos emparedados em um espaço mínimo nos passeios de um Shopping , em Brasília.

Era um sábado, 23, e as crianças cerceadas do direito de ir e vir, vestidas com roupas rotas não despertavam a solidariedade de outros clientes. Eram pobres e pretas.

O vigia vigiava as três crianças invisíveis, para que elas não circulassem no espaço hermeticamente limpo do Shopping.

As crianças em uma posição incomoda e com gestos esvaziados esperavam silenciosas e constrangidas. Elas riam um sorriso para dentro.

Uma das principais conquistas legais, como bem assevera, a Constituição Federal de 1988,a Carta Magna é o direito à liberdade de toda pessoa, o direito de ir e vir sem ser molestada. Isso, realmente, existe?

Enquanto o vigia vigiava o grupo, uma outra senhora paramentada também de vigia trazia mais uma criança para juntar-se a prole dos meninos e meninas pretas.

Parei para olhar a movimentação e a mulher-vigia me interpela- usando a voz maquiada da repressão-: A senhora precisa de alguma informação? Respondi que não, fiz que ia embora e parei mais adiante, no observar a cena.

Depois de juntar todo grupo de crianças- que resolveu invadir o Shopping- o vigia repetindo uma história secular como arquivos caprichosos, feito de impressões, cenas e referências da exclusão, escoltou o grupo e mostrou-lhe a porta de saída.

Em um sábado, 23 de março quatro crianças mal vestidas foram expulsas de um Shopping, em Brasília.

Crianças pretas são sujeitos, sempre, suspeitos. Suspeitos superlativos.

E como eram pobres e pretas todo mundo fez de conta que não viu.

O racismo conta com nossa omissão-cumplice e vai espalhando seus poderosos tentáculos.

E a gente continua fazendo de conta que não vê!

Não é mesmo?O vigia olhava o grupo. O olho do vigia não traduzia interesse pelo bem estar das crianças. O olho do vigia vigiava os passos das meninas e meninos emparedados em um espaço mínimo nos passeios de um Shopping , em Brasília.

Era um sábado, 23, e as crianças cerceadas do direito de ir e vir, vestidas com roupas rotas não despertavam a solidariedade de outros clientes. Eram pobres e pretas.

O vigia vigiava as três crianças invisíveis, para que elas não circulassem no espaço hermeticamente limpo do Shopping.

As crianças em uma posição incomoda e com gestos esvaziados esperavam silenciosas e constrangidas. Elas riam um sorriso para dentro.

Uma das principais conquistas legais, como bem assevera, a Constituição Federal de 1988,a Carta Magna é o direito à liberdade de toda pessoa, o direito de ir e vir sem ser molestada. Isso, realmente, existe?

Enquanto o vigia vigiava o grupo, uma outra senhora paramentada também de vigia trazia mais uma criança para juntar-se a prole dos meninos e meninas pretas.

Parei para olhar a movimentação e a mulher-vigia me interpela- usando a voz maquiada da repressão-: A senhora precisa de alguma informação? Respondi que não, fiz que ia embora e parei mais adiante, no observar a cena.

Depois de juntar todo grupo de crianças- que resolveu invadir o Shopping- o vigia repetindo uma história secular como arquivos caprichosos, feito de impressões, cenas e referências da exclusão, escoltou o grupo e mostrou-lhe a porta de saída.

Em um sábado, 23 de março quatro crianças mal vestidas foram expulsas de um Shopping, em Brasília.

Crianças pretas são sujeitos, sempre, suspeitos. Suspeitos superlativos.

E como eram pobres e pretas todo mundo fez de conta que não viu.

O racismo conta com nossa omissão-cumplice e vai espalhando seus poderosos tentáculos.

E a gente continua fazendo de conta que não vê!

Não é mesmo?

 

Fonte: Cada Minuto 

+ sobre o tema

Lewandowski apresentará normas para uso de câmeras corporais por policiais

O ministro da Justiça e da Segurança Pública, Ricardo...

Defensoria Pública de SP recorre ao STF contra flexibilização nas câmeras corporais na PM

A Defensoria Pública do estado de São Paulo entrou...

Imposto de renda: como apoiar projetos sociais na sua declaração

Pouca gente sabe, mas parte do seu imposto de renda devido...

para lembrar

Verga, não verga

Edson Lopes Cardoso fonte: Jornal Irohin - Opinião data: 24/04/2009 Foto: Fabiana...

Love nega relação com traficantes, admite ‘erro’, mas diz que voltará à Rocinha

Por: Raphael Raposo Convidado, Vagner Love compareceu à 15ª...

Governo Alckmin institui ‘gabinete antiprotesto’ em SP

O Palácio dos Bandeirantes passou a monitorar manifestações organizadas...

O cara é cidadão

Por: SÉRGIO RENAULT   A não ser o impedimento...

Brasil investe pouco em prevenção de desastres

Separada por duas ruas da margem do rio dos Sinos, a casa onde mora Ana Carolina Dutra da Silva, em São Leopoldo (RS), tem...

Ações para a cidadania

Testemunhamos casos de guerras, violências, feminicídios e racismo diariamente. Em quase todos eles, inúmeras vozes nas redes sociais prontamente assumem posicionamentos com verdades absolutas...

Entidades de segurança pública e direitos humanos dizem que novo edital precariza programa de câmeras da PM em SP

Entidades da sociedade civil ligadas à segurança pública manifestaram preocupação com o novo edital para contratação de 12 mil câmeras corporais para a Polícia...
-+=