O absurdo de expor crianças ao ódio fundamentalista nos protestos

— Pai, por que a mãe daquele menino está ensinando ele a mandar a Dilma tomar no c…?

por :  do DCM

Antônio, meu filho, tem 11 anos. Como acontece todo domingo, pegamos nossas bicicletas para dar uma volta. A Paulista, por volta do meio dia de domingo, dia 16, estava começando a encher.

Chamava a atenção o número de famílias com crianças. Clima de piquenique, exceto que os garotos e garotas estavam sendo expostos a uma explosão de ódio.

Uma meia dúzia de jovens, por exemplo, carregava um estandarte com os dizeres: “Dilma, decida: Jânio ou Getúlio” (a pontuação é por minha conta; no original é dilma decima jânio ou getúlio). Gritavam palavrões enquanto marchavam.

O que significa isso? Ou ela sai por bem ou dá um tiro no coração?

Uma senhora fofa empunhava um cartaz no qual se lia: “Dilma, pena que não te enforcaram no Doi Codi”

O termo carnacoxinha foi usado para definir essas manifestações. É pouco acurado. Está mais perto de uma micareta do mal, repleta de gente orgulhosa de sua ignorância.

Estão criando uma geração de pessoas odientas e preconceituosas que acha normal vomitar impropérios sobre aquela velha terrorista e o bêbado barbudo. Júnior não pode falar cocô no jantar, mas ganha um iPhone novo quando faz versinhos sujos sobre Lula e o PT. Tio Marlon e tia Patrícia acham lindo.

Esses meninos precisavam ser salvos desses monstros.

Em fevereiro, o biólogo britânico Richard Dawkins, ateu militante, afirmou que filhos de pais fundamentalistas deveriam ser protegidos na Irlanda.

“Eles devem ser ensinados a pensar por si mesmos”, disse. “Tradição é uma coisa boa quando se fala em música ou literatura, moda ou arquitetura. Mas a tradição é uma base terrível para a ética”.

Ao apoiar uma campanha para reformar o sistema educacional irlandês, foi além. “Você tem que equilibrar os direitos dos pais e os direitos dos filhos e eu acho que o saldo oscilou demais em favor dos pais. As crianças precisam ser preservadas de modo a não ser doutrinadas”.

É difícil prever o que vai acontecer com as crias dos coxas, mas você não precisa ser especialista para saber que aquilo é uma espécie de curso de maus modos e de como virar um ressentido e um proto fascista.

Ensinar o medo e a raiva não é algo que necessite de lições ou manuais. Adultos podem simplesmente transmitir esse sentimento através de piadas e xingamentos. As crianças querem se encaixar naqueles círculos sociais, ser aceitas, e vão simplesmente imitar o que vêem e ouvem.

Mamãe e papai sentem orgulho de perceber que os pequenos são como eles. Os garotinhos ficam felizes ao notar que, repetindo o discurso de ódio, recebem em retorno alegria e reconhecimento dos mais velhos. Que tipo de sujeito acha legal levar os filhotes para ver uma pessoa como Marcello Reis ser aclamada num carro de som?

O que os coxas cometem com seus filhos nesses ambientes vai assombrá-los no futuro.

Captura-de-Tela-2015-08-16-às-22.41.57-600x441

 

IMG_1895-600x448

 

Captura-de-Tela2

 

IMG3_1905-600x448

 

IMG4_1907-600x448

 

IMG5_1908-600x448

 

Sobre o Autor

Diretor-adjunto do Diário do Centro do Mundo. Jornalista e músico. Foi fundador e diretor de redação da Revista Alfa; editor da Veja São Paulo; diretor de redação da Viagem e Turismo e do Guia Quatro Rodas.

 

+ sobre o tema

Detenção de Mano Brown exemplifica a mensagem de Cores e Valores

Pedro Paulo Soares Pereira, 44 anos, também conhecido como...

Oscar em tempos de racismo – Por: Carlos Eduardo Lourenço Jorge

Consagrado pela Academia de Hollywood como melhor filme, 12...

Um quinto dos americanos acha que Obama é muçulmano, diz pesquisa

Obama frequenta a igreja e já reiterou publicamente sua...

Manifesto pede a Lula indicação inédita de ministra negra para o STF

Entidades jurídicas lançam nesta quarta-feira (8) um manifesto pela indicação...

para lembrar

A cordialidade e o paradoxo entre amor e ódio

O povo brasileiro é cordial, sempre escutei isso desde...

À deriva no oceano do racismo e do ódio

Acredito que a minha arte é sempre um início...

As máquinas de vender intolerância e preconceito

Para compreender onda de fundamentalismo e crimes de ódio,...

Niousha Roshani, antropóloga: ‘O discurso de ódio on-line pode matar’

Pesquisadora do Berkman Center, da Universidade de Harvard, iraniana...

À deriva no oceano do racismo e do ódio

Acredito que a minha arte é sempre um início de conversa que eu não sei como termina, porque o final dela está na vivência...

Templos abertos: Fundamentalismo ignora 4.000 mortes em nome dos ‘costumes’

O fundamentalismo reformado (de igrejas calvinistas) e (neo)pentecostal estão longe de qualquer semelhança da mensagem de Jesus. Seu cuidado com as pessoas está cada vez...

Fundamentalismo corrompeu a fé cristã, diz autora de bestseller evangélico

Os Estados Unidos testemunham uma das mais acirradas e turbulentas eleições em décadas. No centro do debate estão a pandemia, mas também as tensões...
-+=