De Santo André para a África, Cacau ganha respeito dos alemães na Copa

Por: Carlos Augusto Ferrari e Thiago Correia

 

Torcedores rasgam elogios ao brasileiro naturalizado e o enchem de apoio em nome de uma boa campanha do país no Mundial de 2010

 

 

Nem Klose, Podolski, muito menos Schweinsteiger. A esperança alemã na Copa do Mundo da África do Sul está em Claudemir Jerônimo Barretto, um paulista de Santo André com poucas oportunidades em times brasileiros, mas com o faro de gol apurado na Europa. Aos 29 anos e na maior chance da carreira, Cacau supera o preconceito e a desconfiança para cair no gosto do sempre carrancudo povo alemão.

 

Durante a festa de mais de quatro mil torcedores no Super Stadium, local do primeiro treinamento da Alemanha na África do Sul, nesta segunda-feira, Cacau virou unanimidade. Todos acreditam que ele poderá repetir na seleção o sucesso que vem tendo no Stuttgart para tentar levar o país ao quarto título mundial na história.

 

– Ele está melhorando a cada momento. No começo, ninguém achava que ele fosse bom, mas agora ele pode ser um dos atacantes mais importantes da Alemanha – disse o torcedor Fabian Havien.

 

A confiança é tanta que alguns chegam a vislumbrar uma decisão exatamente contra o Brasil. Mais que uma vingança pela derrota na final da Copa de 2002, disputada na Coreia do Sul e no Japão, eles querem um gol brasileiro para levantar a taça

 

– Ele é bom. Nós vamos ganhar a final contra o Brasil, e cacau vai marcar o gol do título – projetou Norbert Marin.

 

Os alemães garantem que não se importam com o fato de ter em sua seleção um jogador que não nasceu no país. O grupo contra ainda com outros quatro atletas naturalizados: os poloneses Podolski, Trochowski e Klose, além do bósnio Marin. No passado, outro brasileiro, Paulo Rink, também defendeu o time germânico.

 

– Acho que Cacau é um grande jogador. Não vejo problemas em ter um estrangeiro na seleção. Acho que cada um tem o direito de jogar onde quiser – explicou August Hans.

torcidaalemanha_treino2_gcom_60

A Alemanha viajou à África do Sul, aliás, para quebrar tabus. Além de Cacau, o grupo conta ainda com outros dois negros: Boateng e Aogo, ambos nascidos no país. Em 2002, o ganês naturalizado alemão Asamoah também participou do Mundial.

 

 

Fonte: Globoesporte

 

+ sobre o tema

MG – Quilombolas denunciam perseguições e maus tratos

  Embaixadores da União Europeia manifestam solidariedade a...

Nas telas – Pelé: um time à altura de sua vida

Nas telas - Pelé: um time à altura de...

Congresso de capoeira discute rumos para desenvolver esporte em Manaus

Congresso debate demandas referentes à prática esportiva e outras...

Arte africana, influente e relegada

As primeiras obras, hoje denominadas por “arte africana”, foram...

para lembrar

Mãe Stella: Atire a primeira pedra…

...aquele que não fala da vida alheia. Esse é...

Designer e cientista africanos juntam-se para fazer moda antimalária

Beleza útil Um cientista e uma designer de moda, ambos...

Honduras:Congresso de afro-descendentes fim racismo

Afro-descendentes de todo mundo se reunirão em Honduras sob...
spot_imgspot_img

Ícone da percussão, Naná Vasconcelos ganha mostra no Itaú Cultural

O Itaú Cultural, localizado na avenida Paulista, em São Paulo, abre nesta quarta-feira (17) a Ocupação Naná Vasconcelos, em homenagem ao músico pernambucano falecido em 2016. A mostra é...

Oito em cada dez quilombolas vivem com saneamento básico precário

De cada dez quilombolas no país, praticamente oito vivem em lares com saneamento básico precário ou ausente. São 1,048 milhão de pessoas que moram...

O atleta negro brasileiro que enfrentou o nazismo nas Olimpíadas de 1936

A poucos dias da abertura dos Jogos Olímpicos de Paris, em uma Europa cada vez mais temerosa com a agenda política de forças alinhadas...
-+=