Deixem Rosa Parks em paz: por que todos tentam capitalizar seu legado?

Políticos e movimentos de protesto de todo o mundo tentam capitalizar o legado da icônica ativista que lutou pelos direitos civis

Por Amanda Mars, Do EL País

Rosa Parks é identificada por um policial depois de ter se recusado a ceder seu lugar em um ônibus a um passageiro de pele branca. UNDERWOOD ARCHIVES / GETTY IMAGES

O sociólogo Mike Godwin determinou que à medida que uma conversa se prolonga, as possibilidades de que alguém faça uma comparação com Hitler ou com o nazismo se aproximam de 1. Chega um momento da discussão em que alguém menciona a Alemanha nazista e aquilo descarrila. É a chamada lei de Godwin, e agora está começando a ser necessário que as probabilidades de que alguém se compare com Rosa Parks também sejam reconhecidas. Em 1º de dezembro de 1955, em Montgomery, capital do estado sulista do Alabama, esta mulher marcou o que é considerado o início mais ou menos oficial do movimento pelos direitos civis dos negros, ao se recusar a ceder seu lugar a um passageiro branco em um ônibus urbano, desobedecendo assim às normas. Atualmente a histórica ativista está cheia de sucessores, das mais inesperadas causas, que se veem perfeitamente refletidos nela.

A história de Parks é bem conhecida: os ônibus reservavam as primeiras filas de assentos para os brancos e as últimas para os negros. No centro, qualquer um podia se sentar, mas se um branco ficasse de pé, tinha preferência. Parks estava em um desses assentos, e quando em um ponto próximo de um teatro um bom número de brancos subiu ao ônibus, o motorista pediu que ela se levantasse. Ela respondeu: “Não”. “Bem, então vou fazer com que a prendam”, disse o motorista, James Blake. “Pode fazer isso”, ela acrescentou, e acabou na cadeia. Aí começou o famoso boicote dos negros aos ônibus da cidade, um grande problema financeiro, porque eram os principais usuários.

Na verdade, alguns meses antes, outra afro-americana, uma adolescente chamada Claudette Colvin, fez a mesma coisa que Parks, mas Rosa era uma ativista conhecida e foi capaz de mobilizar a comunidade, com Martin Luther Kingà frente. A polêmica chegou à Suprema Corte, que anulou as portarias de segregação nos transportes públicos. Naqueles anos ainda aconteciam linchamentos de negros, às vezes por algo como uma acusação de flerte com uma mulher branca, como aconteceu com Emmett Till, de 14 anos, assassinado naquele ano de 1955 no Mississippi. E a segregação duraria mais anos em outras áreas, públicas e privadas, como a educação, ou como aqueles letreiros que indicavam os banheiros que as pessoas “de cor” podiam usar.

Leia a matéria completa em EL País 

+ sobre o tema

Passeio pela mostra “Um defeito de cor”, inspirada no livro de Ana Maria Gonçalves

"Eu era muito diferente do que imaginava, e durante...

Taís faz um debate sobre feminismo negro em Mister Brau

Fiquei muito feliz em poder trazer o feminismo negro...

Conheça a história de Shirley Chisholm, primeira mulher a ingressar na política americana

Tentativas de assassinato e preconceito marcaram a carreira da...

Roda de Conversa: Mulher, raça e afetividades

O grupo de pesquisa Corpus Dissidente promove a roda...

para lembrar

Caneladas do Vitão: Uma vez Anielle, sempre Marielle 2

Brasil, meu nego, deixa eu te contar, a história...

Cida Bento – A mulher negra no mercado de trabalho

Sinceramente eu nunca dei para empregada domestica acho que eu...

Primeira vereadora negra eleita em Joinville é vítima de injúria racial e ameaças

A vereadora Ana Lúcia Martins (PT) é a primeira...

Representantes da AMNB fazem reunião com ministra Luiza Bairros

Por volta do meio dia desta quinta-feira (14), as...
spot_imgspot_img

“Dispositivo de Racialidade”: O trabalho imensurável de Sueli Carneiro

Sueli Carneiro é um nome que deveria dispensar apresentações. Filósofa e ativista do movimento negro — tendo cofundado o Geledés – Instituto da Mulher Negra,...

Comida mofada e banana de presente: diretora de escola denuncia caso de racismo após colegas pedirem saída dela sem justificativa em MG

Gladys Roberta Silva Evangelista alega ter sido vítima de racismo na escola municipal onde atua como diretora, em Uberaba. Segundo a servidora, ela está...

Uma mulher negra pode desistir?

Quando recebi o convite para escrever esta coluna em alusão ao Dia Internacional da Mulher, me veio à mente a série de reportagens "Eu Desisto",...
-+=