A literatura da Mulher Negra: Sueli Carneiro indica autoras negras

A filósofa Sueli Carneiro indica livros de autoras negras para conhecer – ou reconhecer – a realidade dessas mulheres

por Camila Eiroa na Ravita Trip

Mario Ladeira

Homenageada deste ano no Trip Transformadores, Sueli Carneiro dedica seus dias a mudar a realidade de mulheres negras no país. Nenhum tipo de discriminação passa ileso ao trabalho da filósofa e doutora em educação, também fundadora do Instituto Geledés — nascido há 30 anos para evidenciar a exclusão que mulheres negras sofrem na sociedade.

“O lugar que nos foi destinado, como o limite da exclusão, nos faz portadoras de uma visão crítica da sociedade brasileira, com a radicalidade que somente esse lugar contém. Trazemos dessa realidade, narrativas que ainda não foram contadas, personagens insondáveis em sua grandiosidade humana”, declara Sueli, que acredita que a literatura é uma das maneiras de entrar em contato com isso.

Se por vezes o mercado editorial invisibiliza autoras negras e suas histórias, a filósofa aponta que existem editoras dedicadas a esse tipo de literatura, como a Mazza, Malê, Nandyala e Pallas Atenas. Além disso, Sueli destaca saraus, batalhas de poesia e sites negros que celebram e divulgam essas autoras. É o caso do Geledés, fundado por ela, e também do Alma Preta e Nós Mulheres da Periferia. “Elas estão por aí, é só querer encontrar.”

Veja abaixo a lista de livros que Sueli Carneiro fez para o Trip Transformadorese prepare sua leitura!

Ponciá Vicêncio – Conceição Evaristo

Conceição vê sua literatura como uma escrevivência, que ela assim nos define: “Nossa escrevivência não é para adormecer os da casa grande, e sim, para incomodá-los em seus sonhos injustos”. Ponciá Vicêncio é a saga de um eterno desterro do qual emanam resistências e resiliências protagonizadas por mulheres negras, ampliando e enriquecendo o imaginário social acerca das mulheres brasileiras. A autora é a primeira dama negra da literatura brasileira e é candidata a Academia Brasileira de Letras, reivindicando a cadeira número 7 da ABL, que foi de Nelson Pereira dos Santos.

Um defeito de cor – Ana Maria Gonçalves

Ana Maria Gonçalves, com seu romance “Um defeito de cor”, venceu na categoria Literatura Brasileira o prêmio Casa de Las Américas, em 2007. Segundo o júri, a obra se caracteriza por “um grande poder de evocação e pela união orgânica das descrições de variados contextos históricos”, numa narrativa que mostra a sociedade brasileira do século XIX.

O homem azul do deserto – Cidinha da Silva

Cidinha da Silva é considerada uma das melhores cronistas da atualidade. O homem azul do deserto é o seu décimo segundo livro e marca o momento em que a sua prosa poética alcança o seu maior refinamento: “Desacelero e olho à volta para descobrir quem canta na manhã ensolarada de domingo. O monturo de lixo se mexe. Emerge de lá, pulando ora numa perna, ora noutra, uma mulher de dreads grossos, pele negra curtida de sol e gordura das sobras dos restaurantes, roupa de sacos de lixo pretos customizados. Um luxo!” Vale a pena conferir.

Quarto de despejo – Carolina Maria de Jesus

O livro, de 1960, consiste no diário de Carolina Maria de Jesus, e teve impacto impressionante nos anos 60, sendo traduzido em 15 idiomas. É um olhar singular de uma mulher favelada sobre a cidade e seus territórios envoltos pelas racialidade, os gêneros e as classes sociais. Fruto do impacto causado por esse livro, emerge o primeiro Plano de Desfavelamento da Prefeitura de São Paulo, em 1961, que, segundo os seus idealizadores, representaria  o despertar da cidade para esse grave problema humano e social: a favela.

Primavera para as rosas negras – Lélia Gonzalez

É uma publicação indispensável para os interessados nas temáticas de gênero e na questão racial no Brasil e mundo. Reúne, pela primeira vez, textos inéditos dessa precursora da reflexão sobre a mulher negra na sociedade brasileira. Lélia Gonzalez é a principal referência das mulheres negras de minha geração.

O que é lugar de fala ? – Djamila Ribeiro

Djamila Ribeiro é a mais potente expressão do feminismo negro contemporâneo e do protagonismo político das jovens negras brasileiras. Seu livro é essencial para a compreensão de como a interseccionalidade de gênero, raça e classe compõem uma ótica especial para enxergar não só o mundo, mas também as relações sociais. A escrita conduz à exigência de uma ruptura dos paradigmas que determinam a redução da humanidade de certos grupos, em especial o das mulheres negras.

+ sobre o tema

Contra retrocesso em leis eleitorais e pelos direitos das mulheres negras

Na última semana, o Congresso Nacional entrou em recesso...

Homofobia no Brasil: estatística de guerra

Assassinato de 1,3 mil pessoas em seis anos revela...

Eleições 2020: “A mulher que chega ao poder é um ponto fora da curva”, diz especialista

Ampliar a representatividade das mulheres na política em Santa...

para lembrar

Manutenção da divulgação da campanha ‘Violência contra a mulher – Eu ligo’

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) autorizou a continuidade da...

A História de amor interrompida de Marielle e Monica

Era 7 de janeiro de 2017. Marielle Franco tinha...

Por que decidi procurar meu estuprador e escrever um livro com ele

Nove anos após agressão sexual na Islândia, mulher entrou...
spot_imgspot_img

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Justiça brasileira não contabiliza casos de homotransfobia, cinco anos após criminalização

O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homotransfobia há cinco anos, enquadrando o delito na lei do racismo —com pena de 2 a 5 anos de reclusão— até que...

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...
-+=