Depois de um carnaval quente, é hora de pensar em adaptação climática

“O dia em que o morro descer e não for carnaval ninguém vai ficar pra assistir o desfile final” (Wilson das Neves)

Escrevo esta coluna, atrasada, em uma terça-feira de carnaval. A temperatura da cidade de São Paulo bate 33°C, mas lá fora, longe do meu ventilador, deve estar uma sensação gostosa de 40°C.

Não brinquei carnaval e acho que não faço isso há uns 8 anos, depois que saquei que eu ia “porque todo mundo vai” e que eu não gosto. Prefiro saborear os desfiles das escolas de samba pela televisão e os comentários maravilhosos dos amigos especialistas no X (antigo Twitter). Me libertei de limpar purpurina e passar perrengue.

Mas eu acho o carnaval bonito, intenso, forte e um sinal de que podemos ser livres e menos cobertos de pudores, mas escolhemos só um período do ano para fazer isso nas ruas.

Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

Escrevo depois de um mês agitado para a discussão sobre racismo ambiental, enquanto intelectuais, do alto do seu apartamento com ar condicionado, publicaram análises sobre o termo em grandes jornais, tão profundas como um prato de sobremesa.

“Me parece que inventaram isso aí, eles sempre inventam algo sobre racismo, esses identitários”.

O privilégio de dizer o que quiser, escrever o que quiser sem estudar, sem pisar no chão de terra, sem conhecer experiências locais da população negra e indígena do Brasil é das coisas que mais me assustam. Normal, é o Brasil colonizado e muita gente tem orgulho disso. Mas ainda me choca.

Atacaram Anielle, foram até um post meu proferir tantos xingamentos a meu respeito, que o foco no termo mesmo saiu do rumo. Thiago Amparo escreveu mais uma coluna sobre o tema, depois uns três fios importantes sobre isso no X (antigo Twitter). Eu admiro demais a persistência do Thiago em informar e trazer os fatos, isso é tão importante. Vários pesquisadores negros que estudam racismo ambiental, lideranças do movimento negro que viveram Eco 92 e os mais jovens deram entrevistas longas, fizeram vídeos.

Mas o que percebi é que a história não basta para a branquitude, sobretudo para os homens brancos. Eles querem ser o foco da discordância, da contraposição sem fundamento. Aparecer, independente do tema.

Enquanto isso, milhares de pessoas negras morrem e são levadas pelas chuvas. Indígenas ficam doentes pela contaminação da água que o garimpo ilegal está destruindo na Amazônia. Quilombolas sem titulação são assassinados a tiros dentro de casa. Aumenta o número de pessoas que adoecem e morrem com dengue.

A lista é enorme, os dados estão aí. Só não vê quem é racista.

O ano de 2023 foi fundamental para reconhecer que as alterações climáticas são sexistas e racistas – e que as soluções climáticas não podem reforçar as desigualdades sociais em termos de raça e gênero. O impacto da crise climática não é o mesmo para todos.

A população negra – em especial mulheres e crianças negras – enfrenta os piores efeitos, apesar de não ser a principal causadora da crise. As práticas discriminatórias baseadas em raça e gênero, as normas socioculturais, os mitos e as leis criam impactos desproporcionais da crise climática nas mulheres e crianças em toda a sua diversidade, uma vez que são excluídas dos recursos necessários para a adaptação e são mais vulneráveis a perdas e danos.

Os defensores da terra, das florestas e dos direitos humanos têm lutado contra as atividades extrativas que causam a crise climática que pressiona os territórios, acaba com florestas, polui e contamina o meio ambiente, quebra relações das comunidades e leva ao deslocamento. Essas atividades são as responsáveis pelas violações sistemáticas dos direitos das mulheres negras, quilombolas, rurais e indígenas.

Agora que o carnaval acabou, queremos saber se teremos um plano de adaptação, se as experiências locais serão respeitadas e se a população negra estará de fato no centro da busca por soluções. A sociedade quer saber, quer participar e quer estar presente e perto dos processos.

Um calor surreal, pessoas morrendo, uma senhora tomando seu café debaixo d’água. Não pode abandonar o que conseguiu com tanto suor. Vamos pensar na vida das pessoas agora ou só ano que vem?


Mariana Belmont é jornalista, nascida em Parelheiros (extremo sul da cidade de São Paulo), trabalha com articulação e comunicação para políticas públicas. Atuou em cargos no governo sobre questões ambientais e de habitação na Prefeitura da cidade de São Paulo. Trabalhou como coordenadora de comunicação e articulação do Mosaico Bocaina de Áreas Protegidas pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio). Foi Superintendente de Programas e Diretora de Clima e Cidade no Instituto de Referência Negra Peregum. Foi colunista do UOL e agora escreve mensalmente para a Gênero e Número. Também é ativista, parte de movimentos ambientalistas e periféricos. Recentemente foi editora convidada da Revista “Diálogos Socioambientais: Racismo Ambiental” da Universidade Federal do ABCD. É organizadora do livro “Racismo Ambiental e Emergências Climáticas no Brasil” (Oralituras, 2023). Atualmente é Assessora sobre Clima e Racismo Ambiental de Geledés – Instituto da Mulher Negra.

+ sobre o tema

Ministério Público vai investigar atos de racismo em escola do DF

O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT)...

Desigualdade ambiental em São Paulo: direito ao verde não é para todos

O novo Mapa da Desigualdade de São Paulo faz...

Nath Finanças entra para lista dos 100 afrodescendentes mais influentes do mundo

A empresária e influencer Nathalia Rodrigues de Oliveira, a...

Ministério da Igualdade Racial lidera ações do governo brasileiro no Fórum Permanente de Afrodescendentes da ONU

Ministra da Igualdade Racial, Anielle Franco, está na 3a sessão do...

para lembrar

Racismo ambiental: o que é importante saber sobre o assunto

Em sua nova coluna, a ativista Stephanie Ribeiro fala...

O futuro sustentável que buscamos está nas periferias

A minha avó tem medo de chuva, a minha mãe...

Ilú Obá De Min: a diversidade cultural no carnaval de São Paulo

Composto exclusivamente por mulheres e desde 2005 desfilando pelas...

A menina dos olhos de Oyá exuzilhou o racismo religioso na avenida

A menina dos olhos de Oyá foi reverenciada na...
spot_imgspot_img

Milton Nascimento será homenageado pela Portela no carnaval de 2025

A Portela, uma das mais tradicionais escolas de samba do país, vai homenagear o cantor e compositor Milton Nascimento no carnaval de 2025. A...

Adaptação às mudanças climáticas para população negra 

A agenda de adaptação às mudanças climáticas ficou em segundo plano nas negociações e agendas nacionais. Mas o ano de 2023 ativou um gatilho...

Mulheres pretas e pardas são as mais afetadas pela dengue no Brasil

Mulheres pretas e pardas são o grupo populacional com maior registro de casos prováveis de dengue em 2024 no Brasil. Os dados são do painel de...
-+=