Diante do machismo de Putin, Alexandra Kollontai não silenciaria

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, declarou, em dezembro passado, que é contra a violência, mas que considera inadmissível a interferência do Estado em “assuntos de família”. Dmitry Peskov, porta-voz do Kremlin, disse que conflitos familiares “não constituem, necessariamente, violência doméstica”. A Igreja Ortodoxa apoia ambos, alegando que a criminalização é imposição ocidental sobre a cultura russa (“Se ele te bate, quer dizer que te ama” é um provérbio russo)! Segundo a deputada Yelena Mizulina, relatora da lei de descriminalização da violência doméstica, “agressões físicas sem lesões sérias são apenas brigas familiares”. Não é efeito de Orloff, é de vodca falsificada!

Por Fátima Oliveira, do O Tempo

Há informações de que, na Rússia, a cada 40 minutos, morre uma mulher vítima de violência doméstica; dados do governo informam que 40% de todos os crimes violentos são cometidos no “lar, doce lar”; e em torno de 36 mil mulheres apanham de seus parceiros a cada dia, e 26 mil crianças apanham de seus pais anualmente.

Somente três países da Europa e da Ásia Central não possuem leis específicas contra a violência doméstica: Armênia, Rússia e Uzbequistão. Na Rússia, em julho de 2016, foi aprovada uma lei que criminaliza a violência contra familiares, o que fez rugir as forças conservadoras que agora aprovaram a lei que descriminaliza a violência doméstica quando a agressão não causar danos à saúde da vítima e não houver repetição do ato. Foi aprovada na Assembleia Federal da Rússia (Duma) por 389 votos favoráveis e apenas três votos contrários, em 27.1.2017, sancionada por Putin em 8.2.2017.

Na lei sancionada, “danos à saúde” são “impactos duradouros à saúde da vítima que exijam tratamento hospitalar. Hematomas, arranhões e sangramentos são classificados como de ‘efeito não duradouro’ e não serão criminalizados”, além do que “a Justiça russa não atuará de ofício (iniciativa própria) para investigar as acusações, apenas mediante as provas coletadas e apresentadas pela vítima”. Trocando em miúdos: na Rússia, a violência doméstica só será punida com prisão e/ou processo se o agressor repetir agressões físicas no mesmo familiar no período de um ano, caso a vítima reúna por si as provas da agressão. Não reconhece que a violência atinge a mulher do berço ao túmulo (Alex Marshall, in “Estado da População Mundial: Relatório 2000”); e desobriga o Estado à atenção integral à sobrevivente de violência doméstica.

É de domínio público mundial que no flagelo da violência doméstica a criminalização é indispensável no combate à violência intrafamiliar, seja da mulher, de crianças, jovens, pessoas com deficiência e idosas, porque “a impunidade cultiva a tolerância social com a violência” (Tracy Robinson, relatora sobre os Direitos das Mulheres da Organização dos Estados Americanos).

Putin destrói um legado soviético civilizatório: o governo soviético foi o primeiro do mundo a abolir as leis que conferiam cidadania de segunda categoria para as mulheres, sob o comando de Alexandra Kollontai (1872-1952), única mulher que ocupou cargo no primeiro escalão após a Revolução de Outubro de 1917: Comissária do Povo (equivale a ministra de Estado do Bem-Estar Social), elaborou as novas leis sobre os direitos da mulher, a legislação mais avançada de um país, em todos os tempos, inclusive legalizando o aborto. Naquela época, não estavam postas as reivindicações feministas sobre violência doméstica, e a Revolução Russa apostava no desabrochar do novo homem e da nova mulher sob o socialismo, mudança cultural que não se concretizou.

+ sobre o tema

Mulheres homenageiam Marielle Franco com ilustrações políticas

Mulheres homenageiam Marielle Franco. Em meio à repercussão entorno da...

“Nasci feminista”: 7 lições que Elza Soares deixou para todas as mulheres

A cantora Elza Soares morreu, aos 91 anos, na tarde...

MPF entende que Lei Maria da Penha pode ser aplicada para mulheres trans

O Ministério Público Federal (MPF) constatou que mulheres transexuais têm direito às...

para lembrar

“Queria que você não tivesse nascido”: frases que gays ouvem ao sair do armário

Internautas contam os absurdos e as coisas boas que...

Uma cidade onde as mulheres negras possam respirar

Historicamente, as mulheres negras, para além da resistência, representam...

“Torturei minha garotinha durante anos”, diz mãe sobre aceitação de filho transgênero

Quando criança, a cada vez que José Bernardo trocava...

Os sentidos das desigualdades: o machismo e o racismo como experiências sensoriais

Acho sempre curioso quando escuto que as mulheres e...
spot_imgspot_img

Casa Sueli Carneiro abre as portas ao público e apresenta o III Festival Casa Sueli Carneiro, pela primeira vez em formato presencial

RETIRE SEU INGRESSO A Casa Sueli Carneiro, fundada em dezembro de 2020 e atuando em formato on-line desde abril de 2021, é uma entidade criada...

Aborto legal: falhas na rede de apoio penalizam meninas e mulheres

As desigualdades sociais no Brasil podem explicar a razão para que meninas e mulheres busquem apoio para o aborto legal também após 22 semanas...

Referência do feminismo negro, Patricia Hill Collins vem ao Brasil para conferência, curso e lançamento de livro

Referência do feminismo negro, a socióloga estadunidense Patricia Hill Collins participa, nesta quarta-feira (19), de um evento em Salvador, na Universidade do Estado da Bahia (Uneb)....
-+=