Dramaturga negra que conquistou palcos ingleses

Por JOANA EMÍDIO MARQUES

 

Estreou uma peça sobre Martin Luther King numa obscura sala londrina e ganhou o mais importante prémio de teatro: o Laurence Olivier. Foi a primeira mulher negra a obtê-lo.

Katori tem um nome japonês, nasceu em Memphis, no estado americano de Tennessee, vive em Nova Iorque e a Inglaterra deu-lhe um dos mais prestigiados prémios de teatro: o Laurence Olivier, para melhor peça de teatro em 2010. Foi a primeira mulher negra a receber esta distinção. A peça chama-se The Mountaintop, recria a última noite de vida do activista negro Martin Luther King e vai passar do West End londrino para a Broadway já no próximo Verão. O actor Samuel L. Jackson interpreta o papel principal.

Uma conversa com Katori Hall, 30 anos, torna-se inevitavelmente um tempo bem passado. O olhar inteligente e irónico que lança sobre si própria e sobre o mundo em redor e as gargalhadas contagiantes fazem dela uma personagem fascinante. O DN encontrou-a num hotel de Lisboa, onde esteve para assistir à encenação da peça que escreveu quando viveu entre a África do Sul e o Ruanda: Filhos e Assassinos. A obra foi traduzida para a língua portuguesa e encenada por alguns dos grupos de teatro escolar que integraram o festival PANOS, promovido pela Culturgest. Foi precisamente durante esta entrevista que Katori recebeu o livro, acabado de chegar da gráfica, com a tradução da peça. “Oh my God!”, exclamou várias vezes, entre gritinhos e gargalhadas, enquanto segurava o livro e olhava para as suas palavras, pela primeira vez, escritas numa língua que não a inglesa.

Katori tem uma história que na América de Barack Obama ainda é uma excepção. Nasceu no seio de uma família negra de classe média baixa. Aos 15 anos, começou a escrever artigos para um jornal local. Aos 23 anos, graduou-se em Estudos Afro-americanos e Escrita Criativa, na Universidade de Columbia, e aos 25, em Estudos Teatrais, na Universidade de Harvard.

“Comecei a estudar teatro porque pensava que ia ser actriz, mas depois percebi que aquilo em que era boa era na escrita. Então escrevi uma peça sobre um homem que abandona a namorada”, diz, antes de dar mais uma gargalhada e acrescentar: “a namorada era eu”. Apesar de hoje achar este primeiro trabalho “ingénuo”, a peça foi representada em vários palcos dos Estados Unidos.

Não obstante este começo auspicioso, quando se mudou para Nova Iorque, Katori passou por momentos difíceis. “O meio teatral nova-iorquino é muito fechado. Está ainda preso aos velhos dramaturgos e não tem capacidade para integrar os mais novos, novas linguagens, novos olhares. E, apesar de Obama ser Presidente, a situação dos negros, em especial das mulheres negras, continua a ser difícil.”

 

 

 

 

Fonte: DN

+ sobre o tema

Nelson Mandela: por trás do grande homem, houve três grandes mulheres

Nelson Mandela: vida social e política intensa, mesclada com...

Após evangélicos, adeptos das religiões afro mostram cânticos em shopping

Nos últimos meses, frequentadores de vários shopping centers do...

Prince foi um Rei

nos anos oitenta, Michael Jackson teve que recorrer a...

para lembrar

Taís Araújo deixa maternidade: “O bebê parece muito com o Lázaro”

Taís Araújo deixou nesta segunda-feira (20) a maternidade Perinatal,...

Cidinha da Silva: Uma mãe chora em Serra Leoa

Pessoas desconhecidas insistiam em enviar à cronista um conjunto...

O gosto amargo da intolerância

Billie Holiday e o racismo nos Estados Unidos Se...
spot_imgspot_img

Diaspóricas 2: filme revela mundo futurista a partir do olhar de mulheres negras

Recém-lançado no Festival Internacional de Cinema e Vídeo Ambiental (FICA), em Goiás, no último dia 13 de junho, o filme “Diaspóricas 2” traz o protagonismo negro feminino e brasileiro...

NICHO 54 lança publicação inédita que investiga a história do Cinema Negro no Brasil 

Pesquisa que mapeou e consolidou dados sobre filmes produzidos por pessoas negras no Brasil de 1949 a 2022 encontrou 1.104 obras; 83% de toda...

Jay-Z e Alicia Keys apresentam ‘Empire State of Mind’ no Tony Awards de 2024

Jay-Ze Alicia Keys se uniram para apresentar o sucesso “Empire State of Mind” ao vivo no na cerimônia de premiação de 2024 do Tony Awards no último domingo,...
-+=