Eike iludiu mercado com ajuda da imprensa

Nos últimos anos, seus dois principais “promoters” foram os jornalistas Lauro Jardim, do Radar Online, de Veja, e Ancelmo Gois, do Globo, que o chamava de “Eike Sempre Ele Batista”; no entanto, até capa de Veja, com direito a editorial de Eurípedes Alcântara, ele conseguiu; hoje, Miriam Leitão diz o óbvio em sua coluna: o bilionário, que dizia ter um pacto com a natureza, chancelado por vários veículos de comunicação, mentiu aos investidores e poderá causar dano irreparável à imagem do País

Uma bolha como a do “mundo X” não se constrói sem um mínimo de colaboração da imprensa. Foi o que aconteceu com as empresas do bilionário Eike Batista, que, de um ano para cá, fizeram evaporar mais de R$ 100 bilhões de seus investidores.

Como bom vendedor, Eike dizia aos seus investidores que tinha um “pacto com a natureza”. Seu estilo, quase sempre fanfarrão, era saudado pela imprensa imprensa como o símbolo de um novo capitalismo. Veja, por exemplo, dedicou a ele a capa “Eike Xiaoping Batista”, com o subtítulo enriquecer é glorioso, com direito a editorial do diretor Eurípedes Alcântara. “A reportagem desta edição de VEJA captura esse momento especial de glorificação da riqueza produzida com trabalho, honestidade, investimento pessoal e coragem para correr riscos. Ele é o símbolo de um tempo mais generoso para todos os brasileiros”, dizia o texto.

Sabe-se, agora, que Eike mentiu a seus investidores, como afirma a colunista Miriam Leitão. Desde ontem, quando ele divulgou fato relevante ao mercado, os acionistas que compraram seus papéis sabem que o pacto com a natureza jamais existiu e que Eike não tem tecnologia para extrair seu suposto petróleo (leia mais aqui).

No entanto, ele não teria ido tão longe com suas mentiras sem a colaboração da imprensa. Especialmente de dois jornalistas, que foram seus principais “promoters” nos últimos anos: Lauro Jardim, de Veja, e Ancelmo Gois, do Globo, que o chamava de “Eike Sempre Ele Batista”.

Abaixo, nota de Lauro Jardim em janeiro de 2012:

Eike e Dilma 

A OGX, de Eike Batista, comunicou há pouco à CVM a descoberta de óleo na Bacia de Santos. São, e isso não consta do comunicado,  reservas equivalentes a 2 bilhões de barris de petróleo.

É um volume capaz de fazer muito barulho no mundo do petróleo. Para que se possa comparar, as reservas estimadas no pré-sal são de 5 bilhões de barris.

A diferença é que o óleo descoberto nos poços de Eike Batista estão em águas rasas, tanto em área do pré quanto do pós-sal. O custo de produção, portanto, será mais baixo do que se fosse em águas profundas.

A descoberta deu-se a 102 quilômetros da costa. Numa linha reta, situa-se a 80 quilômetros de Paraty.

Uma concidência destinada a entrar para o folclore do homem mais rico do Brasil. De acordo com o relato que fez ontem para Dilma Rousseff, quando lhe contou sobre a descoberta, Eike afirmou que a descoberta foi feita na 63ª tentativa – 63 é o número da sorte do supersticioso empresário.

Na conversa, Eike comparou a aventura do Brasil no pré-sal à corrida espacial empreendida pelos EUA nos 60:  John Kennedy queria ir à lua. Parecia impossível, mas os EUA conseguiram. Com o pré-sal é a mesma coisa.

Leia ainda nota de Ancelmo:

PetroEike

Eike Sempre Ele Batista achou petróleo a apenas130 km da costa de Parati em águas rasas. A primeira estimativa é que só nesse campo da OGX possa haver 3 bilhões de barris de óleo leve.

Dilma e Lobão já foram comunicados.

E o editorial de Eurípedes:

Eike Xiaoping Batista

Os repórteres de VEJA que foram ouvir os novos milionários brasileiros, categoria que aumenta à razão de dezenove pessoas por dia, relataram a Thaís Oyama, redatora-chefe encarregada de editar a reportagem, que, entre muitos traços comuns, um sobressaía: eles têm como ídolo o empresário Eike Batista, o brasileiro mais bem colocado na lista de bilionários da revista Forbes, em que ocupa o oitavo lugar. “Exatamente o que eles admiram em Eike?”, perguntou-lhes Thaís. Com ligeiras variações, as respostas giraram em torno do mesmo ponto: “Eike não tem vergonha de ser rico”.

Ao elaborarem as respostas, os entrevistados enfatizaram que admiram a ambição de crescer junto com o próprio negócio e prezam o direito de acumular riqueza e propriedade adquiridas com trabalho honesto e talento. Vem inevitavelmente à lembrança a guinada ideológica que Deng Xiaoping promoveu na China comunista a partir de 1976, quando lançou as palavras de ordem: “Enriquecer é glorioso”. Deu no que deu. A China saiu da estagnação coletivista e agora emparelha como potência industrial com os Estados Unidos.

Em seu livro O X da Questão, Eike escreveu: “Muita gente não enxerga o que representa contar, no topo do ranking dos homens mais ricos do mundo, com um empreendedor brasileiro que ama o Brasil (…), concentra seus investimentos no mercado interno e gera emprego, riqueza e divisas para a nação”. Os empreendedores que ilustram a reportagem de VEJA também se orgulham de ter chegado à prosperidade milionária pagando seus impostos, competindo em igualdade de condições e gerando empregos de qualidade. É de celebrar o triunfo desse espírito empreendedor. O brasileiro já foi identificado com o derrotismo do Jeca Tatu ou, na metáfora futebolística popular, com a visão de mundo que chancela o fracasso mórbido de Garrincha, mas desconfia do saudável sucesso universal de Pelé. A reportagem desta edição de VEJA captura esse momento especial de glorificação da riqueza produzida com trabalho, honestidade, investimento pessoal e coragem para correr riscos. Ele é o símbolo de um tempo mais generoso para todos os brasileiros.

 

Fonte: Brasil 247

+ sobre o tema

Cineasta Joel Zito Araújo avalia que mídia tradicional é injusta no debate racial

Passados 125 anos da lei que libertou africanos e...

Mulheres são maioria entre empregados de fundações privadas, mas ganham menos

As mulheres representavam 62,9% do pessoal assalariado das fundações...

Conheça a InfoPreta: Primeira e única empresa de tecnologia criada por mulheres negras e LGBTs

Uma empresa criada por mulheres negras pensada para negras...

Justiça deve executar neste ano ação milionária de trabalho escravo

Trabalhadores de fazendas no Pará não tinham nem acesso...

para lembrar

Ouvidoria da Defensoria Pública da Bahia convida sociedade civil para Diálogo

Há alguns meses, a Defensoria Pública da Bahia oportunizou,...

Como apagão de dados sobre vacinação no Brasil traz de volta ameaça de doenças já controladas

Não há dúvidas entre os profissionais de saúde e...

“Tenho o vírus da Aids, e o meu namorado não”

Tenho HIV, e o meu namorado não. Um dia...
spot_imgspot_img

NOTA PÚBLICA | Em repúdio ao PL 1904/24, ao equiparar aborto a homicídio

A Comissão de Defesa dos Direitos Humanos Dom Paulo Evaristo Arns – Comissão Arns vem a público manifestar a sua profunda indignação com a...

Nota pública do CONANDA contrária ao Projeto de Lei 1904/2024

O Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente – CONANDA, instância máxima de formulação, deliberação e controle das polícas públicas para a...

Marcelo Paixão, economista e painelista de Geledés, é entrevistado pelo Valor

Nesta segunda-feira, 10, o jornal Valor Econômico, em seu caderno especial G-20, publicou entrevista com Marcelo Paixão, economista e professor doutor da Universidade do...
-+=