Elza Soares renasce das cinzas com seu já histórico novo disco

A primeira faixa, “Coração do Mar” (José Miguel Wisnik/Oswald de Andrade), é à capela. A voz de Elza Soares parece que vai falhar, mas nas sombras ela ilumina o início de tudo: “O navio humano, quente, negreiro do mangue”.

da Folha de São Paulo no Imprensa

É o prólogo de um passeio pelos círculos do inferno de hoje. O já histórico CD “A Mulher do Fim do Mundo” tem shows de lançamento neste fim de semana no Auditório Ibirapuera, em São Paulo.

Os sons e os versos das 11 inéditas são do núcleo de compositores e músicos paulistas formado por, entre outros, Rodrigo Campos, Kiko Dinucci, Romulo Fróes, Clima, Marcelo Cabral, Guilherme Kastrup e Celso Sim.

A primeira etapa da saga é “Mulher do Fim do Mundo” (Romulo Fróes/Alice Coutinho), Elza como a narradora que viu e viveu tudo, perdeu dois filhos e agora vai registrar o apocalipse sem meias palavras.

Na canção, a desintegração se dá no Carnaval, a “pele preta”, a voz e o resto espatifados na avenida. Elza agoniza mas não morre, pede que a deixem “cantar até o fim”, e as notas longas da segunda parte traduzem o cansaço e a persistência.

“Maria da Vila Matilde” (Douglas Germano) trata da violência doméstica. A mulher reage: “Cê vai se arrepender de levantar a mão pra mim”. Distorções sonoras se misturam à melodia. Samba ao rock e ao rap. Não é o fim da canção, mas a canção do fim.

Em “Luz Vermelha” (Kiko Dinucci/Clima), com rap e punk rock sobrepostos, o apocalipse é recortado em cenas de periferia, tiroteio, ruas esvaziadas. “O mundo vai terminar num poço cheio de merda”, diz a letra.

PALAVRÕES

No CD, a favela (ou as “quebradas”) é o cenário do fim do mundo (ou do Brasil) e o lugar de onde ele pode ser reconstruído, pois ali se dão as maiores violências contra o ser humano. A reação ante a destruição sistemática é a chance de um renascer das cinzas, como Elza fez por toda a vida.

Se o disco é sobre um tempo sem delicadeza, palavrões são naturais. Um virou título, “Pra Fuder” (Kiko Dinucci), samba rápido em que o tesão é cantado sem frescura e alardeado pelo naipe de metais. Elza é quente, não é “Frozen”.

Lirismo também não tem vez em “Benedita” (Celso Sim/Pepê Mata Machado), sobre a transexual que traz no corpo todas as violências sociais, mas nunca se rende. Vive à beira do fim do caminho, em meio a paus e pedras. Guitarras distorcidas e metais dão o clima.

Em “Firmeza?!”, Rodrigo Campos tornou mantras as frases e gírias que deve ouvir no bairro de São Mateus, seu berço. Angústia e fraternidade saem da música, gravada por Elza em duo com o autor.

O tango “Dança” (Cacá Machado/Romulo Fróes) se situa depois do fim. A narradora está morta. Porém, já quase pó, insiste em dançar. Elza não desiste.

O Oriente chega na sonoridade e na letra de “O Canal” (Rodrigo Campos). O arranjo segue no ritmo da caminhada feita em busca de algo, talvez renascer.

Em “Solto” (Marcelo Cabral/Clima), como o título e as notas soltas indicam, a travessia é solitária, sem nada mais. “O meu corpo/ Caminha/ Na minha sombra.” É a única faixa sem guitarras ou distorções.

Elas voltam no início de “Comigo” (Romulo Fróes/Alberto Tassinari). O crescendo ruidoso estanca de repente, e Elzaressurge à capela, em tom de oração, de lamento sertanejo. “Levo/ Minha mãe/ Comigo/ Pois deu-me/ Seu próprio ser.”

E vem o longo silêncio do fim de tudo. Mas, no fundo, ainda se ouve a voz de Elza. Ela insiste. Um recado para nós.

Elza Soares no Metrópolis (27/09/2015)

A MULHER DO FIM DO MUNDO

ARTISTA Elza Soares

GRAVADORA Circus/Natura Musical

QUANTO R$ 30

SHOWS sáb. (3), às 21h, dom. (4), às 19h; Auditório Ibirapuera (av. Pedro Álvares Cabral, s/nº, portão 2, tel. 11-3269-1075); R$ 20 (esgotado); 10 anos

LUIZ FERNANDO VIANNA é autor de “Aldir Blanc – Resposta ao Tempo” (Casa da Palavra)

+ sobre o tema

Tony Tornado esclarece confusão sobre seu pai em papo com Sterblitch

Se tem alguém que tem muita história para contar,...

Deuses de Dois Mundos – A trilogia épica dos orixás

Foi realizado anteontem, na Livraria Cultura do Conjunto Nacional,...

Conheça os vencedores da mostra audiovisual “(Entre)VivênciasNegras”

Em setembro, lançamos um edital convidando produtores audiovisuais negros...

Jair Oliveira e Luciana Mello realizam show tributo em homenagem a Jair Rodrigues

Apresentação realizada pela Eldorado e D&D Shopping será dia...

para lembrar

Hip-Hop do DF é premiado no Hutúz 2009

Gog, DF Zulu e outros representantes do Hip-Hop do...

Corpo de Armando Nogueira é velado no Maracanã

O velório do ex-diretor da Central Globo de Jornalismo...

Copa na África: Música Oficial da Copa do Mundo

Musica Wavin' Flag da Copa 2010 Skank e Knaan...

Jogador nigeriano expulso de campo, é ameaçado de morte

Por: Robson Lessa | France Presse Atenção redobrada com...
spot_imgspot_img

Casa onde viveu Lélia Gonzalez recebe placa em sua homenagem

Neste sábado (30), a prefeitura do Rio de Janeiro e o Projeto Negro Muro lançam projeto relacionado à cultura da população negra. Imóveis de...

No Maranhão, o Bumba meu boi é brincadeira afro-indígena

O Bumba Meu Boi é uma das expressões culturais populares brasileiras mais conhecidas no território nacional. No Maranhão, esta manifestação cultural ganha grandes proporções...

Elza Soares eternizada na região da Paulista

Em parceria, a Fibra Experts e a Brookfield realizam intervenção artística memorável na região da Paulista. No edifício ao lado do Passeio Paulista, projeto...
-+=