Em Dia Mundial, ONU reforça apelo pelo fim do trabalho infantil

Enviado por / FonteDa ONU News

Este 12 de junho marca o Dia Mundial contra o Trabalho Infantil sob o lema “Justiça social para todos. Acabe com o trabalho infantil!’. A data tem como objetivo impulsionar o combate à prática que afeta crianças em todo o mundo.

A Organização Internacional do Trabalho, OIT, defende a criação de uma Coalizão Global por Justiça Social. A iniciativa terá como uma de suas prioridades a eliminação do trabalho infantil.

“É triste ser escravizado”

A ONU News ouviu Marinaldo Santos, de Pindaré-mirim, no estado do Maranhão, no Brasil. Ele foi vítima do trabalho escravo aos 16 anos.

Ele contou que começou a trabalhar, ao lado do pai, aos 10 anos na agricultura e coleta de coco, para “ajudar a conseguir o sustento da família”. Com 16 anos, foi buscar trabalho fora de casa em fazendas da região.

“Comecei a trabalhar numa fazenda e infelizmente eu fui vítima do trabalho escravo, por duas vezes. E foi muito triste, muito sofrido. É triste ser escravizado. É triste não estudar. Eu tenho certeza de que a maior facilidade para que eu tenha sido escravizado é por eu não ter estudo.”

Educação como prevenção

Santos relata que não havia escola na cidade de Monção, no interior do Maranhão, onde nasceu. Ele e os nove irmãos cresceram “trabalhando na roça.”

“Sendo escravizado, eu fiquei muito decepcionado com essa situação. E aí, quando eu fui conhecido como escravo, foi uma tristeza muito grande para mim. Ser escravizado é muito triste. E eu acho que a gente começando a trabalhar desde a infância e não estudar, a gente pode alcançar o que eu alcancei, que foi ser vítima do trabalho escravo.”  

De acordo com a OIT, Marinaldo foi resgatado aos 30 anos de idade.

Com apoio de um centro de defesa de direitos humanos, Marinaldo Santos recebeu acompanhamento e conseguiu se dedicar aos estudos.  Ele se tornou um ativista e coopera em atividades da Organização Internacional do Trabalho, no Brasil.

Compromisso com justiça social

O Escritório de Direitos Humanos das Nações Unidas ressalta que, em nível global, 50 milhões de pessoas ainda trabalham em formas análogas à escravidão.

A OIT realiza um evento paralelo de alto nível durante a 111ª Sessão da Conferência Internacional do Trabalho, em 12 de junho, para marcar o Dia Mundial contra o Trabalho Infantil.

O evento tem como objetivo explorar a conexão entre a justiça social e a erradicação do trabalho infantil.

Os participantes discutirão o progresso feito pelos países membros da OIT no cumprimento de seus compromissos, enfatizando como esses esforços contribuem para o avanço da justiça social.

+ sobre o tema

Hoje na História: Declaração dos Direitos Humanos faz 70 anos

Confira a íntegra dos 30 artigos da declaração, documento...

Raoni: “Nós estamos com muito medo. Logo, vocês também estarão”

O The Guardian publicou um artigo do cacique Kayapó Raoni...

para lembrar

Emma Watson faz discurso por igualdade de direitos na ONU

Atriz foi responsável por lançar campanha da entidade em...

ONU faz oficina de gênero, raça e etnia no 34º Congresso Nacional dos Jornalistas

 Além da participação no evento, UNIFEM-ONU Mulheres propõe parceria...

Agências da ONU divulgam nota sobre PEC 181/15

Agências das Nações Unidas no Brasil manifestaram no domingo...

“Temos de lembrar que crimes de ódio são precedidos por discurso de ódio”, diz Adama Dieng

O Conselheiro Especial para a Prevenção do Genocídio da...
spot_imgspot_img

O precário e o próspero nas políticas sociais que alcançam a população negra

Começo a escrever enquanto espero o início do quarto e último painel da terceira sessão do Fórum Permanente de Pessoas Afrodescendentes, nesta semana na...

Líderes da ONU pedem mais ação para acabar com o racismo e a discriminação

Esta terça-feira (16) marcou a abertura na ONU da terceira sessão do Fórum Permanente de Afrodescendentes, que reúne ativistas antirracismo, pessoas defensoras dos direitos...

Brasil finalmente considera mulheres negras em documento para ONU

Finalmente o governo brasileiro inicia um caminho para a presença da população afrodescendente no processo de negociação de gênero na Convenção-Quadro das Nações Unidas...
-+=