Em livro, pesquisadores desmistificam suposta ausência de negros na Amazônia

por Monica Prestes

Obra produzida por 13 pesquisadores relata a influência da presença negra na literatura, na educação e nas manifestações culturais da região

Pesquisas inéditas e pioneiras sobre comunidades quilombolas, escravidão, alforrias, fugas escravas, a influência negra na literatura e na educação, festejos e manifestações culturais e racismo são abordadasno livro “O Fim do silêncio: presença negra na Amazônia”, obra coletiva que reúne 13 pesquisadores e uma perspectiva renovada sobre a influência dos negros na região.

“O livro é resultado de anos de pesquisa e meses de trabalho na organização dos temas. Ele vem para desmistificar um discurso secular de que na Amazônia não existiram negros nem escravidão e dar fim a esse silêncio. A presença negra é efetiva, significativa e marcou a história da nossa região, nos ajudando a desvendar o passado e entender o presente”, conta a historiadora Patrícia Melo Sampaio, organizadora da publicação.

Pesquisa

O livro, de 312 páginas, é resultado dos trabalhos finais de curso dos alunos das turmas de mestrado/doutorado em Sociedade e Cultura na Amazônia e de mestrado em História da Universidade Federal do Amazonas (Ufam), e foi produzido com apoio financeiro da Fundação de Amparo à Pesquisa do Amazonas (Fapeam) e do CNPq.

A obra, que foi construída ao longo do ano passado e organizada este ano, reúne pesquisadores de diferentes níveis, de alunos de mestrado a doutores em história, destacou Patrícia.

O grupo de pesquisa de História indígena e Escravidão africana na Amazônia, criado pela historiadora em 2000, também fundamentou as pesquisas, conta ela. “É um livro que tem muitas facetas e trata de diferentes aspectos da presença negra na Amazônia. Ele é resultado de uma ampla e sólida pesquisa e vai além do discurso.”

Revelações

Parte importante da história negra na Amazônia deve ser recontada a partir das pesquisas apresentadas no livro, disse Patrícia. A alforria escrava no Amazonas, tema do estudo do historiador Provino Pozza Neto, é uma delas. De acordo com a organizadora da obra, Neto revela informações de cartórios de Manaus que desvendam o mito de que a elite do Amazonas era a mais abolicionista do Brasil.

“Pelo contrário, a pesquisa mostra que 60% das alforrias de negros do Amazonas foi paga pelos próprios escravos, a maioria mulheres que trabalharam a vida inteira e guardaram recursos para comprar sua liberdade. Isso desmistifica um discurso de ideal abolicionista da sociedade amazonense”, apontou.

Outra pesquisa inédita presente na obra foi produzida pelo pesquisador Ygor Cavalcante. No capítulo “Fugido, ainda que sem motivo”, ele relata como famílias inteiras de escravos usavam o Amazonas como uma rota de fuga do Pará, atravessando áreas de várzea, desbravando a floresta e cortando rios, até chegar a Manaus ou à fronteira com o Peru.

Autores

Participam do livro os autores Ygor Olinto Rocha Cavalcante, que conta histórias de escravidão, liberdades e fugas no Amazonas imperial, Provino Pozza Neto, que trata das alforrias, Luís Carlos Bonates, relatando a história da Capoeira no Amazonas, Emmanuel de Almeida Farias Júnior, pesquisador dos quilombolas, e Maria José Nunes, no capítulo sobre negros e mulatos na selva.

As manifestações culturais também são retratadas por Sérgio Ivan Gil Braga, nas ‘danças e andanças’ negras, Jamily Souza, que conta a história da festa de São Benedito e Sidney Barata, que relata as experiências da cultura hip-hop. Por fim, os pesquisadores Arlete Anchieta e Gláucio Gama relatam a presença de estudantes universitário negros, enquanto Ednailda Santos fala dos docentes negros na Ufam.

A obra teve lançamento neste domingo, no Museu Amazônico, na rua Ramos Ferreira, Centro.

Fonte: A Critica

+ sobre o tema

Duas médicas explicam porque aceitaram o Mais Médicos

Duas médicas do grupo de 45 profissionais que passará...

Fármaco brasileiro mostra bons resultados contra anemia falciforme

Por Karina Toledo Agência FAPESP – Um fármaco...

Maria da Ilha, um retrato da catarinense Antonieta de Barros em crônicas

Professora e política, ela também fundou jornais e escreveu...

Vamos para onde os brasileiros não vão, diz cubano vaiado por médicos

Um dos médicos cubanos vaiados na noite de...

para lembrar

Zumbi é homenageado em cavalgada pela liberdade

Doze horas a cavalo pelas serras da Barriga...

ONU aprova Década do Afrodescendente a partir de 2013

Luciano Nascimento Repórter da Agência Brasil Brasília - O ano de...

HILTON COBRA – Novo Presidente da Fundação Palmares

Hilton Cobra, é o novo  presidente da Fundação Cultural...

Plano Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais de Matriz Africana

A íntegra da política já está disponível para download. Lançado...
spot_imgspot_img

João Cândido e o silêncio da escola

João Cândido, o Almirante Negro, é um herói brasileiro. Nasceu no dia 24 de junho de 1880, Encruzilhada do Sul, Rio Grande do Sul....

Levantamento mostra que menos de 10% dos monumentos no Rio retratam pessoas negras

A escravidão foi abolida há 135 anos, mas seus efeitos ainda podem ser notados em um simples passeio pela cidade. Ajudam a explicar, por...

Racismo ainda marca vida de brasileiros

Uma mãe é questionada por uma criança por ser branca e ter um filho negro. Por conta da cor da pele, um homem foi...
-+=