sexta-feira, outubro 7, 2022
InícioQuestões de GêneroMulher NegraEm São Vicente, mulheres participam da 1ª Marcha das Pretas

Em São Vicente, mulheres participam da 1ª Marcha das Pretas

Um grupo de mulheres da Baixada Santista se reuniu na Praça Coronel Lopes, em São Vicente, para chamar a atenção das autoridades para o preconceito que sofre a mulher negra. Durante a manifestação, denominada a 1ª Marcha das Pretas, elas celebraram o Dia da Mulher Negra Latino-americana e Caribenha, lembrado nesta segunda-feira.

“Ainda hoje, as mulheres negras sofrem com o machismo e o racismo. Elas têm dificuldade para entrar e se manter no mercado de trabalho. Não recebem os mesmo salários das mulheres brancas nem têm as mesmas condições de trabalho.

Por isso, o nosso principal objetivo era fazer uma manifestação cultural que lembrasse essa data e conscientizasse as pessoas sobre o racismo e o machismo”, afirma Andreia das Graças, do Educafro (projeto que tem como missão incluir a população negra e pobre nas universidades), e uma das organizadoras da manifestação.

O nome Marcha das Pretas, escolhido a dedo pelas organizadoras, tem como objetivo desassociar a palavra preta de significados preconceituosos, ligação que a maioria dos brasileiros ainda faz, como mostra a pesquisa do IBGE.

“A palavra preta tornou-se pejorativa, mas não deve ser. Ela é associada à dor, preconceito e escravidão, porque esse é o único histórico que conhecemos. Mas, isso precisa mudar. Sou contra essa história de não poder chamar de preta. Tenho muito orgulho de ser preta. A cor preta é tão bonita quanto a branca. O cabelo crespo é tão bonito quanto o liso e as mulheres devem se orgulhar disso”.

Outra reivindicação é a implementação da Lei 10.639, de 2003, que obriga todas as escolas a ensinarem a história da África, e não somente sob o aspecto da escravidão.

“Essa luta nossa é antiga. A real implementação da Lei 10.639 ajudaria a transformar o pensamento das pessoas que ainda associam os negros aos maus exemplos. Nós, por exemplo, somos descendentes de africanos e não de escravos”.

A conselheira estadual do Conselho de Participação e Desenvolvimento da Comunidade Negra do Estado, Aglai Viriato, que participou da Marcha, diz ser “importante chamar a atenção de todos os órgãos e autoridades competentes para a realidade das mulheres negras. O Estado precisa entrar nas comunidades e descobrir suas necessidades. Só assim será capaz de promover políticas públicas de qualidade”.

No total, cerca de 200 pessoas enfrentaram a chuva e o frio para participar da 1ª Marcha das Pretas, que também contou com falas de mulheres militantes e apresentação do Balé Afro de São Vicente. A marcha teve apoio da Casa de Cultura da Mulher Negra de Santos, Instituto Menina Mulher de Guarujá e Assessoria Especial de Assuntos da Mulher de São Vicente.

Fonte: A Tribuna

Artigos Relacionados
-+=
PortugueseEnglishSpanishGermanFrench