Em trabalho inédito, fotógrafa revela 102 histórias de amor entre mulheres

“Durante a pandemia, eu estava estudando temas LGBTs e senti um apagamento muito grande da história das mulheres. Não encontrei relatos, não encontrei histórias, e assim surgiu a ideia do Documentadas”, explica a fotógrafa e comunicadora visual Fernanda Piccolo, de 25 anos, idealizadora da plataforma.

Lançada há um ano e meio, o Documentadas é a primeira base de registro e de documentação do amor entre mulheres do mundo. “Esse projeto vai na contramão de muita coisa. A gente fala de amor num momento de ódio. E vive algo mais calmo num momento de coisas aceleradas de TikTok. O Documentadas é uma escuta, uma conversa”, fala Fernanda.

Até o momento, o projeto já registrou mais de 102 histórias reais de 204 mulheres lésbicas e bissexuais em todo o Brasil. As fotos e os relatos dos casais são publicados no Instagram e no site, o www.documentadas.com.

Além de representatividade, os dois canais fomentam o networking entre mulheres. No site, por exemplo, além da ferramenta de busca por cidade, a troca de mensagens diretas é facilitada.

“Semana passada eu estava em Rio das Ostras (RJ), e documentei duas mulheres de 50 anos, que são duas professoras de escola pública, vivendo um amor maravilhoso e se descobrindo através dele. Esse amor é muito revolucionário. Descobrir esses olhares através do Documentadas e descobrir tudo o que a gente pode ser é muito importante.”

“É uma mulher amando outra mulher e aquilo o que estão fazendo é revolucionário. Documentar isso na essência, quem elas são de verdade ali, é incrível”, diz a fotógrafa Fernanda Piccolo. No registro para a plataforma Documentadas, o casal Lari e Thaty (Foto: Fernanda Piccolo)

O trabalho de Fernanda, aliás, é intrinsecamente ligado à sua vida pessoal.

Nascida em Criciúma, cidade no extremo sul de Santa Catarina e que hoje tem pouco mais de 200 mil habitantes, ela saiu de casa cedo, aos 16 anos, e se mudou para Porto Alegre.

Na capital gaúcha, um “oásis”, ela entendeu que além da faculdade de fotografia e comunicação visual, também podia viver plenamente sua sexualidade.

A fotógrafa catarinense Fernanda Piccolo, 25, idealizadora da plataforma “Documentadas”, que registra histórias reais de amor entre mulheres (Foto: Reprodução/Instagram)

“Sou de uma cidade do interior, e eu acho que isso era uma questão pra mim, ser de uma cidade muito pequena gostando de mulheres. Fico com mulheres desde os 14 anos, desde quando comecei a me entender enquanto gente. Na primeira oportunidade que eu tive de sair de Criciúma, eu saí. Eu não ia conseguir ser o que eu era lá. Hoje em dia eu faço questão de voltar com o Documentadas em cidades menores justamente para que o Documentadas tenha essas representações.”

Depois de viver cinco anos em Porto Alegre, a fotógrafa se mudou para o Rio de Janeiro, onde mora há quatro.

“Se existisse uma Fernanda na cidade dela, com 15 anos de idade, e ela entrasse num Documentadas, por exemplo, ela poderia chegar à barrinha de pesquisa do site, colocar ‘Criciúma’, e achar histórias de mulheres lá de Criciúma. E ia ver que ela não tava sozinha lá. E ver que existem mulheres que se amam, são felizes, e vivem uma vida completamente digna juntas. Ela veria que é possível ser uma mulher lésbica naquela cidade, e não precisaria sair, ir pra uma capital, e enfrentar tudo o que enfrentou sozinha. Eu acho que representatividade é muito importante”, comenta a fotógrafa, sobre o trabalho visceral que realiza.

“Agora eu tento voltar, levar o Documentadas pra casa”, pontua Fernanda, que pretende, em breve, amplificar o alcance da plataforma publicando os registros em livro, vídeo-documentário e podcast.

+ sobre o tema

“O protagonismo feminino veio para ficar” por Benedita da Silva

Em artigo para a Fórum, deputada federal afirma que...

As cenas de sexo que ‘ninguém quer ver’

Um casal prestes a comemorar um importante aniversário de...

Mais de 120 mil mulheres são donas do próprio negócio no DF

Segundo levantamento do Sebrae, o DF é a segunda...

Pornografia de vingança

No fim da tarde de sexta-feira , o vice-presidente...

para lembrar

Mulheres negras felizes e sorrindo: é esse o Brasil que eu quero

Quem acompanha os textos que escrevo aqui na coluna...

Homofobia mata, inclusive quem não é LGBT

O filho da cantora Walkyria Santos, Lucas, que tinha...

Encontro das águas: precisamos falar sobre afetividade

O sistema escravocrata e as divisões raciais criaram condições...

“A chapa 11 é o direito à voz e a vez das advogadas negras”, diz Raquel Preto

Raquel Preto compõe como tesoureira a chapa "Coragem e...
spot_imgspot_img

Ainda tenho esperança

Gostaria de expressar meus sentimentos a todos que como eu, não desistiram de lutar.Os sentimentos que estou expressando, são sentimentos de orgulho e admiração!De...

Os efeitos dos Afetos

Do colo nos desprazeres  Nós mulheres sabemos que desde os primórdios é exigido de nós empatia e projeção do amor constante, não só nos responsabilizando...

Cuidado não é tarefa de mulher

O que é "cuidado" para você? Mulheres negras, sejam cis, trans ou travestis, talvez tenham uma resposta mais complexa. Existe o tempo de ser cuidada. Para...
-+=