Enviado ao STJ, caso Marielle passa a ter dois eixos de apuração: executores e mandantes

Enviado por / FontePor Elijonas Maia, da CNN

PF terá uma investigação federalizada na Corte Superior e outra continua no Rio de Janeiro conduzida pela força-tarefa

O caso da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes, assassinados em 2018, foi dividido em dois eixos. Uma parte segue no Rio de Janeiro, mas outra foi enviada para o Superior Tribunal de Justiça (STJ), onde terá uma investigação separada e federalizada.

No Rio, a força-tarefa composta por Polícia Federal e Ministério Público do Estado continua a conduzir o caso na apuração dos executores do crime.

Já no STJ, que avocou uma parte do caso, a investigação –essa apenas da PF– passa a focar nos mandantes do duplo assassinato.

Vídeo: Veja os novos fatos e personagens do assassinato de Marielle Franco

“Em relação ao caso Marielle, houve uma decisão do STJ, pegando parte da investigação. A polícia judiciária do STJ é a Polícia Federal. Então essa parte está inequivocamente federalizada na medida em que o órgão que atua é a Polícia Federal. Isso não encerra as investigações no Rio de Janeiro. Agora as investigações têm dois eixos: o eixo na cadeia de execução e o outro eixo na cadeia de mandantes e autores mediatos”, detalhou à CNN o ministro da Justiça e Segurança Pública, Flávio Dino.

Parte do caso foi enviado ao STJ por conta da ligação com o conselheiro do Tribunal de Contas do Estado do Rio Domingos Brazão, conforme adiantou o analista da CNN Leandro Resende.

Brazão é ex-deputado estadual e chefe de um clã político com atuação destacada na zona oeste da capital fluminense.

A reportagem confirmou que ele foi citado na colaboração premiada do ex-PM Élcio Queiroz e em mensagens apreendidas pelos investigadores da Polícia Federal. Essa parte da delação está sob sigilo.

Pela Constituição, no artigo 105, é competência do STJ investigar casos envolvendo conselheiros de tribunais de contas.

“A competência do STJ é delimitada pela Constituição. Da forma que o artigo 102 confere as competências do STF, o artigo 105 confere as do STJ. Como existe essa previsão de julgamento de membros dos conselhos, na medida em que foi mencionado um conselheiro do TCE-RJ, o STJ foi obrigado, em cumprimento à Constituição, a avocar o inquérito para fazer a investigação”, explicou à CNN o advogado Leonardo Ranña, especialista em processos de tribunais superiores.

O conselheiro Brazão nega qualquer envolvimento com o caso Marielle-Anderson.

+ sobre o tema

Após casos de estupro e violência, promotora vai intimar organizadores de festas na USP a depor

Após desistirem de prestar esclarecimentos espontaneamente ao Ministério Público...

Meu corpo, minhas marcas, minha história

Cicatrizes. 23 anos. 30 janeiro de 2010. Neste dia...

Você pode ajudar o cinema brasileiro feito por mulheres negras

A equipe pretende ir à Moçambique no início de...

Primeira vereadora trans de Niterói deixa o país após ser alvo de ameaças

A vereadora Benny Briolly (PSOL), primeira parlamentar trans eleita...

para lembrar

“Chega de eunucos”: um teólogo do Vaticano defende o casamento dos padres

Sabe-se lá como o papa vai responder à carta que...

Entenda por que o vagão feminino não é a solução

Com a finalidade de resolver a questão da violência...

‘Muro das Humilhadas’: Mulheres contam experiências horríveis de humilhação e assédio

Alguns dos comentários são de maridos e namorados. Por Natasha Hinde,...
spot_imgspot_img

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Moraes libera denúncia do caso Marielle para julgamento no STF

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), liberou nesta terça-feira (11) para julgamento a denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR) contra...
-+=