Escola LGBT brasileira oferece cursos para valorizar diversidade

Fundador da primeira escola LGBT do Brasil, localizada em Campinas (SP), o jornalista Deco Ribeiro não concorda com a criação de instituições de ensino voltadas exclusivamente para atender travestis e transexuais, como é o caso de um colégio de ensino médio criado este ano na Argentina. “Isso acaba excluindo essas pessoas da sociedade, já que ficam restritas a um grupo, um local”, afirma ao destacar que o trabalho desenvolvido há 3 anos no interior de São Paulo tem como objetivo valorizar a diversidade sexual por meio de cursos técnicos com enfoque na cultura.

Por: ANGELA CHAGAS

“No começo, muita gente questionou o nosso trabalho, achando que a escola LGBT também era voltada apenas para os gays. Mas nós acreditamos que isolar essa população não é o caminho”, diz ele. A instituição criada em Campinas tem foco na população LGBT, mas Ribeiro garante que é aberta a todos. “Temos alunos heterossexuais, que gostam muito de estar aqui. O mais positivo desse trabalho é que as pessoas tomam contato com esse universo, fazem amigos e isso evita o preconceito, que nada mais é do que a falta de conhecimento”. Já no caso da Argentina, a escola popular Mocha Celis oferece o ensino médio para travestis e transexuais que, segundo os fundadores da instituição, acabam desistindo de estudar porque não são aceitos nas escolas tradicionais.

A instituição brasileira surgiu a partir de um convênio entre a ONG E-Jovem, o governo do Estado de São Paulo e o Ministério da Cultura, que financia o projeto. Oferecendo cursos técnicos gratuitos e com duração de até três anos, a grade curricular conta com oficinas que se dividem em três áreas: expressão artística (dança, música e performance Drag Queen), expressão cênica (Web TV, teatro e cinema) e expressão gráfica (fanzine, revista e livro). Ao longo dos três anos de funcionamento, mais de 200 pessoas participaram dos cursos.

O fundador da instituição conta que a ideia inicial era oferecer para a juventude LGBT um espaço para que pudessem se expressar. “Um espaço de diversidade, de inclusão, que eles não encontram na escola tradicional”, afirma. Para a surpresa do fundador, o interesse foi tão grande que hoje a escola tornou-se aberta para toda a população da região interessada na diversidade cultural. “Todos passaram a se sentir seguros aqui, confiantes em expressar seu talento, sua criatividade”.

Para Ribeiro, a iniciativa estimula que os jovens LGBT percam o medo de assumir sua identidade. “Aqui dentro, o jovem percebe que não é o único, que existem outras pessoas que já passaram e superaram os mesmos preconceitos. Essa troca de experiências, de conhecimentos, faz com que voltem para a escola, para o trabalho, mais seguros e confiantes”, afirma. A instituição ainda faz questão de divulgar todo o trabalho desenvolvido nos cursos, com espetáculos de dança, teatro, vídeos, revistas e livros. “Levar esse trabalho para a população de São Paulo é mais uma forma de incluir a população LGBT na sociedade”, completa Ribeiro.

 

 

Fonte: Terra

+ sobre o tema

Gritem-me Negra!

Projeto especial para a semana da Consciência Negra aproveita...

Covas sanciona lei que cria Praça Marielle Franco em São Paulo

O prefeito Bruno Covas (PSDB) sancionou nesta terça-feira (28)...

Estereótipos sexistas também prejudicam os homens

Gostei muito deste artigo que Flávio Moreira (autor de...

Casal gay diz ter sido demitido do trabalho após oficializar união em GO

Jovens contam que sempre foram vítimas de chacotas: 'Preconceito'. Empresa...

para lembrar

Homem é preso sob acusação de violência sexual no metrô de SP

Um homem foi detido na última quarta-feira, 13, após...

Marlene Jennings

Marlene Jennings, nascida em 10 de novembro de 1951...

Após repórter, editora do caso de assédio contra Biel também é demitida do iG

Pouco mais de uma semana após a demissão da repórter que...

Canditada transexual causa polêmica em concurso para eleger Miss Canadá

Ninguém pediu ao magnata Donald Trump, produtor do concurso...
spot_imgspot_img

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...

Como poluição faz meninas menstruarem precocemente

Novas pesquisas mostram que meninas nos EUA estão tendo sua primeira menstruação mais cedo. A exposição ao ar tóxico é parcialmente responsável. Há várias décadas, cientistas ao redor do...

Leci Brandão recebe justa homenagem

A deputada estadual pelo PC do B, cantora e compositora Leci Brandão recebe nesta quarta (5) o Colar de Honra ao Mérito Legislativo do...
-+=