Estudo: 40% dos soldados israelenses gays sofrem assédio

Quase metade dos homossexuais e das lésbicas do Exército israelense sofrem  durante o serviço militar, segundo um estudo divulgado nesta terça-feira.

O relatório, elaborado pela Organização da Juventude Gay de Israel, aponta que 40% dos consultados sofreram abusos verbais e 4% passaram também por agressões físicas, de acordo com o jornal israelense Ha’aretz.

Segundo 45% dos participantes do estudo, os comentários homofóbicos são frequentes ou muito frequentes nas unidades do Exército, número que cresce para 59% nos corpos de combate.

O estudo foi elaborado a partir de um questionário a 364 soldados gays e lésbicas que realizam atualmente ou finalizaram em 2010 o serviço militar obrigatório, de três anos para os homens e dois para as mulheres em Israel.

Apesar de 63% dos consultados afirmar que seu entorno na vida civil conhece sua condição de homossexual, apenas 32% a tinha comunicado a seus companheiros ou superiores no Exército, o que demonstra sua percepção que não é um ambiente no qual sua orientação sexual seja aceita.

O relatório indica também que, nos últimos anos, o Exército israelense tomou medidas para melhorar a situação de soldados homossexuais e lésbicas.

Consultado pela agência Efe, um porta-voz do Exército se recusou a comentar os resultados da pesquisa por não se tratar de um estudo interno.

“Cabe destacar que todas as denúncias de maus-tratos recebidas no Exército são administradas de forma apropriada. O Exército recruta todos seus soldados de acordo com suas capacidades e independentemente de sua orientação sexual”, considerou o porta-voz.

 

Fonte: Terra

+ sobre o tema

Brasil tem movimentos de mulheres mais estruturados do mundo, diz pesquisadora

Organizadora do recém-lançado 50 anos de feminismo – Argentina, Brasil e...

Filmes LGBT com protagonistas Negros

Uma coisa bem difícil é a representatividade negra na...

A ‘disparidade de aspiração’ que mulheres sofrem no mercado de trabalho

A disparidade de gênero em termos de salário, cargos...

para lembrar

spot_imgspot_img

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Justiça brasileira não contabiliza casos de homotransfobia, cinco anos após criminalização

O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homotransfobia há cinco anos, enquadrando o delito na lei do racismo —com pena de 2 a 5 anos de reclusão— até que...

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...
-+=