ONU aprova resolução histórica sobre direitos LGBT

Reunido em Genebra, o Conselho dos Direitos Humanos das Nações Unidas aprovou sexta-feira um documento que proclama “tolerância zero” contra qualquer forma de discriminação ou violência com base na orientação sexual. Resolução apresentada pela África do Sul foi aprovada com 23 votos a favor (incluindo os EUA, o Brasil e países da União Europeia e da América Latina), 19 contra (países árabes e alguns africanos) e três abstenções.

Esquerda.net

O momento é histórico, ou não fosse esta a primeira resolução de defesa de direitos LGBT (lésbicas, gays, bissexuais e trangêneros) a ser aprovada pela Organização das Nações Unidas (ONU). Depois de anos de tentativas, o Conselho de Direitos Humanos proclamou a “tolerância zero” contra qualquer forma de discriminação ou violência com base na orientação sexual e pediu aos países membros que intervenham para acabar com estes abusos.

Reunido em Genebra (Suíça), o Conselho de Direitos Humanos da organização aprovou – com 23 votos a favor (incluindo os EUA, o Brasil e países da União Europeia e da América Latina), 19 contra (países árabes e alguns africanos) e três abstenções – uma resolução destinada a promover a igualdade de homens e mulheres sem distinção de orientação sexual.

O documento foi apresentado pela África do Sul e gerou um intenso debate entre os membros do Conselho, que é atualmente presidido pela Nigéria – que votou contra e que continua a ser um dos países mais discriminatórios quanto à orientação sexual dos seus cidadãos. Um dos pontos da polêmica teve a ver com a clarificação da noção de orientação sexual.

No documento lê-se que “todos os seres humanos nascem livres e iguais no que diz respeito à sua dignidade e aos seus direitos e cada um pode beneficiar do conjunto de direitos e liberdades (…) sem nenhuma distinção”.

Na resolução, o Conselho pede ainda um estudo sobre as leis discriminatórias nacionais e sobre a violência em vários países contra pessoas pela sua orientação sexual. Será criado um grupo de trabalho intergovernamental “para permitir uma discussão transparente” sobre a orientação sexual e identidade de gênero, que será dirigido pelo Alto Comissário Navanethem Pillay.

Como o texto reclama “tolerância zero” contra qualquer tipo de abuso com base na orientação sexual, a resolução descreve o problema como “uma prioridade”.

O diplomata sul-africano Matjila Erry deixou claro que “não procura impor valores” a qualquer país, mas reafirmar que “os direitos são para todos”. Eileen Chamberlain, representando a delegação dos EUA, argumentou “que qualquer ser humano merece ser protegido da violência”, acrescentando que “o direito de escolher a quem amamos é sagrado”, cita o El País.

Fonte: Carta Maior

+ sobre o tema

Mulheres pretas que movimentam #10 – Silvana Bahia

Coordenadora de comunicação do Olabi, mestranda em Territorialidades na UFF,...

Sabrina Vechi, a mais nova vítima de feminicídio no Brasil

Feminicídio: Sabrina Vechi foi assassinada pelo marido no dia...

para lembrar

Vítimas de assédio sexual online têm idade média de 10 anos, diz ONG

A ONG Think Olga, que participou nesta terça-feira (16) de...

ONU lembra lutas antirracistas e feministas no Dia da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha

Esse encontro ficou marcado na história e foi reconhecido...

Enegrecendo as redes: O ativismo de mulheres negras no espaço virtual

O presente artigo aborda os contornos que o feminismo...
spot_imgspot_img

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Justiça brasileira não contabiliza casos de homotransfobia, cinco anos após criminalização

O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homotransfobia há cinco anos, enquadrando o delito na lei do racismo —com pena de 2 a 5 anos de reclusão— até que...

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...
-+=