Estudo mostra que maioria da população paraense é formada por negros

Estado colonizado por portugueses, negros e índios, o Pará fechou a primeira década do século XXI com uma população em que os negros representam a maioria, com mais de 76% do total de habitantes, número registrado pelo Censo 2010, realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Nesta segunda-feira (19), véspera do Dia Nacional da Consciência Negra, foi divulgado um estudo sobre o perfil do negro paraense, baseado nos dados sobre essa população no Estado, realizado pelo Instituto de Desenvolvimento Econômico, Social e Ambiental do Pará (Idesp), em parceria com o Centro de Estudos e Defesa do Negro no Pará (Cedenpa).

Segundo o estudo, em termos percentuais o Pará tem o maior número de negros em todo o país, e em números absolutos ocupa a quinta posição. No entanto, mesmo sendo a maior parcela da população, os negros ainda sofrem com o tratamento desigual. O estudo aponta que trabalhadores negros recebem 60% menos do que os brancos.

O IBGE utiliza a metodologia de autodeclaração para contabilizar os habitantes por raça/cor. Desse modo, a população brasileira pode ser classificada em brancos, pretos, pardos, amarelos e indígenas. O Censo registra ainda aqueles que não declararam sua raça/cor (Sem Declaração).

O trabalho do Idesp e do Cedenpa agrega os grupos pretos e pardos em uma única categoria, a raça negra. Os pesquisadores entendem que a maioria dos pardos tem ascendência africana, além de existirem proximidades estatísticas, em termos de indicadores socioeconômicos, entre os dois grupos.

No Brasil, em 2010, considerando-se uma população de 190 milhões de pessoas, os negros já somavam 96.795.294 – mais de 50% do total de habitantes do país. No Pará, o percentual superior a 76% de negros é bem maior que a média nacional, e representa quase 5,9 milhões de pessoas em uma população superior a 7,5 milhões.

Nas 12 Regiões de Integração do Pará – espaços com semelhanças de ocupação, nível social e dinamismo econômico, nos quais os 144 municípios formam grupos que mantém a integração entre si, física e/ou economicamente -, os negros são maioria. A maior proporção é observada na Região de Integração Rio Caeté (nordeste do Estado), onde os negros totalizam mais de 82% da população. A região com menor percentual, porém não menos expressivo, é a do Tapajós (no oeste), com uma população negra superior a 70%.

Rendimentos – O Censo de 2010, realizado quando o Salário Mínimo era R$ 510,00, aponta que, em se tratando de rendimentos, a situação do Pará é inferior à renda média nacional, principalmente para os negros. Enquanto o rendimento médio de um trabalhador branco, no país, é de R$ 1.019,65, no Pará a média é de R$ 665,42. Para o trabalhador negro, a situação é ainda mais desigual. No Brasil, a média de rendimentos é de R$ 517,44 para esse segmento, e no Pará fica em R$ 405,24.

Ao analisar os dados conforme o gênero, o resultado é mais preocupante. Enquanto no país a mulher branca recebe remuneração de R$ 745,73 – valor superior até ao recebido pelo homem negro -, a mulher negra ganha em média R$ 387,89. No Pará, segundo o estudo, as trabalhadoras brancas recebem R$ 485,69, e as negras ganham R$ 292,51.

Nas Regiões de Integração a maior diferença ocorre na Metropolitana (formada por Belém e mais cinco municípios), com a população branca recebendo R$ 409,67 a mais do que os negros. Na Região de Integração Marajó a diferença é de apenas R$ 44,94. As duas regiões apresentam, respectivamente, a maior e a menor renda média do Estado.

Educação – Em relação à educação, os números analisados sobre pessoas com 15 anos ou mais, não alfabetizadas, indicam que há mais de 15 milhões de analfabetos no Brasil, o equivalente a 10,46% da população. Entre os negros, esse percentual sobe para 14, 30% (10.302.667 pessoas), e entre os brancos fica em 6,47% (4.563.880 pessoas). No Pará, entretanto, estas taxas estão mais próximas. A taxa de analfabetismo geral chega a 12,60% – 13,46% de negros e 9,32% de brancos.

De acordo com os dados sobre desigualdade educacional por raça nas Regiões de Integração, em todos os casos existe um maior número de analfabetos negros em relação aos brancos. A Região com maior percentual de analfabetos é a do Marajó, com 24,18%. Entre os negros, o percentual é de 25,14%, e entre os brancos, 19,45%. A Região de Integração com menor número de não alfabetizados é a Metropolitana, que atingiu o percentual geral de 3,84%. Entre os negros, os analfabetos chegam a 4,19%, e entre os brancos, 2,86%.

O estudo sobre o perfil do negro no Pará, elaborado pelo Idesp e Cedenpa, visa colaborar para a sistematização de ações que contribuam para o desenvolvimento da sociedade paraense, a partir de uma maior conscientização dos problemas que atingem a população negra, permitindo que instituições oficiais e não governamentais possam trabalhar com o objetivo de encontrar soluções para o cenário atual.

Texto:
Fernanda Graim – Idesp
Fone: (91) 3321-0644 / (91) 8207-4334
Email: [email protected]

Instituto de Desenvolvimento Econômico, Social e Ambiental do Pará
Rua Municipalidade, 1461, esquina com a Tv. D. Pedro I. CEP: 66050-350.
Fone: (91) 3321-0630 / 0665
Site: www.idesp.pa.gov.br Email: [email protected] / [email protected]

+ sobre o tema

Deputada Leci Brandão Propõe a criação da Semana Estadual do Hip-Hop

    De acordo com o Projeto de Lei 306/2012 ,...

Câmara realiza homenagem ao Professor Eduardo de Oliveira

Sessão solene realizada em comemoração aos 86 anos do...

Ministra da igualdade racial participa de caminhada contra intolerância religiosa no Rio

Mobilização reuniu no domingo (16), milhares de candomblecistas, católicos,...

para lembrar

Cearense no comando nacional da Cufa

Em solenidade no Theatro José de Alencar, o rapper...

Entrevista da Ministra Luiza Bairros ao jornal Fêmea

Assista e divulgue o vídeo com a entrevista da...

I Oficina de Direito Sacerdotal das Religiões de Matriz Africana em Londrina

I OFICINA DE DIREITO SACERDOTAL DAS RELIGIÕES DE MATRIZ...

Desafios da Militância em Brasília e Roteiro Cultural Candango

Desafios da Militância em Brasília e Roteiro Cultural...
spot_imgspot_img

João Cândido e o silêncio da escola

João Cândido, o Almirante Negro, é um herói brasileiro. Nasceu no dia 24 de junho de 1880, Encruzilhada do Sul, Rio Grande do Sul....

Levantamento mostra que menos de 10% dos monumentos no Rio retratam pessoas negras

A escravidão foi abolida há 135 anos, mas seus efeitos ainda podem ser notados em um simples passeio pela cidade. Ajudam a explicar, por...

Racismo ainda marca vida de brasileiros

Uma mãe é questionada por uma criança por ser branca e ter um filho negro. Por conta da cor da pele, um homem foi...
-+=