Exame de DNA inocenta americano quase 50 anos após acusação de estupro

Enviado por / FonteDa Folha de São Paulo

Exame de DNA inocenta americano quase 50 anos após acusação de estupro

Um americano de 72 anos, que ficou sete anos preso por um estupro que não cometeu, foi inocentado quase cinco décadas depois graças a um novo exame de DNA, segundo autoridades dos Estados Unidos.

Leonard Mack foi preso em 1975 na cidade de Greenburgh, em Nova York, sob a acusação de ter estuprado uma adolescente que estava a caminho da escola. O crime ocorreu em um bairro de maioria branca, e à época a polícia anunciou que buscava um suspeito negro. Mack foi detido e cumpriu toda a sentença.

Após uma campanha da organização Innocence Project (Projeto Inocência), exames de DNA que não estavam disponíveis na época “descartaram de forma conclusiva” Mack como autor do crime. Também identificaram o agressor, que confessou o estupro, segundo o gabinete do promotor do condado de Westchester.

“É a condenação errônea mais longa da história dos Estados Unidos conhecida pela Innocence Project a ser revogada por um exame de DNA”, disse em nota o gabinete do promotor distrital, enfatizando “a força inabalável” de Mack, que lutou por quase 50 anos para limpar seu nome.

“Finalmente estou livre”, disse Mack após ser inocentado. Ele não disse se pretende pedir indenização.

Segundo o Registro Nacional de Exonerações, 575 pessoas condenadas foram absolvidas com base em novos exames de DNA desde 1989, das quais 35 aguardavam a execução. Apesar de os negros representarem apenas 13,6% da população americana, mais de metade das 3.300 pessoas cujas sentenças foram revogadas de 1989 a 2022 eram negras.

Instituições que atuam em defesa dos direitos humanos também apontam ainda para a disparidade dos efeitos da violência sobre diferentes grupos sociais. Em 2021, a cada homem branco assassinado com uma arma de fogo nos EUA, mais de 22 homens negros foram mortos sob as mesmas circunstâncias.

Os dados foram coletados pelo Centro de Controle e Prevenção de Doenças e compilados em um estudo por pesquisadores de universidades como Harvard, Brown e Emory no ano passado.

+ sobre o tema

Políticas afirmativas e forças armadas nos EUA

É instigante a propósito da discussão sobre políticas afirmativas,...

Angela Davis

O nome verdadeiro é Ângela Yvonne Davis, nascida no...

Os grupos separatistas negros estão renascendo nos EUA?

Micah Xavier Johnson, o jovem que na semana passada...

para lembrar

Polícia notifica jovens em shopping por reconhecer o ‘naipe’

por Gisele Brito, São Paulo – O grupo com oito rapazes...

A sentença de André Ribeiro: Praticar cooper na mesma hora de um roubo

por  Leonardo Dallacqua de Carvalho Como um ritual, ao sentar...

Uma defesa da vida

no Jornal do Brasil por Mônica Francisco O dia já passou, mas a...
spot_imgspot_img

Posicionamento: pela divulgação do Relatório de Monitoramento de Violações na Baixada Santista

Geledés -Instituto da Mulher Negra apoia a Comissão Arns e as organizações da sociedade civil no repúdio às execuções sumárias e com exigência de...

Entidades denunciam execuções, invasões ilegais de casas e abusos durante operação da PM na Baixada Santista

Entidades de defesa dos direitos humanos e institutos ligados à segurança pública entregaram na noite desta segunda-feira (26), ao procurador-geral de Justiça, Mario Sarrubbo, um...

Protocolo negro

Quem é negro costuma cumprir um protocolo ao colocar o pé na rua. Inclui jamais sair sem um documento; não ir ao supermercado com...
-+=