Exposição no Rio retrata trajetória de mulheres negras ao longo dos 200 anos da independência

Enviado por / FonteBrasil de Fato

"De Úrsula a Ponciá Vicêncio" está em cartaz no Espaço SerCidadão, em Santa Cruz, até o dia 14 de novembro

O bairro de Santa Cruz, na zona Oeste do Rio de Janeiro, recebe a exposição “De Úrsula a Ponciá Vicêncio” que retrata, a partir de 10 telas, os 200 anos de Independência do Brasil e de Escrevivência de Mulheres Negras. 

As obras da artista plástica Malu Vibe, que é nascida e criada na favela da Rocinha, são focadas nos 200 anos da independência do país e no trabalho de escritoras negras, como Maria Firmino dos Reis, que publicou em 1859 o romance “Úrsula” e Conceição Evaristo, que lançou em 2003 a obra “Ponciá Vicêncio”.

Além dos retratos de mulheres negras importantes para a literatura brasileira, uma das telas traz o mapeamento das principais escritoras negras nascidas no Brasil nesse período. A pesquisa foi realizada pela produtora cultural e Mestra em Biblioteconomia, Cultura e Sociedade Bianca Ferraz.

“Decidi discutir o bicentenário, apresentando ao grande público a importância dessas mulheres negras, desde o legado de Maria Firmina até chegar às obras de Conceição Evaristo, autora que formulou o conceito de escrevivência, que é escrever sobre suas vivências, seu lugar. Algo que para a branquitude parece banal, mas para a população negra durante anos foi negado pelo projeto de invisibilização da literatura afro-brasileira”, explica Ferraz. 

A artista plástica Malu Vibe, responsável pelas telas que compõem a mostra / Foto: divulgação

A equipe do projeto é majoritariamente formada por mulheres negras e a curadoria é assinada por Ariani Teodoro, mediadora de leitura e fundadora do “empodera.sorocaba”, um coletivo de mulheres que através do conhecimento propõe grupo de leitura, encontro de empreendedoras e rodas de conversas em prol da conexão feminina.

A exposição “De Úrsula a Ponciá Vicêncio” está em cartaz até o dia 14 de novembro no Espaço SerCidadão, localizado na Rua Fernanda, 140, no bairro de Santa Cruz.  A entrada é gratuita e o horário de visitação é das 9h às 17h. 

A visita guiada da mostra ocorrerá no dia 8 de novembro, às 10h e no dia 10 de novembro, às 14h e às 16h. Para mais informações sobre a exposição e rodas de conversa, basta visitar o Instagram do projeto.

+ sobre o tema

Passeio pela mostra “Um defeito de cor”, inspirada no livro de Ana Maria Gonçalves

"Eu era muito diferente do que imaginava, e durante...

Taís faz um debate sobre feminismo negro em Mister Brau

Fiquei muito feliz em poder trazer o feminismo negro...

Conheça a história de Shirley Chisholm, primeira mulher a ingressar na política americana

Tentativas de assassinato e preconceito marcaram a carreira da...

Roda de Conversa: Mulher, raça e afetividades

O grupo de pesquisa Corpus Dissidente promove a roda...

para lembrar

Yes! Nós temos it Girls!

Compartilhei no Twitter que não leio mais blogs que não...

Lívia Casseres: A esperança corre nas veias das mulheres negras

Nos primeiros dias de 2021, um sopro de esperança...

Impostora ou apenas negra? É preciso ressignificar nossa história

Uma vez por mês, abro o espaço da minha...
spot_imgspot_img

Brasil finalmente considera mulheres negras em documento para ONU

Finalmente o governo brasileiro inicia um caminho para a presença da população afrodescendente no processo de negociação de gênero na Convenção-Quadro das Nações Unidas...

‘Não tenho história triste, mas ser mulher negra me define muito’, diz executiva do setor de mineração, sobre os desafios para inclusão na indústria

Diretora de relações governamentais e responsabilidade social da Kinross Brasil Mineração, Ana Cunha afirma que a contratação de mulheres no setor, onde os homens...

No Dia para Eliminação da Discriminação Racial ONU reforça importância de investir em mulheres negras

No Dia Internacional para Eliminação da Discriminação Racial, 21 de março, ONU defende investimento em mulheres negras como caminho para o progresso. A campanha "Investir...
-+=