quinta-feira, setembro 23, 2021
InícioQuestão RacialFacebook é acusado de preconceito racial na hora de contratar e promover

Facebook é acusado de preconceito racial na hora de contratar e promover

Uma agência dos EUA que vem investigando o Facebook por preconceito racial em contratações e promoções classificou a investigação como “sistêmica”, disseram à Reuters os advogados de três candidatos a empregos na rede social e um gerente que afirma que a empresa os discriminou.

Uma investigação “sistêmica” significa que a agência, a Comissão para Oportunidades Iguais de Emprego, suspeita que as políticas da empresa podem estar contribuindo para a discriminação racial generalizada.

O gerente do programa de operações do Facebook, Oscar Veneszee Jr., e dois candidatos que tiveram empregos negados levaram uma acusação ao órgão em julho passado, e um terceiro candidato rejeitado juntou-se ao caso em dezembro.

Eles alegaram que o Facebook discrimina candidatos e funcionários negros, baseando-se em avaliações subjetivas e recorrendo a estereótipos raciais.

A Comissão normalmente resolve disputas por meio de mediação ou permitindo que os reclamantes processem os empregadores. Mas os funcionários da agência designam alguns casos como “sistêmicos”, permitindo que os investigadores recrutem especialistas para analisar mais a fundo os dados da empresa e potencialmente abrir um processo mais amplo, representando classes inteiras de trabalhadores.

A Comissão ainda não apresentou acusações oficiais contra o Facebook. Sua investigação, ainda pode durar meses. A agência não quis comentar.

O porta-voz do Facebook Andy Stone se recusou a comentar sobre o status da investigação ou alegações específicas, mas disse que “é essencial fornecer a todos os funcionários um ambiente de trabalho respeitoso e seguro”.

“Levamos a sério qualquer denúncia de discriminação e investigamos todos os casos”, disse ele.

A Comissão recrutou investigadores para o caso sistêmico em agosto passado e recebeu documentos detalhados de ambos os lados nos últimos quatro meses, disse Peter Romer-Friedman, advogado da Gupta Wessler que representa Veneszee e os candidatos a empregos.

Os escritórios de advocacia trabalhista Mehri & Skalet e Katz Marshall & Banks também estão ajudando os trabalhadores.

Os escritórios da Comissão em Baltimore, Pittsburgh e Washington estão envolvidos no caso, disseram advogados das empresas. O advogado do Facebook, Covington & Burling, não respondeu a um pedido de comentário.

Queixas sobre disparidades

O aumento da diversidade racial e de gênero tem sido um desafio para as maiores empresas de tecnologia, que às vezes culpam a falta de candidatos qualificados de grupos sub-representados. Mas os trabalhadores de tecnologia cresceram encorajados a desafiar publicamente essa noção e a alegar em queixas formais que práticas de emprego tendenciosas causam disparidades.

Romer-Friedman disse que ele e seus colegas disseram à Comissão em uma apresentação no mês passado que uma das políticas do Facebook é conceder bônus aos funcionários de até US$ 5 mil quando um candidato indicado por eles é contratado. Os candidatos indicados tendem a refletir a composição dos funcionários existentes, prejudicando os profissionais negros, explicou ele.

O Facebook disse que cerca de 3,9% de seus funcionários nos EUA em junho passado eram negros.

Em dezembro passado, o Departamento de Justiça acusou o Facebook de discriminar amplamente os trabalhadores dos EUA, dizendo que dava preferência à contratação de trabalhadores temporários.

No mês passado, o Google da Alphabet Inc. concordou em pagar US $ 3,8 milhões para resolver as alegações do governo dos EUA de que pagava mal às mulheres e preteria injustamente mulheres e asiáticos em vagas de emprego.

 

 

RELATED ARTICLES