Feminicídio: casos de violência contra a mulher ainda não são registrados devidamente

Apesar da obrigatoriedade por lei, de 2015, maioria dos casos continua sendo registrada como crime passional, o que contribui para a impunidade

DO RBA

ISAAC ESQUIVEL /CUARTOSCURO.COM

São Paulo – Chegou ao fim na semana passada o inquérito do caso que ficou conhecido como Chacina de Campinas, ocorrida na virada do ano, que culminou com a morte de 12 pessoas, sendo nove mulheres, além do agressor, que se suicidou. O caso foi um dos poucos do tipo a serem classificados como feminicídio.

Apesar da tipificação do feminicídio constar no Código Penal brasileiro desde 2015, ainda durante o governo Dilma, a maioria dos casos como esse continuam a ser registrados como crime passional. Para especialistas, essa prática incentiva a impunidade e contribui para a continuidade dos elevados índices de violência contra a mulher no Brasil.

De acordo com o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), a cada hora e meia uma mulher é assassinada por um homem, no Brasil, simplesmente por ser mulher, totalizando 13 casos de feminicídio por dia. A pena para o crime é de 12 a 30 anos de prisão, sem direito a pagamento de fiança.

A advogada Marina Ganzarolli, cofundadora da Rede Feminista de Juristas (DeFEMde), afirma que o machismo e as opressões contra a mulher ainda fazem parte do dia a dia das instituições policiais e de Justiça. “Infelizmente, o machismo e o patriarcado são estruturais, e a delegacia e a Justiça não estão fora do mundo.”

A assistente social Cláudia Cristina Mussolini explica que a versão de crime passional é uma tentativa do homem de justificar a violência contra a mulher.  “Se um homem matou outro homem, ou se ele mata um idoso ou idosa, ou uma criança, é considerado e entendido pela sociedade como um crime de homicídio. Agora, se um homem matou uma mulher, aí se diz que é crime passional, que envolve ciúme, jogos sexuais ou outros tipos de justificativas para o homicídio, sempre diminuindo o valor da vida da mulher”.

+ sobre o tema

Transmissão ao vivo do Workshop: Enfrentando a Violência Racial e de Gênero

Geledés Instituto da Mulher Negra esta realizando o Workshop ...

Thereza Santos entre armas e kizombas

Pegar em armas de fogo, no Continente Africano, durante...

Igualdade de gênero e raça nas empresas será discutida, nesta 5ª feira, em Brasília

Encontro tem como objetivo compartilhar ações positivas entre as...

Estudantes baianas recebem menção honrosa na maior feira de ciências do mundo

As estudantes Beatriz de Santana Pereira e Thayná dos Santos...

para lembrar

As ligações perigosas entre mídia e violência de gênero

É antiga a discussão sobre a influência dos produtos...

A Mulher Negra e o sexo frágil – por Jarid Arraes

Há muito tempo, o feminismo vem combatendo a idéia...

Violência contra a mulher vira tema de samba-enredo da Mangueira

Escola destaca mulheres no enredo e faz adesão às...
spot_imgspot_img

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Moraes libera denúncia do caso Marielle para julgamento no STF

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), liberou nesta terça-feira (11) para julgamento a denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR) contra...
-+=