#FimDosAutosDeResistencia – Aprovação do PL 4471/12 pode ser o fim da “licença para matar”

Como é possível que em um país que ultrapassou a marca de 1 milhão de assassinatos nos últimos 30 anos – grande parte promovidos por policiais – ainda seja legal que policiais, após cometerem os assassinatos, tenham o direito de culpar a vítima e ficarem livres da investigação?

Registro aqui dados já publicados em textos anteriores, onde os dados falam por si:

 

  • O número de homicídios passou de 13,9 mil em 1980 para 49,0 mil em 2010, um aumento de 259%. Nesse período a taxa de homicídio passou de 11,7 para 26,2 em cada grupo de 100 mil habitantes;
  • Há uma projeção de que 32 mil adolescentes serão mortos violentamente entre 2007 e o final de 2013.  A possibilidade de um adolescente negro ser vítima de violência é 3,7 vezes maior em comparação com os brancos;
  • Em 2011 o número de mortes por autos de resistência apenas no Rio e em São Paulo foi 42,16% maior do que todas as execuções promovidas por 20 países em que há pena de morte! ;
  • Em São Paulo só em 2012, 546 pessoas foram mortas em decorrência de confronto com a Polícia Militar;
  • Sempre cabe a comparação: São reivindicadas 426 pessoas mortas e desaparecidas em 21 anos da ditadura civil-militar, iniciada em 1964.

 

ASSISTA VÍDEO EM QUE A POLÍCIA FORJA AUTOS DE RESISTÊNCIA – Cenas Violentas

O registro dos “Autos de Resistência” (morte em confronto com a polícia) com o objetivo de maquiar homicídios cometidos por policiais civis e militares é uma prática comum, conhecida e amplamente utilizada pelos serviços de segurança pública em todo o Brasil.

O desaparecimento de Amarildo no contexto das grandes manifestações jogou luzes e mostrou ao mundo a prática genocida do estado brasileiro, executada com muita competência pelas policias no cotidiano das periferias brasileiras.

Há muitos anos os movimentos negros e os movimentos sociais exigem o fim da qualificação dos autos de resistência em boletins de ocorrência. Como fruto da permanente pressão desses grupos em São Paulo, o governo foi obrigado a recuar e em Janeiro de 2013 editou uma resolução dando fim a esse procedimento. Hoje, com exceção de São Paulo, as mortes e lesões corporais cometidas por policiais durante o trabalho ainda podem ser registrados pela polícia como “autos de resistência” ou “resistência seguida de morte”. Com isso esses assassinatos não são investigados.

A aprovação do Projeto de Lei (PL) 4471/2012 que altera o Código de Processo Penal e prevê a investigação das mortes e lesões corporais cometidas por policiais durante o trabalho é importantíssimo no sentido ao menos provocar uma investigação dos casos – já que é a própria policia que investiga!. É também uma forma de diminuir as coagir ações violentas por parte de policiais e sua conduta letal.

Nesta terça feira (15), movimentos, artistas, ativistas e lideranças políticas estarão mobilizadas para que o PL 4471 entre em votação e seja aprovado.

Exigimos o fim do genocídio. Exigimos que cessem os assassinatos e a prática militar das polícias. E para os casos de permanência do abuso policial, exigimos que haja séria investigação. Não podemos – do ponto de vista humanitário, permitir que agentes policiais, servidores públicos pagos com dinheiro público, mantenham uma licença para matar e a conivência do Estado para ficarem impunes.

O Portal Geledés se junta ao grande movimento nacional pelo #FimDosAutosDeResistencia.

 

 

Fonte: Brasil de Fato

+ sobre o tema

Mulheres pretas e pardas são as mais afetadas pela dengue no Brasil

Mulheres pretas e pardas são o grupo populacional com...

‘Me sinto decapitado’: por que cada vez mais homens têm o pênis amputado no Brasil?

Uma verruga no pênis fez João*, de 63 anos,...

Direito ao voto feminino no Brasil completa 92 anos

As mulheres são atualmente 52% do eleitorado brasileiro, segundo...

para lembrar

Fim dos autos de resistência: temos realmente o que comemorar?

Nos últimos dias, veicula-se nas redes sociais e meios...

Negros são 77% dos mortos pela polícia do Rio em 2015

De acordo com dados do ISP (Instituto de Segurança...

Genocídio por Sueli Carneiro

O relator especial da Comissão de Direitos Humanos da...
spot_imgspot_img

Um guia para entender o Holocausto e por que ele é lembrado em 27 de janeiro

O Holocausto foi um período da história na época da Segunda Guerra Mundial (1939-1945), quando milhões de judeus foram assassinados por serem quem eram. Os assassinatos foram...

Caso Marielle: mandante da morte de vereadora teria foro privilegiado; entenda

O acordo de delação premiada do ex-policial militar Ronnie Lessa, acusado de ser o autor dos disparos contra a vereadora Marielle Franco (PSOL), não ocorreu do dia...

Pacto em torno do Império da Lei

Uma policial militar assiste, absolutamente passiva, a um homem armado (depois identificado como investigador) perseguir e ameaçar um jovem negro na saída de uma...
-+=